Beleza

Peso "normal" nem sempre indica boa saúde e há sinais para ficar atento

Getty Images
Uma vida saudável nem sempre está diretamente relacionada com o ponteiro da balança Imagem: Getty Images

Carol Salles

Colaboração para o UOL, em São Paulo

18/05/2016 07h00

Se você ainda acha que só tem colesterol alto quem está acima do peso e que anemia é um mal exclusivo dos magrelos, é hora de entender mais sobre saúde. Hoje sabe-se que males antes comumente relacionados a obesos ou magros extremos podem acometer quem está dentro da faixa de peso considerada normal — ou seja, aqueles que possuem um IMC (Índice de Massa Corporal) entre 20 e 25. 

O IMC é um parâmetro numérico obtido ao se dividir o peso pelo quadrado da altura. (se não sabe qual é o seu, existem inúmeras calculadoras online que fazem a conta para você). No entanto, mesmo que você esteja dentro do parâmetro considerado normal, ainda não é hora de respirar aliviado. “O tecido adiposo é um dos grandes vilões. Ele pode se acumular entre as vísceras e não deixar ninguém gordo, mas metabolicamente doente. A gordura se deposita onde não deve, aumentando o risco de uma série de doenças”, diz o endocrinologista Paulo Rosenbaum, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Por isso, um bom indicador, além do IMC, é a medida da circunferência da cintura. Ela deve ser de até 80 cm na mulher e até 94 cm no homem (embora alguns médicos usem outro parâmetro: 88 cm para a mulher e 100 cm para os homens). Doenças relacionadas à magreza, como anemia, também podem ocorrer em pessoas com o peso normal. 

É o caso da assessora de imprensa Neila Carvalho, 38 anos e IMC de 21,6. “Comecei a sentir muita tontura ao me levantar da cama, fraqueza e falta de energia,” conta. “Minha ginecologista pediu uma série de exames e acabou descobrindo uma anemia. Meu ferro caía em progressão muito rápida. Comecei um tratamento, mas só descobri a causa alguns meses depois: o alto fluxo de sangue que eu perdia na menstruação devido a uma endometriose”, relata. 

Fique atento aos seguintes indicativos

  • Menopausa

    Na mulher, a gordura se deposita principalmente nos glúteos e quadris, o que não é considerado fator de risco. No entanto, com a queda da produção de estrógeno (o hormônio sexual feminino), a gordura deixa de se concentrar nesses locais e acaba se acumulando nas vísceras, aumentando a chance de doenças cardiovasculares, diabetes e hipertensão.

  • Cansaço extremo, queda de cabelo, baixa imunidade

    Difícil encontrar quem não se queixe de cansaço hoje em dia. No entanto, se ele parecer exagerado, maior do que o normal, e vier acompanhado de outros sintomas como falta de energia, baixa imunidade, acenda o alerta vermelho: pode ser algum tipo de anemia causada pela deficiência de nutrientes essenciais, como o ferro ou a vitamina B12 (que pode acometer quem não ingere carne vermelha ou faz uso de omeprazol, um medicamento anti-ulceroso).

  • Má alimentação

    Comidas industrializadas são práticas e facilitam a vida. No entanto, são repletas de sódio, gorduras e açúcares, entre outros componentes, que, a longo prazo, podem trazer malefícios à saúde, como aumento do colesterol, hipertensão e diabetes. "Há outro agravante: nossa flora intestinal é naturalmente alterada e já não absorve tão bem vitaminas e outros nutrientes quanto no passado. Portanto, é perfeitamente possível estar no peso normal, mas pouco provido de nutrientes", diz o endocrinologista Wilmar Accursio, de São Paulo (SP). E vale aqui uma ressalva: a palavra-chave é equilíbrio. Como lembra a nutricionista Kátia Melo, uma dieta que privilegie o consumo de frutas em excesso, por exemplo, também pode ser danosa. "Frutas também possuem carboidrato, que vira glicose depois de ingerido. Assim, podem elevar o nível de açúcar no sangue a ponto de aumentar o risco de diabetes, por exemplo", explica.

  • Sedentarismo

    Não é segredo que se exercitar com regularidade faz bem para a saúde como um todo. No entanto, para realmente tirar o melhor proveito da atividade, inclua a musculação na rotina. "A prática ajuda o metabolismo a funcionar da maneira correta", diz Paulo Rosenbaum. Isso porque, ao contrário da gordura, é a chamada massa magra que, por exigir gasto calórico, mantém o metabolismo acelerado e ajuda a se livrar da gordura em excesso. Gordura "parada" favorece o aumento do colesterol, e atrapalha o funcionamento do fígado e do coração, entre outros males. Além disso, dá para colocar nessa conta também o tabagismo e o alto consumo de bebidas alcóolicas como fatores que predispõem ao risco de doenças em quem está com o peso normal.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
BBC
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Rodrigo Cintra
Blog Luciana Bugni
Beleza e maternidade
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Beleza
do UOL
UOL Mulher - Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Erika Bronze
Blog Luciana Bugni
Blog do Rodrigo Cintra
Da cor do Brasil
do UOL
Topo