Vida saudável

Zumba com step é atividade ideal para quem quer definir as pernas

Thamires Andrade*

Do UOL, em Orlando (EUA)

As aulas de step já foram febre nas academias, mas acabaram perdendo a popularidade por terem movimentos difíceis e complicados de serem seguidos. Para dar uma nova utilização ao objeto, o criador da Zumba, Beto Perez, elaborou o Zumba Step, um novo programa com os princípios básicos do step aliado as coreografias com movimentos de atividades físicas. A modalidade já pode ser encontrada nas academias brasileiras.

Com o desnível na frente do aluno, é possível trabalhar mais os membros inferiores em comparação a uma aula de Zumba tradicional. “O foco da aula de Zumba Step é aumentar o trabalho muscular dos membros inferiores, mas de forma simples e divertida”, explica o instrutor Raphael Rosa.

Mas engana-se quem acha que a modalidade é apenas subir e descer no step sem parar. Rosa explica que a aula é divida em três partes, sendo que 40% são movimentos de Zumba, 30% de step e 30% movimentos fitness. “Os movimentos de step são introduzidos no meio da dança. Não há uma música que é só de sobe e desce na plataforma. O instrutor pode fazer a coreografia do refrão no chão e uma outra parte no step”, afirma.

Rosa garante que mesmo quem não tem muita coordenação motora pode fazer a atividade tranquilamente. “Esse programa tem a mesma essência de uma aula de Zumba, é divertida e simples”, justifica.

A aula, que costuma ter uma hora de duração, mistura o trabalho aeróbio com o muscular e tem uma média de queima calórica semelhante a da Zumba tradicional, até 1.000 calorias. “A variação dos ritmos da aula de Zumba garantem um trabalho intermitente, como uma onda, então colocamos uma música mais forte, depois outra mais suave, para que a frequência cardíaca oscile e otimize o trabalho muscular e a queima calórica”, afirma.

Ainda que não exista nenhuma contra-indicação para quem tem interesse em fazer aulas de Zumba Step, a atividade aumenta um pouco o impacto sobre a coluna e o joelho. “Se o instrutor mantém a aula segura, sem muitos movimentos rápidos e com o step no nível mais baixo, as chances de lesões e torções são mínimas. Mas todos os alunos devem passar por um médico para que ele libere a prática de atividade física”, recomenda.

Rosa garante que as aulas com step complementam o trabalho aeróbio de uma aula de Zumba tradicional. “Seria interessante que o aluno fizesse três vezes por semana a tradicional e duas vezes a step, pois ele teria benefícios cardiovasculares e neuromusculares”, conta.

O instrutor afirma que com três meses de aulas regulares de Zumba Step (de duas a três vezes por semana) é possível notar os resultados. “O aluno já poderá colher os frutos, ter mais fortalecimento muscular, mas claro, se aliar o exercício a uma boa alimentação”, destaca.

*A repórter viajou a convite da Zumba

Topo