Casa e decoração

Conheça três móveis clássicos que deixam a casa linda com toque 'vintage'

Divulgação/ Montagem UOL
Tríade: Chesterfield, Vanity Fair, Thonet Imagem: Divulgação/ Montagem UOL

Silvana Maria Rosso

Colaboração para o UOL, de São Paulo

04/09/2015 19h18

Móveis considerados clássicos não têm, necessariamente, uma aparência antiquada e muitos adornos. A extensão do termo abrange exemplares criados em diferentes épocas, mas que se mantêm atuais e podem ser incorporados a ambientes com estilos diversos.

Escolhemos três modelos pertencentes a séculos e origens distintas e que, apesar da idade, não perderam a força de seu design. Que tal investir em uma peça dessas para sua casa?

Clássicos versáteis

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Sofá Chesterfield

    "É o colar de pérolas da decoração. Um eterno clássico", afirma o arquiteto René Fernandes. Típico de bibliotecas, o estofado cai bem em ambientes sociais e não é feito pra "se jogar". Em couro, combina com tudo, agradando desde cultuadores da tradição a roqueiros. "Se você herdar um, não se desfaça, quanto mais envelhecido, mais bonito ele fica", recomenda Fernandes. O Chesterfield é uma peça importante para a história do mobiliário. Segundo o dicionário Oxford, em 1800, o móvel era sinônimo de "sofá de couro". Não há comprovação sobre a sua origem, mas acredita-se que o primeiro exemplar tenha sido encomendado por Mr. Philip Stanhope, o 14º Conde de Chesterfield (1694-1773). Formador de opinião e "lançador de moda", o conde pediu a um artesão uma peça de mobiliário que permitisse a um cavalheiro se sentar com máximo conforto, sem que a roupa amarrotasse. O resultado foi o sofá com braços arredondados, na mesma altura do encosto, e acabamento em capitonê (por si só, outro ícone do design). De acordo com informações dadas pela London Gallery, na era vitoriana o Chesterfield foi peça-chave para salas de estar, onde senhores relaxavam enquanto suas esposas se sentavam em cadeiras de tapeçaria elaborada. Desde o século 19, o modelo é associado à psicanálise e, ao longo dos anos, os sofás Chesterfield vem marcando presença em palácios, escritórios de negócios proeminentes, hotéis, restaurantes, clubes e luxuosas casas particulares.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Cadeiras Thonet

    Com suas formas curvas e atemporais, as cadeiras Thonet (www.thonet.com.au) são clássicos que se mantém atuais. "O desenho é limpo e os modelos podem ser combinados tanto com decorações modernas quanto clássicas", assegura o designer Marcelo Sampaio Ramos. O marceneiro, construtor de móveis e industrial alemão Michael Thonet (1796-1871) desenvolveu e patenteou o processo que permitia arquear lâminas de madeira por meio do vapor. Com apoio do príncipe Liechtenstein e do arquiteto P.H. Desvignes, a família Thonet abre sua própria loja de mobiliário em 1849, em Viena (Áustria), onde desenvolveu técnicas de produção em série. Em 1853, a Gebrüder Thonet (Irmãos Thonet), como era chamada, mudou-se para instalações maiores e passou a produzir cadeiras em escala industrial. O sucesso da companhia resultou dos métodos mecanizados de produção, que permitiram vender um grande número de produtos a preços competitivos. Em 1860, o modelo mais conhecido da firma, Vienna nº14 (foto), custava menos que uma garrafa de vinho. Seu design, apesar de influenciado pelas curvas do revivalismo rococó, distingue-se pela falta de ornamentação supérflua.

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Poltrona Vanity Fair

    Para o arquiteto Toninho Noronha, "por ser atemporal, a poltrona Vanity Fair combina com decorações clássicas e contemporâneas". Ela é uma versão do modelo 904, criado em 1903, pelo futuro fundador da fábrica de mobiliário italiana Poltrona Frau (www.poltronafrau.com), Renzo Frau (1881-1926). O modelo, porém, só passaria a ser produzido na década de 1930. Arquétipo dos móveis modernos, a poltrona tem formas arredondadas e estofamento de couro, além de assento recheado com plumas de ganso e molejo composto por unidades em lastro de juta. A Vanity Fair marca a história da Poltrona Frau, fundada em Turim em 1912, que teve como origem o laboratório artesanal criado por Renzo, após o designer conhecer - na Inglaterra - o sofá Chesterfield (veja a história acima). De simples produtora, a empresa italiana transformou-se em um pólo de artistas e intelectuais e, hoje, ajuda a determinar os rumos do design mundial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
BBC
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
BBC
do UOL
Casa e Decoração
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
do UOL
Topo