Beleza

Fotógrafa brasileira faz inventário de tons de pele

Angélica Dass/BBC
A artista brasileira Angélica Dass está usando a conhecida escala de cores Pantone® para catalogar os diferentes tons de pele dos seres humanos. O resultado desses esforços é o projeto Humanae Imagem: Angélica Dass/BBC

11/07/2012 12h37

A artista brasileira Angélica Dass resolveu usar a conhecida escala de cores Pantone para catalogar os diferentes tons de pele dos seres humanos. O resultado é o projeto Humanae, um trabalho fotográfico que, segundo a artista, retrata a "beleza das diferenças".
 
Dass começou seu catálogo em abril e desde então já fotografou mais de 200 pessoas. Cerca de 150 fotografias já estão disponíveis no website do Humanae (http://humanae.tumblr.com/), mas a ideia da artista é expandir essa amostra para fazer um imenso "inventário cromático" dos tons de pele dos seres humanos. "Estou apenas começando", explica.
 
A escala Pantone é um sistema de classificação de cores que serve de referência para o mundo do design, da moda e programas de computador como o Photoshop. Para associar o tom de pele de uma pessoa a uma cor neste catálogo, Dass extraiu um pequeno fragmento do rosto de cada um dos retratados. Em seguida, a cor correspondente na escala foi usada para pintar o pano de fundo da fotografia.
 
"A ideia desse trabalho é que nós podemos abraçar e apreciar as diferenças, mas sempre lembrando que, como seres humanos, somos todos iguais", contou Dass à BBC Brasil.
 
A fotógrafa vive há cinco anos na Espanha, onde estudou jornalismo e fotografia, mas nasceu e foi criada no Rio de Janeiro. Formada em design de moda no Senai e na faculdade de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, trabalhou como estilista no Brasil antes de mudar-se para Madri.
 
O Humanae começou como um projeto pessoal. "Meu pai era negro, adotado por uma família de brancos; minha mãe, descendente de índios e negros - então a minha família já oferecia uma ampla amostra de tons de pele", conta a brasileira. "Comecei fotografando meus parentes para uma árvore genealógica que retratasse as nossas cores. Logo passei para meus círculos de amizade e percebi que seria muito interessante expandir o trabalho, incluindo outras pessoas", diz Dass.
 
Por enquanto, a maior parte das fotografias foi feita em Madri, mas um dos planos de Dass é viajar para ampliar seu projeto em outros países. O Brasil é uma das prioridades para a artista. "Até porque a diversidade brasileira foi o que inspirou o meu trabalho", explica. Um de seus desafios é conseguir apoio para as viagens. Dass gostaria de se vincular a uma instituição ou organização ligada à arte para ampliar o Humanae. "Não poderia aceitar um patrocínio mais comercial, porque isso desvirtuaria o projeto", diz.
 
A brasileira conta que não esperava que seu trabalho tivesse tanta repercussão: "Estou sendo procurada pela imprensa de diversos países e recebendo cartas de todas as partes do mundo com sugestões para incluir um ou outro tipo humano."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Beleza
do UOL
do UOL
UOL Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo