Vida saudável

Zumba com halter contribui para aumentar definição dos membros superiores

Thamires Andrade*

Do UOL, em Orlando (EUA)

A Zumba criou novos programas para quem busca trabalho muscular aliado ao exercício aeróbio, dentre eles o Zumba Sentao (com uma cadeira) e o Zumba Step (com o aparelho). Para também oferecer um trabalho de resistência para os membros superiores, nasceu o programa Zumba Toning. Voltado para quem tem interesse em fortalecer e tonificar os braços, as aulas são feitas com halteres chamados de toning sticks.

“Esses toning sticks têm duas funções, a de resistência muscular, que dá a tonificação, e outra de instrumento, pois eles também são maracas, instrumento musical cubano que dá ritmo”, explica a instrutora de Zumba Leda Zardo. A modalidade já pode ser encontrada em algumas academias no Brasil.

Os instrumentos são encontrados em dois tamanhos: um de quase 500 gramas, voltado para iniciantes, e outro de 1 quilo e 100 gramas, para quem já pratica a modalidade há algum tempo. A carga pequena é um atrativo para as mulheres, que muitas vezes não fazem exercícios para braço na musculação, com medo de ficar ‘grande’. “A aula aumenta a definição e o contorno”, ensina.

Mesmo tendo apenas dois pesos disponíveis para os alunos, Zardo garante que existem outras maneiras de tonificar o corpo, além de aumentar a carga. “Como não é um programa de força e hipertrofia, os instrutores aprendem no treinamento como deixar os exercícios mais difíceis para aumentar a resistência muscular”, afirma.

A vantagem do Zumba Toning, segundo Zardo, é trabalhar os mesmos exercícios de uma sala de musculação, como bíceps e agachamento, aliado à diversão de uma aula de Zumba tradicional. “Os tonings sticks atraem muitos alunos, pois deixam a aula mais divertida e diferente”, opina.

No entanto, o aparelho não é usado durante a uma hora de aula. “A aula tem um formato diferente de uma aula de Zumba tradicional, tem momentos em que o toning sticks são usados, outras vezes não, pois é preciso equilíbrio para não dar sobrecarga no aluno e provocar alguma lesão”, justifica.

Os ritmos usados na aula são os mesmos da tradicional. “Conseguimos usar os pesos até em estilos musicais como hip hop, pois o toning stick não é sempre usado como maraca”, explica.

Ainda que a aula possa ser feita por qualquer pessoa, Zardo alerta que há contraindicação para pessoas com problemas no ombro, burcite, tendinite, e outras lesões que ainda não foram tratadas.

A instrutora conta que os resultados corporais já podem ser vistos logo no primeiro mês. “Duas aulas por semana já dão um bom resultado, pois além de tonificar, o programa também garante uma queima calórica semelhante, e às vezes até superior, a de uma aula de Zumba tradicional”, completa.

*A repórter viajou a convite da Zumba

Topo