Últimas de Estilo de vida

Profissionalismo deve ser observado ao contratar uma assessora de casamento

ISABELA LEAL

Colaboração para o UOL

Como não existe ainda um órgão ou conselho fiscalizador dessa atividade, em princípio qualquer um pode exercê-la. É aí que mora o perigo. Apesar de ter muita gente séria, com conhecimento e experiência em eventos, hotelaria, festas, atendimento na área de alimentos e bebidas, há também um mercado amador paralelo. “Tem vários níveis de serviço. Pela Abrafesta, estamos tentando chegar a um acordo e esclarecer para o nosso público o que um profissional precisa entender e qual a responsabilidade efetiva de uma assessoria de casamento. O crescimento nesse setor está desordenado, o que leva alguns profissionais a improvisarem determinadas tarefas, comprometendo a qualidade. Essa atividade pode até ser vista como algo fácil, mas é difícil, complexa, exige muito conhecimento e bons contatos, e as falhas sempre aparecem no resultado final”, conclui Vera Simão.

  • Lan Rodrigues/Divulgação

    Assessora de casamento explica o cerimonial aos padrinhos

Que o diga, quem vive na pele essa situação. “A cada dia surge uma assessoria e nesse festival de novas empresas, o risco de contratar alguém sem conhecimento, experiência e ética é grande”, conta Camila Relva, que já foi procurada, mais de uma vez, para ‘salvar’ o planejamento de um casamento que não estava sendo bem elaborado por outra assessoria. “Isso não é uma profissão, é um talento. É preciso ter conhecimento de economia, administração, organização, vontade própria, saber falar. Essa profissional entra em uma família, ela deve ter opinião, discernimento. Não tem que fazer só o que a noiva quer, mas dizer o que realmente funciona. Tem que ser parceira, dizer não na hora certa, sim na hora certa, opinar, conhecer o mercado em que atua para poder dar forma a todas as vontades da noiva. Mas com argumentos concretos. Cada família tem uma vontade, um desejo, uma religião. É preciso considerar todos os aspectos”, pondera Vera Simão.

Como escolher uma boa assessora?

É fácil, basta seguir os princípios básicos de qualquer escolha: perguntar para quem conhece e experimentou. “Fiquei encantada com a organização do casamento de uma amiga. Perguntei qual foi a assessora e contratei de olhos fechados. Não teve erro. No meu dia foi maravilhoso também”, conta a engenheira civil Lúcia Castro, de Brasília (DF). “Sem dúvida, a indicação de alguém que contratou e ficou satisfeita é uma maneira segura de escolher um serviço desses. Muitos clientes chegam até mim por indicação de quem me conhece. Porém, antes de qualquer coisa é bom saber qual é a estrutura da empresa, se é uma empresa legal com CNPJ e nota fiscal. Depois, sim, saber como a assessoria trabalha, como é feito o trabalho antes e no dia, quantas pessoas trabalham no dia, o que está combinado em contrato e adequar tudo ao perfil dos noivos”, alerta Camila Relva. “É fácil criar um site e colocar fotos lindas, mas qual é a garantia que por trás daquela mesa de doces maravilhosa houve uma organização impecável? A foto retrata uma decoração, a assessoria precisa mostrar eficiência e comprometimento com o planejamento do casamento, para que aquela mesa de doces fotografada vire realidade”, complementa Mari Dedivitis.
 

  • Anna Quast Fotografia/Divulgação

    Assessora arruma o vestido de uma noiva durante o casamento

Esse é o tempo médio que uma assessora pode necessitar para organizar um casamento, mesmo que a assessoria seja apenas para o dia da festa. “Nesse segundo caso, para que não haja nenhum furo, é necessário pelos menos 60 dias de antecedência para acompanhar os últimos preparativos e conferir todo o planejamento feito pelos noivos ou por alguém da família”, justifica Mari Dedivitis, se referindo à chamada “assessoria do dia”. Os trabalhos mais extensos, chamados de “assessoria completa” podem chegar a exigir um tempo de até dois anos e meio de organização, considerando desde a primeira reunião para saber o perfil da noiva – o que gosta, o que não gosta – até o grande dia.

Não é privilégio dos ricos

Ao contrário do que pode parecer, contratar uma assessora não é mais uma regalia das classes abastadas. Esse serviço já pode fazer parte da realidade de qualquer pessoa, mesmo as menos favorecidas financeiramente. “Não tem essa discriminação no mercado de casamento. Cada classe social pode contar com uma assessora dentro da sua realidade, que corresponda às suas necessidades e ao seu bolso. Um casamento pode ter gastos exagerados, moderados ou controlados e mesmo dentro desse último perfil ser uma verdadeira maravilha, porque tem alegria, unidade nas escolhas, e o principal, corresponde aos desejos da noiva”, afirma Vera Simão, precursora dessa atividade no Brasil. “Casamento chique é aquele em que se gasta adequadamente para realizar todos os desejos”, conclui Vera.

Topo