Beleza

Novos tratamentos prometem eliminar manchas e até substituir a cirurgia plástica facial; conheça

Thinkstock
Novas tecnologias chegam aos consultórios de dermatologistas com a promessa de atuar em problemas específicos, aumentando ainda mais sua eficácia Imagem: Thinkstock

Isabela Leal

Do UOL, em São Paulo

07/05/2012 08h30

Todo ano dermatologistas do mundo inteiro se reúnem no encontro da Academia Americana de Dermatologia para apresentarem e discutirem métodos e tratamentos que resolvam os mais variados problemas de pele como flacidez, rugas, manchas, envelhecimento, acne, redução de colágeno, perda do contorno facial, entre outros. Esse ano, o encontro aconteceu em San Diego, na Califórnia, e trouxe novidades animadoras, que vão desde um método simples como a tecnologia que potencializa a penetração de ativos nas camadas mais profundas da pele até uma grande descoberta, como o laser que não dispara a melanina, descartando assim a possibilidade de efeito rebote no tratamento de manchas. “O método acaba de ser aprovado pelo FDA, nos Estados Unidos e representa um divisor de águas no tratamento de melasma. Estudos mostram uma eficácia de 92% dos casos, absolutamente sem efeito rebote, somente com o laser, sem uso de despigmentante”, ressalta a dermatologista Mônica Aribi, de São Paulo, que já adotou o tratamento entre seus pacientes e começa a ver a teoria sair do papel para se comprovar na prática. “Os resultados são concretos”, diz.

Precisão eficaz
Os equipamentos modernos estão cada vez mais segmentados para tratar de problemas específicos, o que contribui para uma eficácia maior. “As tecnologias de ponta são capazes de levar o tratamento o mais próximo possível da patologia. O estímulo das camadas mais profundas da pele até a musculatura favorece a recolocação dos músculos e da gordura devolvendo a juventude de forma natural. Com os benefícios atingindo níveis profundos, a tendência será ficar cada vez mais longe da cirurgia reconstrutiva”, acredita a dermatologista Patrícia Rittes, de São Paulo.  

Mas, como tudo tem os dois lados, ainda existe um aspecto desses novos tratamentos que parece estar longe do ideal: o custo. “Os avanços são significativos, mas a tecnologia ainda é cara, tanto para o médico adquirir quanto para o paciente utilizar”, reconhece a dermatologista Mônica Felici, de Campinas (SP).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Redação
BBC
do UOL
Redação
Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Rodrigo Cintra
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Beleza
UOL Estilo
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo