Alimentação

Atualizada em 09.10.2012 13h38

Estudo revela que 61% das brasileiras querem emagrecer, mas metade não se esforça para isso

Thinkstock
Apesar de especialistas baterem na tecla da importância de se aliar dieta a exercícios, 61% das enrtevistadas afirmaram não praticar nenhum tipo de exercício físico imagem: Thinkstock

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

Emagrecer é desejo de pelo menos 61% das brasileiras, de acordo com um levantamento encomendado pela Nestlé e divulgado nesta terça-feira (9). Apesar da preocupação, metade dessas mulheres (49,3%) não faz qualquer esforço para atingir sua meta. Apenas 29% delas praticam atividade física para enxugar os quilos a mais; 20% fazem dieta ou reeducação alimentar e 12,6% procuram manter uma alimentação saudável e equilibrada.

O estudo contou com 800 mulheres de 4 cidades na faixa etária de 18 a 45 anos.Os dados mostram que as mulheres que vivem no Rio de Janeiro são as que mais se preocupam com o peso - 69% delas querem emagrecer. Em Porto Alegre, 61% desejam perder peso e, em São Paulo, 59,9%. Recife é a única capital dentre as pesquisadas em que menos da metade quer emagrecer, apenas 46,5%.

Para alcançar o peso desejado, 44% das mulheres afirmam já terem feito alguma dieta durante a vida, sendo que 22% já fizeram mais de 10 vezes. Apenas 40,2% tiveram acompanhamento profissional para isso.

A prática mais comum, mencionada por 57,5% das entrevistadas, é copiar a dieta da amiga. Para Alfredo Halpern, endocrinologista da Universidade de São Paulo (USP), esse fenômeno não é incomum. "Isso ocorre porque nos dias de hoje qualquer pessoa com bom senso sabe os alimentos que engordam, os que fazem bem e os que fazem mal", afirma.

Ao iniciar uma dieta, 65,2% das mulheres cortam os carboidratos, como pão, macarrão, arroz e batata do cardápio. Além disso, o açúcar é eliminado do cardápio por 41,3%; frituras e gorduras são excluídas da alimentação de 27% das mulheres e os refrigerantes, de 12,7% delas.

Atividade física

Apesar de especialistas baterem na tecla da importância de se aliar dieta a exercícios, o conselho é pouco seguido pelas brasileiras. "A pesquisa mostra que 80% das mulheres que já fizeram dieta mudaram seus hábitos alimentares para emagrecer, enquanto apenas 49,6% passaram a fazer atividades físicas para isso", pondera Halpern. Para o endrocrinologista, a melhor forma de manter a forma é com os exercícios.

Dentre as entrevistadas, 61% afirmaram não praticar nenhum tipo de exercício físico. A falta de tempo é a desculpa encontrada para explicar o sedentarismo. "De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o sedentarismo é a doença que mais mata, só perde para o fumo", alerta Halpern.

Do total de 39% de mulheres que se exercitam, 80% delas praticam atividades três dias ou mais durante a semana, enquanto 11,7% fazem todos os dias. Para diminuir os riscos de doenças, no entanto, não é preciso viver na academia. "Qualquer exercício é melho que nenhum exercício. Caminhar por 30 minutos alguns dias da semana já reduz risco de doença e ajuda a manter o peso", afirma o educador físico Dudu Netto.

O psicólogo Marco Tommaso ressalta que o exercício físico precisa estar ligado ao prazer. "O melhor exercício é aquele que, mesmo cansado hoje, eu tenha vontade de fazer amanhã. Além disso, ele é um poderoso antiestresse e ajuda a regular a ansiedade e a depressão, que podem prejudicar a perda de peso", garante.

Mudanças comportamentais

De acordo com a pesquisa, 80,3% das mulheres entrevistadas têm vergonha de mostrar o corpo para o companheiro. "O primeiro mandamento para quem está com a autoestima baixa é: não se lamente! Faça!", determina Tommaso. O psicólogo reforça que é preciso ter comprometimento para chegar no peso ideal.

Do total de entrevistadas, 19,2% confessaram já ter deixado de ir a uma festa por se sentirem gordas. "Há várias mulheres que evitam encontros sociais e até entrevista de emprego por causa do peso, se priva dos prazeres da vida e fica em casa assaltando a geladeira e engordando ainda mais", opina Tommaso.

Um outro fator que atrapalha o alcance do peso desejado é a proliferação de "crenças mágicas", receitas para emagrecer sem esforço que não têm fundamento. "Não há um fator externo que emagreça - um remédio, uma fórmula. É preciso mudanças de comportamento e de hábitos. E um comportamento só se torna um hábito se for prazeroso", frisa o psicólogo.

Café da manhã

Para 70,8% das mulheres, o café da manhã contribui para a manutenção do peso. "Há estudos que mostram que pessoas que fazem a refeição de maneira correta na parte da manhã conseguiram perder mais peso e manter os quilos emagrecidos. Além do que o horário em que se come é importante para a metabolização dos alimentos", afirma Halpern.

O pão é o alimento mais consumido no café da manhã (75,4%), seguido de café (72%), manteiga e margarina (66%) e leite (57,2%). Dentre os alimentos menos consumidos, o refrigerante lidera a lista, pois é eliminado por 88,2% das mulheres. Em seguida, os cereais matinais industralizados (81,9%), a granola (81,1%) e os biscoitos industrializados (77,5%).

De acordo com Halpern, os alimentos mais consumidos no café da manhã das entrevistadas são adequados, mas ainda é possível melhorar, acrescentando grãos integrais nesse período. "Há estudos que associam o consumo de alimentos integrais, como os cereais, a um menor risco de mortalidade por doenças cardiovasculares", exemplifica.

No entanto, apenas 19,5% das entrevistas conhecem bem esse tipo de alimento. "Os cereais integrais têm mais nutrientes, saciam mais e equilibram o apetite nas outras refeições. Uma opção é comer com leite, iogurte e até frutas durante o café da manhã", indica Halpern.

Topo