UOL Estilo UOL Estilo

17/06/2009 - 16h54

Saiba como escolher o corretivo ideal para sua pele e aprenda a usar o produto

ISABELA LEAL
Colaboração para o UOL
De todo o arsenal que nós mulheres levamos no nécessaire ou mantemos em nosso banheiro, talvez o corretivo seja um dos principais. O motivo? Ele é um grande aliado para camuflar imperfeições como olheiras, manchas e cicatrizes ou ainda "defeitinhos" do momento, como um olhar cansado, marcas de estresse ou uma espinha que surge de repente. No entanto, para fazer desse cosmético uma eficiente ferramenta de disfarces é preciso escolher o tom e a textura corretos, de acordo com o resultado pretendido.
  • Ana Lima/UOL

    Em peles que necessitam de mais correção, o corretivo vem antes da base (foto)


"A cor ideal é aquela que é mais próxima ao tom da pele. Quanto mais semelhante à tonalidade da cútis, mais natural", diz o maquiador Augusto Sargo, da marca francesa Chanel no Brasil. A maquiadora Graziela Magliano, do Salão Galeria, em São Paulo, concorda com uma ressalva. "O canto externo inferior dos olhos e a área da base da sobrancelha, na pálpebra superior, devem ser corrigidos com um corretivo um tom mais claro que a cor original da tez. Esse truque ilumina o olhar", explica. "Mas atenção: uma mulher que já possui rugas de expressão deve dispensar essa dica, caso contrário corre o risco de evidenciar os sinais da idade", afirma a maquiadora. Para não errar o tom na hora de comprar, uma boa dica é aplicar uma gota entre as sobrancelhas (área onde a luz bate diretamente), espalhar bem e observar. "O produto tem que proporcionar uma cobertura uniforme, sem parecer que está ali e sem destoar da cor da cútis", ensina Graziela.

Quanto à textura ideal, são vários os fatores que pesam. Os cremosos são indicados para as peles oleosas, pois a maioria contém substâncias hidratantes e assim melhoram o conforto e a sensação física do cosmético no rosto. Os líquidos são perfeitos para as peles mais maduras, que já apresentam linhas médias, ou seja, não tão leves, mas também não muito profundas. "Por conterem mais água, têm uma boa cobertura, deixando um efeito natural, principalmente para essa fase da vida em que os sinais começam a ficar mais pronunciados", diz Graziela. As peles mais secas podem ser corrigidas apenas com os líquidos ou cremosos. "Eles contêm propriedades emolientes. Inclusive, esse tipo de cútis deve evitar o bastão para não correr o risco de craquelar", avisa André Sartori, maquiador oficial da Revlon no Brasil. Os corretivos em bastão, também chamados de iluminadores, são indicados para as peles mais lisas e firmes, sem marcas de expressão. Eles cobrem totalmente sinais como acne e olheiras leves, típicas das meninas mais novas. "Já os produtos em forma de lápis são ideais para espinhas, feridinhas e manchas pequenas, pois são bem objetivos na hora de aplicar e cobrem apenas a região necessária, que nesses casos normalmente são áreas minúsculas", afirma Graziela, que faz um alerta: ao camuflar pontos específicos é preciso cuidar para não exagerar, se não acontece o oposto e o defeito se torna mais visível.

A etapa correta da maquiagem para se aplicar o corretivo divide opiniões entre os maquiadores. Mas pode-se dizer que nas peles com mais correções a serem feitas é indicado que se aplique o produto antes de tudo, facilitando assim a visibilidade do efeito de camuflagem. Nas cútis mais jovens ou sem muitas linhas ou manchas, a base acaba resolvendo grande parte do problema por deixar o rosto uniforme. Nesses casos, o corretivo deve ser aplicado depois, apenas em pontos bem específicos que a base não foi suficiente para cobrir.
  • Ana Lima/UOL

    Com a pele corrigida e uniforme, basta fazer o make que quiser, para o dia ou para a noite


Disfarce contrário
Para se obter um resultado perfeito do corretivo, o segredo é equilibrar as regiões de luz e sombra do rosto, o que significa clarear as áreas mais escuras como pálpebra inferior, lateral do nariz, canto externo da boca e "coração" do lábio superior. Portanto, esqueça aquela teoria de que corretivo elimina vincos e sinais profundos. "Para camuflar esse tipo de problema é melhor utilizar o mínimo possível de corretivo. Na maioria dos casos a base resolve, mas também requer uma indicação específica de acordo com a idade e condições da pele", explica a maquiadora Camilla Moraes, de São Paulo.

Assim, cai o mito de que corretivo serve para amenizar linhas de expressão como pés de galinhas e bolsas de inchaço; e vincos, como os do queixo e da base do nariz ao canto da boca. "Aplicado nesse tipo de imperfeição o corretivo acaba chamando mais a atenção, pois a tendência é o produto penetrar nas linhas e ressaltar ainda mais o problema", diz Camilla.

Correção em cores
Ainda pouco usados entre quem não domina completamente os pincéis, os corretivos em cores, disponíveis em diversas marcas, servem para cobrir imperfeições mais complicadas como hematoma e cicatrizes. Para fazer uso deles, é bom consultar um profissional, pois é fácil cometer erros na escolha da cor ideal. Veja abaixo os efeitos e indicações de cada tom:
Alaranjado: Cobre olheiras intensas como as arroxeadas e azuladas.
Verde: Camufla acne inflamada (espinhas vermelhas), manchas de sol e rosácea (vermelhidão e rubor que aparece principalmente nas bochechas).
Vermelho: Cobre manchinhas brancas como as senis (pontos brancos mínimos) ou melasmas claros (manchas mais claras do que o tom de pele).
Lilás: Disfarça manchas alaranjadas como as de excesso de sol.
Amarelo: Camufla olheiras arroxeadas e avermelhadas.
Fonte: Graziela Magliano, maquiadora do Salão Galeria, em São Paulo



Créditos:
Fotos: Ana Lima
Assistente de fotografia: Marcelo Barbosa
Criação e beleza: Graziela Magliano, maquiadora do salão Galeria, em São Paulo
Modelo: Renata Santana
Agradecimentos: Agência Photo Book, em São Paulo

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host