Jardinagem e paisagismo

10 frutíferas de pequeno porte embelezam a casa e oferecem delícias frescas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Marcelo Testoni

Colaboração para o UOL

13/11/2016 07h00

Comuns em fazendas e sítios, espécies de árvores frutíferas se popularizaram no ambiente urbano e são vistas em varandas e quintais nas grandes cidades. Algumas das mais conhecidas são a jabuticabeira, o limoeiro, a pitangueira ou a amoreira.

Mas para tê-las em vaso ou no canteiro é preciso tomar alguns cuidados. Por exemplo, se o espaço for estreito, mesmo as espécies menores vão demandar profundidade suficiente para que as raízes se desenvolvam. E para que todas fiquem mais saudáveis e deem mais frutos, o sol é essencial. O UOL te dá as dicas de cultivo para 10 variedades, algumas bem incomuns e brasileiras. Aproveite a sombra e saboreie esta fruta fresquinha, direto do pé.

Fontes: Daniela Costa e Regiane Freitas, paisagista da Dríades Paisagismo; e Paulo Trigo, arquiteto da TETO Arquitetura Sustentável.

#quitanda

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Limoeiro siciliano (Citrus limon)

    Nativa das encostas do mediterrâneo, essa árvore cresce rapidamente e tem estrutura firme. O método mais seguro de reproduzi-la em casa é por meio de mudas. Para que o caule não atinja uma altura superior a três metros, desenvolva-o em um vaso com até cem litros de capacidade. Se a planta estiver sob sol pleno, a rega deve ser feita de uma a duas vezes por semana, mas sem encharcar o solo. Após dois anos a contar do plantio, nascem as flores e, em seguida, os frutos. Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Amoreira (Morus insignis)

    Essa árvore rústica pode ser cultivada no quintal de casa, por meio de mudas. A espécie se adapta a todo tipo de solo, mas é bastante sensível à falta de umidade, necessitando de regas duas vezes por semana. Na sombra, seus galhos crescem em busca de luminosidade e por isso requerem podas frequentes. Em vasos, a amoreira atinge cerca de um metro de altura e gera frutos cerca de um ano e meio após o plantio.

  • Imagem: Reprodução/Pinterest
    Reprodução/Pinterest
    Imagem: Reprodução/Pinterest

    Araçazeiro (Psidium cattleianum)

    Ameaçada de extinção no interior de São Paulo, a espécie pode ser cultivada em casa por meio de sementes ou mudas, mas requer solo úmido e local bem iluminado. Seu fruto, o araçá, lembra a goiaba e tem coloração que varia do amarelo ao vermelho. Tanto a frutificação como as florações se dão entre a primavera e o verão. O inverno é o período em que a planta se recompõe e precisa ser adubada. Em vasos com profundidade de até 50 cm, pode atingir dois metros.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Jabuticabeira (Myrciaria cauliflora)

    Ornamental, essa árvore dá frutos doces em formato de bolinhas escuras e se desenvolve com mais facilidade em regiões frias, resistindo bem às geadas. Para plantá-la diretamente no solo, considere o porte do exemplar adulto, que pode chegar a dez metros de altura. Em vasos, o crescimento fica limitado a dois metros. No verão, as regas devem ser diárias, para que a terra seja mantida sempre fresca. Apesar de resistente, a jabuticabeira sofre e pode até morrer se mantida em locais sombreados, portanto, deixe-a sob o sol. Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Aceroleira (Malpighia glabra)

    Comum no nordeste brasileiro, essa árvore pode florescer e dar frutos cerca de três vezes ao ano, sob qualquer tipo de clima. No sudeste, as variedades mais cultivadas são olivier e waldy-CATI, mas também existem outras como flor-branca, okinawa e sertaneja. O plantio deve ser feito por meio de mudas e em locais com bastante incidência de raios solares. Em vasos ou canteiros com até 2,25 m², a árvore chega a atingir dois metros de altura.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Laranjeira Kinkan (Fortunella margarita)

    Também conhecida como kumquat, essa espécie de origem chinesa germina e se desenvolve como qualquer laranjeira e não requer muitos cuidados. Se estiver plantada no vaso, o trato essencial é a adição de cascalhos para que a água da rega drene completamente e as raízes não apodreçam. Seu porte atinge a média de três metros e a floração ocorre entre a primavera e o verão, mas os frutos despontam somente no outono. Se mantida sob sol pleno, a árvore frutifica mais de uma vez ao ano.

  • Imagem: Reprodução/Pinterest
    Reprodução/Pinterest
    Imagem: Reprodução/Pinterest

    Grumixameira (Eugenia brasilienses)

    Se nas florestas da Mata Atlântica essa árvore chega a 15 metros de altura, em casa o cultivar atinge de um a três metros. A explicação para a redução do porte tem a ver, além do condicionamento dado pelo vaso, com o tempo de maturação das mudas, que ultrapassa os dois anos. Para fazer o plantio é necessário um vaso com fundura de aproximadamente 60 cm e boa iluminação. As regas são diárias e o resultado final são frutinhos com sabor misto de pitanga e jabuticaba.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Pitangueira (Eugenia uniflora)

    Genuinamente brasileira, essa arvorezinha de formato tortuoso se desenvolve melhor em regiões de clima quente e úmido. Muito utilizada no paisagismo, contribui para a arborização de terraços e cresce até dois metros, quando cultivada em vasos de diâmetro generoso. Para que, ao mesmo tempo floresça e dê frutos avermelhados, precisa de banhos de sol constantes e regas diárias. Por exalar perfume doce e levemente ácido, é uma das preferidas dos passarinhos. Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Romãzeira (Punica granatum)

    Em fase de germinação, as sementes desse arbusto necessitam apenas de claridade e adubação com matéria orgânica para se desenvolver. A rega deve ser feita a partir da observação do solo, que precisa ser mantido mais seco. Já maiorzinha, a arvoreta requer um espaço que receba sol constantemente. Se seguidos tais passos, no segundo ano após o plantio, as chances de seus frutos virem graúdos são grandes. Para o cultivo em vaso e canteiros pequenos, prefira a versão "mini", que cresce cerca de dois metros. Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Cerejeira (Cerasus)

    O pé que dá a cereja se originou no Japão e ganhou fama mundo afora por sua floração cor de rosa. Se você sonha com um exemplar desses no quintal de casa, saiba que é possível, mas esteja preparado para a frequência de manutenção exigida. Com a queda das folhas e flores no inverno, a árvore atrai muitos pássaros em busca das sementes. O plantio comum pode ser feito por meio de sementes ou mudas, que chegam a atingir dois metros de altura em vasos. Dentro de casa é recomendável cultivá-la como bonsai.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Folha de S.Paulo
do UOL
Casa e Decoração
Revista Ana Maria
Virgula
Yes Wedding
Deutsche Welle
do UOL
do UOL
Vírgula Comportamento
UOL Casa e Decoração
Folha de S.Paulo
do UOL
It mãe
Casa e Decoração
Yes Wedding
Casa e Decoração
Folha de S.Paulo
BBel
Casa e Decoração
Bbel
Casa e Decoração
Folha de S. Paulo
BBel
Arquitetura & Construção
Casa e Decoração
Folha de S. Paulo
Casa e Decoração
Folha de S.Paulo
Casa e Decoração
BBC
Casa e Decoração
Folha de S. Paulo
Revista Minha Casa
Folha de S. Paulo
Casa e Decoração
Revista Minha Casa
BBC
Revista Ana Maria
Casa e Decoração
do UOL
Arquitetura & Construção
Casa Linda
Folha de S.Paulo
Casa e Decoração
Folha de S.Paulo
Folha de S. Paulo
Topo