Beleza

Invista na análise capilar e descubra o tratamento certo para sua cabeleira

Thinkstock
Mulher analisando os cabelos com uma lupa Imagem: Thinkstock

Rosana Faria de Freitas

Do UOL, em São Paulo

28/06/2012 08h00

Se você não tem a menor ideia de a quantas anda a saúde do seu cabelo, mas percebe que precisa fazer alguma coisa para dar uma força à cabeleira, talvez esteja na hora de investir em um estudo mais profundo – como a análise capilar. A sondagem com ares “high tech” envolve exames de imagem, com o uso de lentes de aumento, câmeras e um aparelho chamado dermatoscópio digital, que permitem visualizar, sem retirar um fiozinho da cabeça, desde alterações externas da fibra até doenças do couro cabeludo. “É possível estimar a velocidade de crescimento e a quantidade de fios por cm². Ajuda tanto na elaboração do diagnóstico de qualquer problema como também na avaliação da evolução e dos resultados de tratamentos”, salienta Ana Carina Junqueira Bertin, dermatologista e tricologista da Clínica Adriana Vilarinho e do Centro de Cirurgia da Obesidade e Metabólica, em São Paulo. “No microscópio comum observamos se a fase é de crescimento, anágena, ou de queda, telógena. Vemos se o fio está afinado e se existem sinais de distúrbios como alopecia areata – queda – ou tricotilomania, o hábito de arrancar os fios”, completa Denise Steiner, membro das Sociedades Brasileira e Americana de Dermatologia.

Investigação à la Sherlock Holmes

Além desse exame de imagem, uma verdadeira análise capilar deve incluir um conjunto de investigações mais específicas realizadas por profissional com formação – clínico geral ou dermatologista, por exemplo. “Isso abrange, em primeiro lugar, uma avaliação detalhada da saúde geral do paciente, englobando os históricos médico e familiar. Depois, apreciação de sintomas que fornecerão subsídios para o diagnóstico exato”, diz Ana Carina. Em outras palavras, é essencial ir a fundo nos perfis hormonal e nutricional, levantando hábitos e comportamentos que, de alguma forma, têm influência no quadro. Estudar os fios externamente também é fundamental para ver textura, nível de oleosidade ou ressecamento, volume, fase de crescimento, danos químicos... “Os aparelhos com microscópios ajudam, mas o toque a olho nu não pode ser dispensado.”

Caso seja necessário, o médico pode solicitar o tricograma, um exame mais minucioso ainda feito em laboratório. Ele detecta alterações no ciclo biológico, identificando a evolução de doenças que atingem os cabelos e trazendo à luz dados como densidade e proporção de fios nas diferentes fases de desenvolvimento.

Para se chegar à análise certa de todos os dados, é imprescindível contar com a experiência do profissional. “O teste capilar fornece elementos como rugosidade e quebra, por exemplo, que devem ser interpretados corretamente porque podem ser efeito da desidratação do organismo. Muitas vezes é preciso associar informações do que é visto no consultório e no aparelho com exames laboratoriais específicos”, enfatiza Ana Carina. O custo do estudo no dermatoscópio digital varia entre R$ 200 e R$ 350 e em geral não é coberto por planos de saúde.

O que causa os problemas capilares

  • Fatores como má alimentação, fumo, poluição e estresse podem causar alterações nos fios

Talvez você esteja se perguntando até que ponto vale a pena partir para esses exames que, por enquanto, não são de rotina. A resposta é: depende do quadro capilar que apresenta. Caso seu cabelo esteja caindo sem explicação, ou seu couro cabeludo sofra com alguma doença, então é bom conversar com o dermatologista para, juntos, decidirem o que fazer. “A análise é capaz de avaliar o teor de estresse a que o fio foi submetido e a necessidade específica de reposição de nutrientes essenciais à saúde e à estética, tais como aminoácidos, proteínas e lipídeos”, destaca Eduardo R. Borba, gerente de marketing da ION Química, empresa especializada no desenvolvimento de matérias-primas para produtos capilares e cosméticos.

Fatores como cardápio desbalanceado, fumo, estresse e desordens hormonais influenciam diretamente a saúde dos fios. A falta de alguns nutrientes altera o crescimento e provoca queda e ressecamento, assim como o cigarro tem impacto negativo na circulação sanguínea, prejudicando o fornecimento de nutrientes ao bulbo capilar e enfraquecendo toda sua estrutura. “Já o sistema nervoso abalado aumenta a oleosidade do couro e altera os mecanismos de defesa. O cortisol, hormônio do estresse, acentua a queda e os hormônios femininos – estrógeno e progesterona –, que, quando reduzidos, modificam a densidade do fio, tornando-o mais fraco e propenso à quebra”, diz Borba. “Vale lembrar que fumo e estresse aceleram os processos oxidativos responsáveis pelo envelhecimento tanto da pele quanto do cabelo. Este fica seco, menos flexível e perde a cor – tornando-se branco”, completa Ana Carina.

Maior influência: alimentação

Poluição, umidade do ar, atividade física praticada em excesso e, claro, química de tinturas, descolorações e alisamentos igualmente agridem a estrutura proteica da fibra capilar. Idem para males inflamatórios e doenças auto-imunes, emocionais ou da tireóide. Mas o que mais causa problemas na cabeleira é mesmo a má alimentação. “O cabelo é composto por 98% de proteína – portanto, o menu precisa ter fontes de proteína animal e vegetal para que as melenas fiquem saudáveis”, assegura Denise Steiner.

Crescimento, hidratação, energia, elasticidade, brilho – tudo está relacionado com o que você coloca no prato. “Os nutrientes mais importantes são os aminoácidos – cistina e metionina – que estão principalmente em carnes, ovos e leite; a biotina, vitamina encontrada nos itens levedura, arroz integral, frutas, nozes, ovos, carnes e leite; zinco, em carne vermelha, aves, leite e derivados, feijão, amêndoas, amendoim e castanha de caju; silício orgânico, um oligoelemento que pode ser resposto por cápsulas de via oral; e vitaminas do complexo B, cujas fontes são carnes – especialmente fígado –, ovos, leite e derivados, germe de trigo, cereais, vegetais folhosos, brócolis, batata e tomate”, finaliza Eduardo Borba.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
UOL Mulher - Beleza
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza
Beleza
Beleza
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo