Vida saudável

Porto Alegre confirma primeiros casos de dengue contraídos na cidade

João Guedes, especial para o UOL Notícias

De Porto Alegre

A prefeitura de Porto Alegre anunciou nesta quarta-feira (2) a confirmação dos dois primeiros casos de dengue autóctone - contraídos no próprio local - da capital gaúcha. Até hoje, os casos registrados eram de pessoas que contraíram a doença em outras cidades.

Trata-se de dois moradores do bairro Jardim Carvalho, que não tinham feito nenhuma viagem para áreas de transmissão. Ambos já estão curados, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde (SMS).

Os sintomas se iniciaram na primeira semana do mês passado. O primeiro caso foi notificado em 3 de maio e o diagnóstico indicado por exame do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado (Lacen-RS). O caso foi confirmado em definitivo no final do mês pelo Laboratório Adolfo Lutz, no Rio de Janeiro.

Os familiares do paciente também foram submetidos a exames e o sogro do paciente, moradora da mesma rua, apresentou sintomas e teve o diagnóstico confirmado, resultado que ainda aguarda ratificação do Adolfo Lutz.

Foi a primeira vez que um morador da capital gaúcha contraiu a doença no município, mas desde 2001 autoridades sanitárias já registravam a presença do mosquito Aedes aegypti na capital gaúcha. Até então, todos os casos foram de pessoas que contraíram em outras localidades. Neste ano, foram 18 no total, segundo a SMS.

O fato não deve representar risco de epidemia, segundo o secretário municipal de Saúde, Carlos Henrique Casartelli. “São dois casos isolados. Não temos uma situação de epidemia e acreditamos que o vírus não esteja circulando em Porto Alegre”, disse.

Alerta

Mesmo sem alerta de epidemia, a Secretaria mudou o alerta epidemiológico na Capital. Antes, eram considerados suspeitos apenas casos de pacientes que tivessem viajado. “A partir de agora, toda pessoa com sintoma da doença é um caso suspeito”, informou Casartelli.

Para André Luiz Machado da Silva, infectologista da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e do Hospital Conceição, de Porto Alegre, não há risco de multiplicação nos casos nos próximos meses devido a chegada do inverno, que reduz a presença do mosquito transmissor.

O especialista adverte, entretanto, que os casos servem de alerta para a comunidade medica local para o próximo verão. Sabendo que o vírus circula na cidade, os médicos devem ficar atentos para novas ocorrências. “Pode ser que novos casos voltem a aparecer. É importante notificar casos suspeitos para tomar medidas de bloqueio e buscar casos semelhantes”, explica Silva.

A prefeitura local ainda anunciou o início de uma nova campanha de conscientização da população para prevenir a doença com eliminação de eventuais criadouros do Aedes aegypti e informou que promoveu ações de bloqueio - aplicações de inseticidas contra a forma adulta do mosquito - no bairro Jardim Carvalho.

 

Topo