Estilo de vida

Conheça 3 peças clássicas que deixam o ambiente mais chique

Getty Images/ Divulgação/ Montagem UOL
Imagem: Getty Images/ Divulgação/ Montagem UOL

Silvana Maria Rosso

Colaboração para o UOL, em São Paulo

O lustre de cristal, o vaso de Murano e objetos de cristal Lalique são peças clássicas e embora sejam bem antigas, continuam sendo empregadas nas decorações contemporâneas devido a seus designs requintados e marcantes.

Para inspirá-lo a investir em um desses itens chiques, o UOL conversou com arquitetos e conta a seguir um pouco da história dessas três peças atemporais e de bom gosto. Conheça os detalhes de cada um e agregue sofisticação ao ambiente da sua casa.

 

Clássicos requintados

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images

    Lustre de cristal

    O lustre de cristal decora com sofisticação e nos últimos tempos vem sendo usado em lugares menos óbvios, como lavabos, halls de entrada ou dormitórios. "Nesse tipo de composição, o espaço ganha mais importância", diz o arquiteto René Fernandes. O lustre teve origem no rústico candeeiro suspenso, utilizado na Idade Média para iluminar os ambientes. Entre os séculos 17 e 18, por ser um material reflexivo, o cristal começou a ser empregado na produção de lustres, quando passam a ser tratados como "joias", adornando os mais importantes palácios. Nessa época, surgem peças lapidadas, esculpidas e gravadas, com vários braços e enfeitadas com pingentes, rosetas, estrelas, tigelas, prismas, punhais e flores-de-lis. Os lustres mais famosos eram provenientes da região de Bohemia, atual República Tcheca - tradicional produtora de vidros e de cristal que até hoje fabrica lustres completos assim como fornece elementos para a indústria especializada. Outro importante fabricante é a francesa Baccarat que, em 1827, apresentou uma coleção cortada e esculpida com peças preciosas, e em pleno século 21, continua a todo vapor manufaturando peças assinadas por designers famosos como Philippe Starck.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images

    Vidro de Murano

    Os objetos feitos com vidro de Murano são fáceis de colecionar, ornamentam tanto projetos clássicos quanto contemporâneos e podem ser usados em qualquer espaço, da sala ao quarto. Murano é uma ilha localizada na costa de Veneza, na Itália, que no século 7 se tornou um importante ponto comercial de vidro soprado. A arte do vidro veneziano é resultado de laços muito estreitos com o Oriente Médio, em particular com a Síria, cuja vidraria, sofisticada e elegante, era conhecida na Idade Média. No século 14, a região de Veneza possuía pelo menos 12 fábricas de vidro e com o declínio da produção islâmica, se tornou líder na arte vidreira. Decoradas com esmalte colorido, as peças desenvolvidas em Murano faziam parte das demandas das grandes famílias, dos magistrados e até do Papa. No começo de 1900, o vidro da localidade encontrou seu caminho para a inovação. Nessa época, os fabricantes com mais perspicácia começaram a trabalhar com artistas e designers a exemplo da recém-fundada Cappellin & Venini, que em 1921, criou o papel de diretor artístico. Mas cuidado: há muitas falsificações. Os vidros de Murano são assinados, vêm com certificado de fábrica e como são produzidos artesanalmente, apresentam bolhas de ar assimétricas.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação

    Cristais Lalique

    Em linhas geométricas e puras ou de inspiração naturalista, as peças moldadas pelo designer vidreiro francês René Lalique (1860-1945) são fáceis de se harmonizar à arquitetura de interiores contemporânea. "A composição fica atemporal", explica o arquiteto Leonardo Junqueira que costuma decorar mesas de centro, laterais e aparadores com peças clássicas. Versátil, René deixou vasta obra, de joias, perfumes, garrafas a vasos de vidro. Iniciou a carreira como aprendiz de artesão e joalheiro, e em paralelo, participou de aulas de técnicas de fabricação de joias na École des Arts Décoratifs em Paris. Em 1880, começou a utilizar o vidro em suas peças e após cinco anos, passou a ser reconhecido como joalheiro independente por grandes casas como Cartier e Boucheron. Apenas em 1921, Lalique fundou sua fábrica de vidros em Wingen-sur-Moder na Alsácia, uma região da França com forte tradição nesse tipo de material e de onde saíram não só objetos decorativos e joias, mas também adornos para veículos e recipientes para chocolates. Em 1925, a Exposição Internacional de Artes Decorativas em Paris marcou o ápice de Lalique como vidreiro, destacando-se como representante do movimento Art Déco.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
Redação
UOL Mulher - Moda
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Da Redação
do UOL
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
Moda
do UOL
do UOL
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
Redação
do UOL
BBC
Redação
Redação
Redação
Topo