Beleza

Cosméticos hipoalergênicos funcionam mesmo?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Daniela Carasco

do UOL, em São Paulo

11/10/2017 04h00

Entre os produtos de beleza, a inscrição “hipoalergênico” presente nos rótulos já não é mais novidade. Esmaltes, maquiagem, xampu... O que não falta são opções para os alérgicos. Mas será mesmo que essa popularização do termo entrega o que promete e o que se espera dele?

Se você acha que esses cosméticos são capazes de te proteger de qualquer reação alérgica, repense. Segundo a dermatologista Carla Vidal, “os hipoalergênicos causam menos alergia, mas não são 100% seguros”. Afinal, “hipo” é sinônimo de “diminuição”, “baixo”, não de “ausência”.

A ANVISA, responsável pelos testes, reforça essa ideia. De acordo com suas recomendações, a menção só deve aparecer na rotulagem de itens que foram obrigatoriamente submetidos a “testes clínicos de sensibilização cutânea e fotoalergia, que atestem a baixa incidência de reações adversas”.

Hipoalergênico é o mesmo que antialérgico?

A começar pelo prefixo, ambos os termos se confirmam distintos. “Os antialérgicos são medicamentos usados para tratar reações, não é possível relacioná-los. Eles atuam contra os sintomas, que podem inclusive terem sido causados pelos hipoalergênicos, e bloqueiam a liberação da histamina, substância responsável por provocar a alergia tanto em forma de irritações cutâneas, quanto de complicações respiratórias – a famosa rinite. Ou seja, enquanto os hipoalergênicos previnem mesmo que parcialmente, os antialérgicos tratam.

Quais são os ativos mais arriscados?

Perfume, esmalte, maquiagem, xampu e tinturas de cabelo são os produtos que lideram a lista dos mais propícios a provocar uma reação alérgica. Por isso, na hora da compra, Carla sugere se atentar a algumas matérias-primas sensibilizantes presentes em suas formulações. De maneira geral, redobre a atenção com parabenos, aldeídos, bálsamo do peru e propilenoglicol. A seguir, ela destaca outros recorrentes:

  • No perfume: álcool e fixadores (benzoaneto de amila, almíscar cetona, benzofenona, acetofenona...).
  • No esmalte: fixador (prefira os que são à base de água), formaldeído e tolueno.
  • No xampu: ácido acetilsalicílico (responsável por controlar a ceborreia).
  • Na tintura capilar: formaldeído, tolueno.

A lista pode chegar a cem itens. Portanto, em casos de predisposição alérgica, o ideal é consultar um especialista antes do uso de qualquer cosmético. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Sah Oliveira
do UOL
Blog Luciana Bugni
Blog do Rodrigo Cintra
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Sah Oliveira
do UOL
do UOL
Blog do Rodrigo Cintra
Blog Luciana Bugni
Tudo Beleza
Tudo Beleza
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Luciana Bugni
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog da Sah Oliveira
do UOL
do UOL
Topo