Beleza

Saiba quais itens de make você jamais deve pegar emprestado ou compartilhar

iStock

Shâmia Salem

Do UOL, em São Paulo

Difícil encontrar alguém que nunca tenha emprestado lápis de olhos, batom, máscara para cílios ou qualquer outro produto ou acessório de maquiagem de uma tia, colega de trabalho ou um maquiador profissional. Apesar disso, especialistas alertam que a prática deve ser evitada, inclusive entre mães e filhas, por causa do risco de contaminação por micro-organismos. Levando o exemplo ao extremo, há o recente drama de uma jovem australiana que ficou paraplégica por causa de uma infecção  que pode ter adquirido ao usar um pincel emprestado para cobrir uma espinha com base.

A dermatologista Valéria Campos, de Jundiaí, em São Paulo, tranquiliza afirmando que é impossível saber como a bactéria foi contraída. “Entramos em contato com micro-organismos o tempo todo. Além disso, o organismo possui um sistema de defesa contra eles”, esclarece a profissional. Entretanto, a médica lembra que há outros problemas bastante comuns e até perigosos provocados pelo uso compartilhado da maquiagem.

Itens de maior risco e que devem ser usados única e exclusivamente por você

  • iStock

    Batom

    A mononucleose [doença do beijo] pode ser transmitida por ele. Febre, aumento dos gânglios, comprometimento do fígado e do baço estão entre os sintomas. Ele também é veículo de bactérias que provocam mau hálito, alterações na gengiva, cáries e herpes

    Imagem: iStock

  • iStock

    Máscara para cílios

    Os riscos são vários tipos de infecções oculares, entre elas conjuntivite, que causa dor e lacrimejamento; blefarite, que pode deixar o olho seco, irritado, coçando, com sensação de areia, sensível à luz e dolorido, além de diminuir a visão; e tracoma, uma inflamação crônica que tem como sintoma inchaço nas pálpebras e sensação de estar com um corpo estranho nos olhos

    Imagem: iStock

  • iStock

    Delineador de olhos

    Os problemas são exatamente os mesmos provocados pela máscara para cílios. Mas cabe outro alerta importante: "A conjuntivite pode não apresentar sinais nos primeiros dias de infecção. Daí a recomendação de jogar fora o delineador e a máscara para cílios se já tiver tido a doença, pois você pode se reinfectar", diz a dermatologista Valéria Campos

    Imagem: iStock

  • iStock

    Esponjas e pincéis

    Estes acessórios podem acumular vírus e bactérias que causam foliculite, uma inflamação na raiz dos pelos. "Para evitar, procure lavar suas esponjas e pinceis a cada 15 dias com sabonete ou xampu neutro. Deixe-os secar ao sol, o que ajuda a matar os micro-organismos", ensina a doutora Valéria Campos. Já no salão, exija o uso de esponjas e pincéis descartáveis

    Imagem: iStock

  • iStock

    Blush, primer, sombra e pó

    "Produtos em pó dificilmente são contaminados por fungos e bactérias [que gostam de água]", esclarece o farmacêutico Maurício Pupo, de Campinas, em São Paulo. "O que ocorre são raros casos de foliculite, especialmente se esses produtos não forem aplicados com uma esponja limpa ou descartável ou até mesmo um cotonete", completa a dermatologista Sara Bragança, do Rio de Janeiro

    Imagem: iStock

Quando não der para evitar
Caso não haja saída e você precise se submeter ao make, pincéis e esponjas de outras pessoas, remova assim que possível a pintura do rosto com demaquilante. “Outra dica é passar álcool gel nos pinceis antes de aplicá-los”, ensina Valéria Campos. Segundo ela, lábios secos e ressecados são mais suscetíveis a infecções, por isso, mantenha-os hidratados. “Quanto aos olhos, o mau hábito de coçá-los diminui sua resistência natural. Assim, ao invés de usar as mãos, opte por um lenço e com a máxima delicadeza”, ensina a especialista.

Itens de maior risco e que devem ser usados única e exclusivamente por você

  • iStock

    Batom

    A mononucleose [doença do beijo] pode ser transmitida por ele. Febre, aumento dos gânglios, comprometimento do fígado e do baço estão entre os sintomas. Ele também é veículo de bactérias que provocam mau hálito, alterações na gengiva, cáries e herpes

    Imagem: iStock

  • iStock

    Máscara para cílios

    Os riscos são vários tipos de infecções oculares, entre elas conjuntivite, que causa dor e lacrimejamento; blefarite, que pode deixar o olho seco, irritado, coçando, com sensação de areia, sensível à luz e dolorido, além de diminuir a visão; e tracoma, uma inflamação crônica que tem como sintoma inchaço nas pálpebras e sensação de estar com um corpo estranho nos olhos

    Imagem: iStock

  • iStock

    Delineador de olhos

    Os problemas são exatamente os mesmos provocados pela máscara para cílios. Mas cabe outro alerta importante: "A conjuntivite pode não apresentar sinais nos primeiros dias de infecção. Daí a recomendação de jogar fora o delineador e a máscara para cílios se já tiver tido a doença, pois você pode se reinfectar", diz a dermatologista Valéria Campos

    Imagem: iStock

  • iStock

    Esponjas e pincéis

    Estes acessórios podem acumular vírus e bactérias que causam foliculite, uma inflamação na raiz dos pelos. "Para evitar, procure lavar suas esponjas e pinceis a cada 15 dias com sabonete ou xampu neutro. Deixe-os secar ao sol, o que ajuda a matar os micro-organismos", ensina a doutora Valéria Campos. Já no salão, exija o uso de esponjas e pincéis descartáveis

    Imagem: iStock

  • iStock

    Blush, primer, sombra e pó

    "Produtos em pó dificilmente são contaminados por fungos e bactérias [que gostam de água]", esclarece o farmacêutico Maurício Pupo, de Campinas, em São Paulo. "O que ocorre são raros casos de foliculite, especialmente se esses produtos não forem aplicados com uma esponja limpa ou descartável ou até mesmo um cotonete", completa a dermatologista Sara Bragança, do Rio de Janeiro

    Imagem: iStock

Topo