Alimentação

Nova York pode proibir brinquedos em lanches infantis de redes de fast-food

Nova York, 6 abr (EFE).- Nova York estuda proibir que as redes de fast-food incentivem a venda de seus menus infantis com brinquedos, a não ser que tenham um número reduzido de calorias, o que a transformaria na segunda grande cidade dos EUA a aplicar esse tipo de medida, após San Francisco.

O conselheiro municipal nova-iorquino Leroy Comrie defendeu nesta quarta-feira uma proposta que proibiria as redes de fast-food de associarem brinquedos ou outros brindes aos menus infantis, a não ser que estes cumpram certos requisitos nutricionais, entre eles ter menos de 500 calorias e pouco sal.

A obesidade infantil é um problema que preocupa os Estados Unidos e, só na cidade de Nova York, uma em cada três crianças tem sobrepeso, argumentou nesta quarta-feira o conselheiro, que também sofre desse problema e defende estabelecer multas que poderiam chegar a US$ 2,5 mil.

San Francisco (Califórnia) já tem implantada uma proibição parecida, que obriga as redes de fast-food a melhorarem o valor nutritivo de suas comidas para crianças se quiserem continuar fazendo promoções com brinquedos.

A lei da cidade californiana impede que os estabelecimentos deem presentes associados a alimentos infantis que tenham mais de 640 miligramas de sódio, 600 calorias e 35% de suas calorias originadas de gorduras.

Nova York já exige que esses estabelecimentos detalhem as calorias de seus alimentos, uma iniciativa que na semana passada a agência reguladora de alimentos e medicamentos dos EUA (FDA) anunciou que estenderá a partir de 2012 para todo o país.

Os americanos consomem um terço de todas as calorias em comidas preparadas fora da casa, segundo a FDA, que calcula que a medida afetará 280 mil estabelecimentos.

A luta contra a obesidade é uma das prioridades da Administração do presidente Barack Obama perante o preocupante aumento desse problema entre a população, especialmente entre as crianças.

Um relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) detalha que o número de pessoas adultas obesas nos Estados Unidos era de 2,4 milhões no final de 2010.

A primeira-dama, Michelle Obama, lançou no ano passado o programa "LeT's Move", dirigido especialmente para as crianças, que procura instaurar hábitos alimentares mais saudáveis e incentivar a prática de exercícios físicos.

Topo