Pele

Ela fez as primeiras tatuagens aos 74 anos e não quer mais parar

Pedro Faleiros/ Sun7 Tattoo Shop
Dona Fátima exibe suas duas novas tatuagens Imagem: Pedro Faleiros/ Sun7 Tattoo Shop

Juliana Simon

Do UOL

01/02/2017 16h00

Adora tatuagem, mas não tem coragem ou acha que passou o tempo de fazer? Fátima Namorado, ou “Dona Fátima”, é exemplo de que não tem idade que impeça a paixão pelos desenhos na pele. Aos 74 anos, a ex-secretária resolveu adotar a arte no corpo.

“Sempre achei bonito, mas por motivos que eu nem sei, acabei não fazendo”, diz a portuguesa de Trás dos Montes, que viveu vinte anos em São Paulo e hoje mora na cidade de Penha, em Santa Catarina. “Agora que tenho essa idade, é hora de fazer tudo o que eu quero”, afirma animada.

Sua foto, postada pelo tatuador Pedro Faleiros, do estúdio Sun7 (@pedrohfaleiros), recebeu várias mensagens de carinho e apoio de tatuados de todas as idades.

“Somente uma pessoa falou que não gostou dos desenhos, e só porque ela não gosta de nenhuma tatuagem. De resto, foram muitas reações boas”, diz Dona Fátima. Viúva desde os 28 anos, ela contou com apoio até dentro de casa – da filha -, mas não sem o típico “Faça só se tiver um significado”.

Os desenhos escolhidos fazem homenagens a duas grandes paixões: cães, representados pelo lobo, e Vincent van Gogh, pelo girassol adornado. Além dos dois desenhos, “Funny” aparece em uma das mãos, o nome de sua cachorrinha morta em 2010. Para o futuro, Fátima planeja escrever “maktub” (já estava escrito, em árabe) em um dos braços.

Pedro Faleiros/ Sun7 Tattoo Shop
Imagem: Pedro Faleiros/ Sun7 Tattoo Shop

Palavra de tatuador
Pedro já adotou Dona Fátima como “uma avó” e não é a primeira vez que vê alguém mais maduro procurando realizar o sonho da primeira tatuagem. “Além de clientes, minha mãe fez o primeiro desenho aos 60 anos e hoje, aos 65, conta com mais quatro”, diz. Até o pai dele, que rejeitava os desenhos no corpo entrou na dança e pediu ao filho que o tatuasse aos 59 anos.

Como lembra o tatuador, a pele mais velha é naturalmente mais sensível. Logo, o tatuador deve realizar o trabalho de modo mais leve, “com mais carinho”. Os outros cuidados, no entanto, são os mesmos em qualquer idade: produto esterilizado, profissional atento, produtos de qualidade e talento na hora do desenho.

A dor também não é uma questão de idade e neste quesito Dona Fátima tirou nota dez. “Pode perguntar para o Pedro. Não reclamei de nada. Fiquei quietinha o tempo todo”, brinca Dona Fátima.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Caras
do UOL
Revista Caras
Revista Caras
Band Terra Viva
do UOL
Revista Caras
do UOL
do UOL
Beleza
Harper's Bazaar
Folha de S. Paulo
Harper's Bazaar
Harper's Bazaar
Disney Babble
Beleza
Beleza
do UOL
Harper's Bazaar
BBC
Beleza
Topo