Beleza

Usar tecnologia em excesso pode afetar a sua pele, veja 5 sinais

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Débora Lublinski

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/08/2017 04h00

Você nem se dá conta, mas passar o dia checando a sua timeline no Facebook, documentar a sua rotina com selfies no Instagram e acompanhar a sua série favorita na Netflix -- às vezes, até tarde da noite -- podem afetar a sua beleza. Veja cinco sinais de como a tecnologia em excesso pode estar prejudicando a sua pele:

Rugas no pescoço

Como são causadas: Batizadas pela imprensa americana de tech neck (pescoço tecnológico), elas marcam a pele como se fossem colares. A área, naturalmente delicada e sensível por ser muito fina e não ter glândulas sebáceas, fica ainda mais vulnerável graças à inclinação frequente da cabeça para baixo a fim de olhar o celular ou outro dispositivo. "Um estudo da Universidade de Chung-Ang, na Coreia do Sul, indica que mulheres a partir dos 29 anos já apresentam vincos nessa região. Segundo a pesquisa, o número de pacientes com rugas no pescoço vem aumentando", conta Claudia Marçal, dermatologista de Campinas (SP).

O que fazer: Quase sempre esquecida, até mesmo por quem cuida bastante do rosto, a pele do pescoço precisa de mais hidratação, utilizando cremes com ativos firmadores, antioxidantes e vitaminas. "Além disso, o ideal é erguer o smartphone até a altura dos olhos", aconselha.

Flacidez no rosto

Como é causada: Manter o rosto inclinado para baixo e para a frente também acelera o processo de flacidez da pele. "Nessa posição, o platisma, um músculo que contorna a linha da mandíbula e chega até a clavícula, perde o tônus. Isso deixa o pescoço e as maçãs do rosto flácidas, conferindo aparência caída e triste", explica Roseli Siqueira, esteticista e cosmetóloga de São Paulo. Essa mesma postura também contribui para o aparecimento da papada e das rugas que descem do canto da boca para o queixo.

O que fazer: Para prevenir, não fique com o celular sempre na mesma posição e alongue os músculos, especialmente os da cervical (atrás do pescoço), com regularidade. Roseli sugere ainda exercícios de ginástica facial, que devolvem o tônus ao platisma.

Manchas

Como são causadas: Diversos estudos já provaram que a luz visível e a radiação infravermelha também causam manchas no rosto. "Isso significa que a luminosidade e o calor emitidos pelos aparelhos eletrônicos também estimulam a produção de melanina, o pigmento da pele, podendo manchá-la", fala Iracema Bazzo, dermatologista de São Paulo. Além disso, há o aumento de radicais livres, moléculas que aceleram o envelhecimento.

O que fazer: Usar filtro solar até mesmo em ambientes fechados. Opte por produtos que tenham FPS maior que 30, filtro UVA na fórmula e cor de base, que garante proteção extra para evitar o melasma (mancha amarronzada que aparece nas maçãs do rosto, na testa e no buço). "Vale também usar o fone de ouvido para manter o rosto longe do celular e impedir que o calor se propague para a pele", sugere Iracema.

Olheiras

Como são causadas: Apesar de já se saber que as olheiras têm relação genética e hereditária, as manchas arroxeadas ao redor dos olhos podem aparecer ou piorar com o uso exagerado dos dispositivos eletrônicos. "A luz e o calor emitidos pelos aparelhos podem desencadear a pigmentação da pele", lembra Iracema. Roseli Siqueira levanta outra causa: "Como passamos muito tempo com o olhar parado, fixo nas telas, há menor irrigação de sangue na região. Isso leva ao escurecimento da área assim como prejudica a firmeza dos músculos ao redor dos olhos, causando flacidez nas pálpebras", explica.

O que fazer: Se afastar do celular antes de deitar. Não dá para esquecer da relação entre luminosidade dos eletrônicos com a insônia. Quem fica conectado até tarde pode acordar com olheiras simplesmente porque a luz artificial impede a produção de melatonina, hormônio que regula o sono.

Rugas ao redor da boca

Como são causadas: Mais associadas ao tabagismo, as rugas chamadas de código de barras, ou seja, linhas finas ao redor da boca, também podem aparecer por causa de outros movimentos repetitivos. É o caso do duck face, aquele biquinho típico das selfies. "A contração constante dos mesmos músculos vai tensionando e marcando a pele a longo prazo. Isso é ainda pior quando a pele é fina, clara e estiver desprotegida, sem o uso de hidratante", acredita Claudia Marçal. A mesma coisa acontece com as rugas na testa, o vinco entre as sobrancelhas e os pés-de-galinha -- essas marcas são mais prováveis em quem contrai os olhos repetidamente para enxergar melhor as letrinhas do smartphone.

O que fazer: Evitar fazer tantas caras e bocas e manter a pele sempre hidratada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Tudo Beleza
do UOL
do UOL
Redação
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Blog do Rodrigo Cintra
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
Blog do Rodrigo Cintra
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Rodrigo Cintra
Blog Luciana Bugni
do UOL
Beleza
do UOL
Topo