Bem-estar

Lucidez, vitalidade e saúde: praticantes contam os benefícios da meditação

Ana Elisa Faria

Colaboração para o UOL, em São Paulo

"Meditar é estar presente, com a atenção plena naquilo que se está fazendo. Podemos praticar, por exemplo, enquanto escovamos os dentes", afirma Mariana Amaral, idealizadora da Virada Zen, cuja primeira edição ocorreu em São Paulo entre 25/4 a 1º/5.

Sandro Bosco, professor e autor de livros como "Meditação para Quem Acha que Não Consegue Meditar", segue a mesma linha de pensamento: "é uma atividade muito orgânica, natural. A melhor hora do dia para a prática é aquela que você consegue, seja no metro ou no táxi. Claro que existem indicações, algumas regras, porém, elas podem ser adaptadas", diz.

Existem diversas técnicas para executar esse exercício milenar e, de acordo com os especialistas ouvidos pelo UOL, cada pessoa encontrará aquela que encaixe melhor com seu estilo. No entanto, qualquer uma delas, segundo a ciência, traz benefícios à saúde, como a diminuição do estresse e da ansiedade, a redução da pressão arterial e o aumento da autoestima e do bem-estar.
 
Para você se inspirar, ouvimos o depoimento de três meditantes, que contam, nas linhas abaixo, quais melhorias a meditação trouxe para elas.
 

Alice Piazzi, 35, psicóloga

Ricardo Matsukawa/UOL
imagem: Ricardo Matsukawa/UOL

"A meditação tem diversas formas. Às vezes, a gente medita e não sabe que está meditando --você pode ter um hobbie que te traga para esse espaço de silêncio, por exemplo. Acredito que, naturalmente, o ser humano tem isso. A meditação proporciona o silêncio. Nosso estado original é o silêncio, o útero da mãe é silencioso, é um estado meditativo de nove meses. Ao longo dos anos, fui experimentando vários tipos de meditação e cheguei à conclusão de que podemos fazer vários deles, vai depender do momento pelo qual você está passando. Pratico pelo menos 20 minutos todos os dias normalmente quando acordo, pois a meditação me dá vitalidade, alegria de estar no presente. Ela ajuda também com a ansiedade e a lidar com o estresse da vida em São Paulo. Meditar me dá resiliência."

Carolina Monfort, 36, psicoterapeuta e alquimista

Ricardo Matsukawa/UOL
imagem: Ricardo Matsukawa/UOL

"Medito há dez anos. É uma prática que hoje faz parte do meu cotidiano, da composição da minha rotina. Sinto necessidade de meditar, como sinto vontade de beber água quando estou com sede. Meu organismo controla quanto tempo preciso meditar diariamente. Às vezes, fico uma hora, uma hora e meia, duas horas, depende. E tem ocasiões que 15 minutos já bastam para trazer aquela energia que muda o dia. Uma das vantagens da meditação é que ela traz uma conexão com o coletivo. Quando meditamos, o sentido da vida fica mais claro. Você sente o dia a dia de forma diferente, tem mais insights, mais respostas. Além de fazer bem à saúde e trazer bem-estar. O organismo fica todo alinhado, dentro de um eixo, integrado com a natureza. Meditar é um bem para a minha vida." 

Sueli Aparecida de Souza, 61, professora de educação física

"Comecei a meditar há cerca de dez anos. Achei que seria bom para mim, e, então, fui pesquisar técnicas. Li a respeito, fiz alguns cursos, mas a que mais me atraiu foi a meditação ligada ao budismo. Hoje, estou budista por causa desse achado. Medito por 20 minutos duas vezes por semana. O tempo foi aumentando gradativamente. No início, foi difícil, principalmente no que diz respeito à concentração. É impossível não pensar em nada. No entanto, agora, não viajo no meu pensamento. Eu posso ouvir um avião passando, mas não embarco nele. Os pensamentos vão como nuvens. O maior benefício que a prática me deu foi ter mais lucidez. A meditação não torna ninguém melhor, mas você sente uma clareza maior, avalia mais as situações."

 

Topo