Casa e decoração

O renascimento do artesanato e a criação de novas identidades

The Trustees of the Wallace Collection; wallacecollection.org
Armário criado por André-Charles Boulle para Luís XIV. Móvel inspirou design contemporâneo Imagem: The Trustees of the Wallace Collection; wallacecollection.org

Alice Rawsthorn

27/11/2011 10h00

Londres – Ao longo da história, ambiciosos monarcas, presidentes, déspotas, ditadores, tiranos e quase todos aqueles que devotaram sua vida à aquisição e ao exercício do poder sabem que uma das maneiras mais eficientes de atingir tal objetivo é persuadindo outras pessoas a acreditar que eles são poderosos. Porém, poucos soberanos executaram tal estratégia de maneira tão convincente quanto o rei francês Luís XIV.

Cada elemento de sua vida foi meticulosamente orquestrado pelo próprio Luís e pelo seu Ministro das Finanças, Jean-Baptiste Colbert. Luís então, pareceria tão esplêndido e imponente que os atemorizado franceses achariam que ele não só era o maior monarca vivo do mundo, mas também uma figura histórica de imensa importância.

As roupas de Luís, seus cavalos, penteados, armas e até mesmo seu apelido “Rei Sol” - le Roi Soleil, em francês – foram cuidadosamente escolhidos para criar essa impressão, assim como seus magníficos palácios e os tesouros dentro de cada um deles. Os mais habilidosos artesãos da França eram solicitados para produzir suntuosos móveis, tapeçarias, cristais e porcelanas. O trabalho deles era reconhecido no mundo inteiro, particularmente as tapeçarias criadas pelo artista francês Charles Le Brun e os primorosos armários de marchetaria feitos pelo seu artesão favorito, André-Charles Boulle.

Luís XIV ainda é, obviamente, considerado um dos monarcas mais poderosos da história, mas seu mecenato para com artesãos de talento - como Boulle - lhe dá também o título de, defensavelmente, o maior paladino das artes decorativas e do artesanato. Décadas depois de sua morte, a Revolução Industrial marcou o início do fim da era de ouro das artes decorativas, que vêm lutando para redefinir seu papel desde então.

O revival do Vintage e do artesanal

A briga pode ter acabado. Após os mais de 200 anos em  as artes decorativas e o artesanato lutaram – e geralmente perderam – a batalha para adiar o declínio do ofício, estas duas áreas estão passando por um revival. Até o artesão favorito de Luís XIV está de volta à moda. O ponto alto de uma exibição no Groninger Museum na Holanda, dedicada ao trabalho de dois jovens designers holandeses, Job Smeets e Nynke Tynagel, do Studio Job, é a reinterpretação de um guarda-roupa adornado com bronze e marchetaria, feito por Boulle em 1700. 

O guarda-roupa original de Boulle está em exibição na Wallace Collection, em Londres. As portas retratam cenas da “Metamorfose”, de Ovídio. Nelas, em uma das cenas, Apolo - o deus grego do sol e da música - persegue a ninfa Dafne depois de se apaixonar – profunda, porém inutilmente - por ela. Na imagem seguinte, Apolo assiste Marsyas ser esfolado vivo, depois de ter sido derrotado pelo sátiro em uma disputa musical. 

A resposta do Studio Job, o armário “Robber Baron”, foi criado e produzido em 2006 e 2007. É um guarda-roupa com estrutura de bronze no mesmo formato que o de Boulle. A peça tem aviões de caça, mísseis, bombas, metralhadoras e outros símbolos modernos do poder entalhados nas portas, em substituição às cenas da antiguidade. O toque final é o buraco negro no centro do móvel, que parece o resultado de uma explosão gigante. Como os outros trabalhos do Studio Job na exibição, que acontece até 4 de março de 2012, o armário Robber Baron é tão intrincadamente realizado quanto as peças de arte decorativa da era pré-industrial.

O artesanal se espalha

Outros jovens designers compartilham a paixão do Studio Job pelas artes decorativas e pelo artesanato. As duas áreas já foram consideradas tabus para o design, imerso na cultura racional e tecnocrata do movimento modernista durante a maior parte do século passado. As sementes da rebelião foram plantadas no final dos anos 70, quando designers pós-modernistas, liderados por Alessandro Mendini e Ettore Sottsass, na Itália, introduziram o artesanato em seus trabalhos, em partes para simbolizar a rejeição da ortodoxia modernista.

Alguns dos primeiros exemplos estão em “Postmodernism”, uma retrospectiva que acontece até 15 de janeiro de 2012, no museu Victoria & Albert, em Londres. Estas experimentações foram seguidas por Hella Jongerius, Jurgen Bey e outros designers holandeses que surgiram em meados dos anos 90 como parte do grupo Droog Design. Mas, recentemente, a onda de jovens designers, vem adotando elementos das artes decorativas em larga escala. 

O designer italiano Martino Gamper tem produzido engenhosas coleções de móveis, a maioria a partir de cadeiras e armários jogados fora, e que culminaram em sua recente exibição na galeria Franco Noero, em Turim. Seus compatriotas, Simone Farresin e Andrea Trimarchi, do Studio Formafantasma, desenvolveram uma série de objetos domésticos inspirados nas tradições do artesanato que eles descobriram na Sicília.

O trabalho dos colegas holandeses Nadine Sterk e Lonny van Ryswyck, do Atelier NL, e de Christien Meindertsma tem influência das culturas rural e agrícola da Holanda, tanto do passado quanto do presente. E o jovem designer britânico Peter Marigold constrói móveis a partir de pedaços de madeira que ele encontra em campos, parques ou estradas.

Luxo feito à mão

Um desenvolvimento paralelo dessa vertente artesanal  tem sido o entusiasmo crescente das empresas que pertencem ao grupo da elite dos produtores de objetos de luxo no design contemporâneo. Entre eles estão: a Royal Tichelaar Makkum, ceramistas holandeses que datam do século 16; a Nymphenburg, que produz porcelana de qualidade, desde o século 18, na Bavária; e a Royal Leerdam Crystal, com 133 anos, na Holanda. Todas estas companhias desenvolveram peças inovadoras, na forma e na técnica, em colaboração com jovens designers como Pieke Bergmans, que criou belíssimos objetos de cristal pela Leerdam.   

Esta onda de interesse termina um período de décadas, no qual, as artes decorativas e o artesanato quase sempre foram rejeitados por serem sentimentais e antiquados quando comparados ao dinamismo da indústria. Hoje em dia, a industrialização tende a ser vista mais como insípida e sem alma, especialmente à medida que a crise ambiental, cada vez mais profunda, torna impossível ignorar seus danos.

O apelo na literatura

Como resultado, as idiossincrasias, fragilidades e a sensualidade das peças feitas à mão tomam um novo apelo, não só para os designers, mas também para o público, como se pode perceber através do sucesso do best-seller “The Hare With Amber Eyes” [“A Lebre com Olhos de Âmbar”, Editora Intrinseca], escrito pelo ceramista britânico Edmund de Waal. No livro, Waal conta a história de um pequeno “netsuke” japonês do século 17 - a réplica de uma lebre esculpida na presa de marfim de um mamute siberiano - que ele herdou de um tio. Com isso, a obra realiza  o papel duplo de traçar a história da família de Waal e de explorar a importância emocional dos objetos feitos à mão, incluindo suas cerâmicas, em nossas vidas. 

Igualmente influente é o impacto do uso crescente da tecnologia digital, não só para a comunicação, como também para termos informação e entretenimento. O sociólogo americano Richard Sennett sustenta em seu livro de 2008, “The Craftsman”, que a experiência de imersão que temos na tecnologia digital e na navegação aleatória pela internet nos torna mais suscetíveis a coisas que parecem igualmente peculiares, instintivas e pessoais ao invés de uniformes e racionais.  

“The Craftsman” também conclama uma redefinição do conceito tradicional da habilidade manual para incluir novos campos e diferentes materiais, inclusive os virtuais, envolvidos na produção de softwares. O resultado desses projetos podem parecer muito distantes do laborioso processo de fazer a mão, digamos, um vaso de cerâmica ou um armário de madeira usando materiais específicos e técnicas particulares, mas o ritual da criação e da produção de softwares é surpreendentemente similar.    

Normalmente, os softwares são criados e produzidos por uma pessoa, que literalmente o escreve com letras, números e símbolos que criam os códigos da computação. Por este ângulo, a experiência de criar um software novinho em folha parece semelhante a de que André-Charles Boulle tinha quando produzia seus magníficos armários de marchetaria para Luís XIV.  

Tradutor: Erika Brandão

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
BBC
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
BBC
do UOL
Casa e Decoração
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
Topo