Estilo de vida

O que pode dar errado? Oito imprevistos que encarecem e prolongam a reforma

Getty Images
Alguns problemas que encarecem a reforma podem ser evitados com planejamento Imagem: Getty Images

Juliana Nakamura

Do UOL, em São Paulo

07/07/2015 17h22

Reformar uma casa ou um apartamento, além de tempo e investimento, requer do proprietário paciência e serenidade para lidar com imprevistos. Pois é quase certo que eles aparecerão, embora ter um bom planejamento e estar cercado de bons profissionais ajude (e muito!) a evita-los.

A fim de auxilia-lo a minimizar a possibilidade de enfrentar problemas na reforma, o UOL Casa e Decoração lista alguns fatores construtivos comuns e, muitas vezes invisíveis ou negligenciados, que podem gerar dores de cabeça durante a sua obra.

Fontes: Allan Comploier, engenheiro da Master House Manutenções e Reformas, Leo Di Caprio, designer de interiores; Edson Gaspar, empreiteiro.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Ataque de cupins

    Uma surpresa para lá de desagradável quando se faz uma reforma é descobrir uma infestação de cupins nas estruturas de madeira. Portas, vigas de cobertura, pisos de tacos e armários costumam ser a principais vítimas desses intrusos. Quando surge tal problema, a solução passa pela contratação de uma empresa especializada para realizar a descupinização (ou a total remoção dos madeiramento e outros elementos atingidos) antes de prosseguir com a reforma. Em casos mais drásticos, em construções com bases de madeira afetadas, os danos provocados podem exigir, ainda, o reforço estrutural. [Saiba mais sobre esse assunto clicando neste texto.] Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Cadê a tomada?

    Retrabalhos são a principal causa de atrasos na conclusão da obra e estouros no orçamento. Um erro comum é esquecer de colocar tomadas em todos os locais necessários. A instalação dos pontos de elétrica precisa ser pensada e executada antes de colocado o revestimento e feito o acabamento. Por isso, antes de liberar o pedreiro para pintar e assentar azulejos, verifique exaustivamente os pontos de tomada, interruptores e de iluminação necessários. [Saiba mais sobre esse assunto clicando neste texto.] Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Canos inesperados

    Quando a reforma envolve a quebra de paredes não é raro encontrar um cano de água ou esgoto, digamos, "inesperado". Em alguns casos, o "achado" pode exigir o remanejamento de toda instalação hidráulica, o que significa custo extra considerável. Se o estudo do encanamento não foi bem-feito ou você somente deu azar e não quer ou pode reformular o encanamento, uma solução é criar um nicho com "drywall", em forma de pilar, para esconder o cano. Para evitar esse ENORME contratempo, entenda: um dos primeiros cuidados de quem quer reformar um apartamento muito antigo é verificar se as plantas estão atualizadas. Essa checagem evita, também, surpresas e retrabalhos pela perfuração acidental de alguma tubulação.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Ih, o planejamento falhou!

    Mais uma falha comum é o mau dimensionamento dos equipamentos domésticos da cozinha e da área de serviço. Muitas vezes o morador só percebe o problema tarde demais, quando tenta instalar um eletrodoméstico que não cabe no nicho reservado ou quando tenta ligar os aparelhos simultaneamente e o disjuntor do quadro de distribuição "cai". Há duas dicas para evitar esses transtornos: a primeira é medir os equipamentos antes de destinar os espaços (ou comprar itens de acordo com a metragem disponível). A segunda é conversar com o eletricista sobre todos os aparelhos que você quer colocar em sua cozinha ou área de serviço - agora e no futuro - e suas respectivas potências. Muito melhor gastar tempo com o planejamento do que ter que refazer as instalações após a conclusão do revestimento.

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    No meio do caminho, havia uma coluna

    No anseio de ampliar os espaços, muitos têm buscado derrubar paredes internas. Esse tipo de intervenção - que merece todo o cuidado, a fim de garantir a estabilidade estrutural da construção - deve ser realizado sob a orientação de um especialista como um arquiteto e/ou um engenheiro. Mas, mesmo quando se tem as plantas originais e um bom profissional do lado, os contratempos podem aparecer. É comum, por exemplo, descobrir colunas estruturais e vigas que não podem ser removidas. Nesses casos, não há outra saída a não ser incorporar o elemento ao projeto. [Saiba mais sobre esse assunto clicando neste texto.] Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Ops, a impermeabilização foi danificada!

    O orçamento e o cronograma das obras raramente levam em conta que será preciso refazer a impermeabilização sob o revestimento (especialmente) em reformas que envolvem troca de piso de áreas molháveis (banheiros, cozinhas, varandas e áreas de serviço). Mas a negligência pode custar caro e levar a infiltrações que podem, até, comprometer a estrutura. Lembre-se: esse é um serviço simples e necessário para garantir proteção e vida útil longa ao revestimento. [Saiba mais sobre esse assunto clicando neste texto.] Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Quebra-quebra de pisos

    Outro serviço aparentemente simples, a substituição de pisos, pode render dores de cabeça gigantescas, especialmente em cozinhas e banheiros revestidos com pedras ou cerâmicas. Alguns revestimentos assentados há muito tempo, em especial mármores e outras pedras, tendem a dar mais trabalho na hora da demolição. Para quem mora em apartamento, vale ter cuidado extra na hora de remover o piso, afinal, as marteladas podem gerar avarias no teto do imóvel no piso inferior. Se a demolição for evitada e outro revestimento for sobreposto, avalie: se haverá diferença na altura do piso (ela exigirá, por exemplo, a adequação das portas) e se a sobrecarga não afetará a estrutura da edificação. [Saiba mais sobre esse assunto clicando neste texto.] Leia mais

  • Imagem: Getty Images
    Getty Images
    Imagem: Getty Images

    Reboco velho

    Pintar uma parede parece tarefa de simples. Por isso, muitos ficam espantados ao descobrir que imprevistos nessa etapa podem gerar custos extras e estouro no cronograma da reforma. O problema é que, ao avaliar o serviço, dificilmente o pintor consegue identificar o estado real das superfícies (e, consequentemente o tempo de trabalho necessário para restaurá-las). A ideia real das condições do local a ser pintado só é precisa quando começa o trabalho de desagregação da tinta e/ou da massa antiga. Em residências velhas, onde as paredes foram rebocadas com cal em excesso, pode ser necessária a execução de um novo reboco, aumentando consideravelmente o valor da empreita e estendendo o prazo de entrega, pois não basta apenas aplicar a massa corrida. [Saiba mais sobre esse assunto clicando neste texto.] Leia mais

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Estilo de vida

Topo