Casa e decoração

Bienal de Arquitetura Latino-Americana homenageia o Brasil

Newton Santos/Hype
Vista aérea do edifício Itália (à esq.) e edifício Copan, no centro da cidade de São Paulo (24/08/2010) Imagem: Newton Santos/Hype

De Pamplona, na Espanha

16/04/2013 12h02

A arquitetura brasileira será a protagonista da terceira edição da Bienal de Arquitetura Latino-Americana 2013 (BAL), que acontece desta terça-feira até 19 de abril na Universidade de Navarra.

O diretor de pós-graduação da Escola de Arquitetura da Universidade de Navarra, José Manuel Pozo, detalhou que, além do Brasil, participarão do evento, "jovem e muito casual", estudos de arquitetura de México, Chile, Peru, Argentina, Uruguai, Paraguai e Equador.

O encontro de jovens profissionais mostrará em uma série de conferências o trabalho das equipes de arquitetos latino-americanos que foram selecionados para essa edição da bienal.

Os dois anos anteriores foram dedicados à Argentina e ao Chile, e a reunião deste ano homenageia o Brasil, cuja arquitetura "sempre assusta um pouco por suas dimensões, em sintonia com o (tamanho do) país que a acolhe", comentou à Agência Efe José Manuel Pozo, membro da organização do evento.

O Brasil, afirmou Pozo, "é um território imenso e a resposta razoável" do ponto de vista arquitetônico "também precisa ser dessa dimensão".

Trata-se, disse, de uma arquitetura que, em relação à europeia, "tem algumas grandes vantagens", como um clima menos adverso e por isso "pode responder com muito menos preocupações" a questões como o isolamento dos prédios e o uso das janelas.

Pozo ressaltou que, em geral, as construções brasileiras "são descomunais, de dimensões que fazem com que seja uma arquitetura muito atraente", sobretudo neste momento, quando o Brasil tem "grandes possibilidades econômicas".

Essa boa fase econômica, associada aos próximos grandes eventos como os Jogos Olímpicos de 2016, fizeram com que o Brasil embarcasse na "regeneração de grandes espaços de território muito maltratados em anos de crescimento em um autêntico turbilhão nas décadas anteriores".

O especialista analisou que o grande crescimento econômico brasileiro, embora positivo em muitos aspectos, provocou problemas em cidades como Rio e São Paulo, especialmente em relação à saturação do espaço e às condições de trânsito "extremamente desumanas".

Por isso, continuou Pozo, as autoridades brasileiras "estão lutando para 'arejar' a cidade, criar zonas de parques muito mais habitáveis. Estão aproveitando a bonança econômica para tentar regenerar as cidades e estão fazendo operações muito interessantes" de recuperação urbanística, defendeu Pozo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Casa e Decoração
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Casa e Decoração
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
Topo