Beleza

Marca de cosméticos precisará de grandes mudanças após saída de presidente

O novo presidente-executivo da Avon terá de descobrir como melhorar as operações da empresa de cosméticos da Rússia até o Brasil, analisar se as vendas diretas funcionam nos Estados Unidos e ser capaz de estimular suas milhares de revendedoras.

Após anos de perdas nos resultados, reestruturações e milhões de dólares gastos em uma investigação de pagamento de propina no exterior, aquele que ocupar a presidência receberá uma longa lista de pendências para recuperar a confiança do investidor.

"O novo presidente-executivo terá que ser operacionalmente focado e fisicamente disciplinado. Eu não acho que as vendas diretas são uma experiência necessária, mas seria bom ter conhecimento em mercados emergentes e grandes mudanças", disse o analista Ali Dibadj, da Sanford C. Bernstein.

Na terça-feira (13), a Avon informou que irá procurar um novo presidente-executivo, sendo que Andrea Jung passará a ocupar a presidência do conselho da empresa .

As ações da Avon chegaram a subir 11 por cento e fecharam em alta de 5 por cento diante da expectativa de que a companhia passe por uma renovação com o novo presidente-executivo, após vários anos de ganhos frustrantes e reestruturações.

"Queremos acreditar que o conselho estimulará qualquer que seja o novo presidente-executivo a pensar o modelo de negócio da Avon em uma folha de papel em branco", disse a analista Lauren Lieberman, do Barclays.

Topo