Vida saudável

"Corria na esteira chorando", conta ex-BBB que emagreceu 44 quilos

Frederico Rozário/TV Globo/Reprodução/Instagram
A ex-BBB Paula Leite emagreceu 44 quilos em onze meses imagem: Frederico Rozário/TV Globo/Reprodução/Instagram

Depoimento a Thamires Andrade

Do UOL

Paula Leite nunca teve problemas com a balança, mas antes de entrar no "BBB 11" engordou bastante. O estalo para voltar a ter uma vida mais saudável veio quando se pesou depois de sair da casa. Depois de emagrecer 44 quilos em onze meses, a ex-BBB conta o que fez de certo --e de errado-- ao mudar sua alimentação e estilo de vida, já que odiava ir para a academia. Leia a seguir:

"Até os 20 anos, eu era magra, mas aos 21 eu resolvi que queria emagrecer cinco quilos e tinha uma moda na cidade em que eu morava (em Boa Vista, Roraima) de tomar remédio para emagrecer. Via que todo mundo perdia peso muito rápido e resolvi tomar também. Eliminei oito quilos, mas depois que parei de tomar o remédio, engordei 14 e aí desenvolvi dificuldade de perder peso. Passei a ter pavor de remédio, pois fiquei com problemas hormonais. O remédio desregulou toda minha saúde, antes eu não tinha problema.

Engordei para valer [cerca de 15 quilos] quando fui para o 'BBB' e depois que saí da casa, engordei mais 20 quilos. Dormia tarde, vivia fazendo presença VIP em balada, bebia e comia em aeroporto.

O estalo para emagrecer veio quando subi na balança depois de muito tempo. Jurava que pesava 80 quilos, mas me pesei na casa de um amigo e estava com 99,9. Tomei um susto e achei que a balança dele estava errada. Fui a três farmácias para ter certeza de que, sim, aquele era o meu peso.

Resolvi que ia voltar para minha cidade e me dedicar em emagrecer. Abri uma loja de roupa, mas o tamanho dos modelos de roupa mais bonitos ia até o 40 e eu ainda não conseguia usar nada. Isso foi um estímulo para mim.

Comecei a fazer a dieta de forma errada –hoje eu reconheço--, mas, na época, só queria emagrecer, independentemente se ia ficar saudável ou não.


Foram dois meses de dietas malucas. A primeira foi a dieta líquida, normalmente feita por quem faz redução de estômago. Depois foi uma que eu só comia ovo, outra que só podia frango e, por fim, uma que só era permitido frutas e caldos. Em dois meses, perdi dez quilos, mas notei que meu cabelo estava caindo, minhas unhas estavam fracas, pois me privei de muitos nutrientes.

Procurei um médico que me passou algumas vitaminas e me encaminhou para uma nutricionista para que eu pudesse emagrecer comendo. 
Com o acompanhamento dela, comecei a fazer a dieta Dukan, que deu muito certo para mim e consegui eliminar os 34 quilos que faltavam –ao todo foram 44 quilos em onze meses.

Para mim, essa é uma dieta boa, pois você come, emagrece e não é radical. A nutricionista, além de deixar os cardápios com todos os nutrientes necessários, ainda me explicou sobre a composição corporal. Nem sempre o peso significa muita coisa. Eu já cheguei a pesar 56 quilos, mas estava com o percentual de gordura muito alto. Hoje, estou com 60, mas a gordura corporal está bem menor.

Para mim, a coisa mais difícil da dieta é a segunda semana. Na primeira, você ainda está empolgada, mas é na segunda que pinta o desânimo. Mas sempre tive em mente o que você já tinha conquistado para não desistir. Sonhava com comida, era viciada. Para mim, se você não consegue passar uma semana sem comer besteira, fritura e refrigerante, isso é um vício e nada em excesso é bom. Por isso, indico cortar essas coisas aos poucos, pois, às vezes, eliminar tudo de uma vez pode dar um desespero, até dor de cabeça, porque o corpo sente falta daquelas substâncias.

Quando comecei a Dukan, entrei na academia e ia duas vezes ao dia: de manhã, fazia musculação e à noite, aeróbico. Estava muito focada e vivia, literalmente, para isso. Mas não foi fácil, gostava de praticar esportes, era do time de handebol quando mais nova, mas odiava ir para a academia.

Corria chorando por que não queria estar fazendo aquilo, não gostava da academia nem do ambiente, ia arrastada. Mas encarava como uma obrigação, como ir para a faculdade e, com o tempo, passei a gostar.


Eu sempre digo que fazer dieta é mais barato do que sair comendo tudo. Gastei dinheiro para colocar meu silicone, não para emagrecer. O problema é que as pessoas se auto sabotam em tudo: comem escondidos e mentem para a nutricionista, inventam desculpa para não começar uma atividade física...

Muita gente diz que fiz abdominoplastia, mas as únicas cirurgias que fiz foi colocar silicone e uma vibrolipo na região das costas depois de ter perdido 36 quilos. Minha pele é muito consistente, mais durinha, e como sempre pratiquei esportes, tinha uma boa musculatura, mesmo estando acima do peso.

Hoje em dia, sigo o “método 5S de emagrecimento”, que é um programa que une a parte nutricional com o tratamento estético. A nutricionista, além de elaborar um plano saudável, sempre tenta introduzir alimentos que você não está acostumado –no meu caso foram as verduras e toda semana a dieta é alterada para o corpo não se acostumar. Também tem os tratamentos estéticos, como a manta térmica que ajuda a acelerar o metabolismo. Com esse método, consegui perder gordura corporal e não massa magra e, quando você chega no peso ideal, você pode comer de tudo.

Atualmente, quero baixar ainda mais o percentual de gordura, portanto, estou seguindo o método e comendo certinho, não estou me permitindo nem sair da dieta no fim de semana. Mas não faço por obrigação, mas sim por escolhas. Quero ficar sequinha."

Topo