Casa e decoração

Brasília comemora 50 anos e segundo lugar no ranking do mercado imobiliário nacional

Leonardo Finotti
As áreas habitacionais de Brasília se expandem para além das superquadras e o mercado comemora crescimento. Em 2009 os lançamentos movimentaram um total de R$ 4,3 bilhões Imagem: Leonardo Finotti

CRISTIANO BASTOS

Colaboração para o UOL

18/04/2010 09h00

O crescimento do mercado imobiliário do Distrito Federal, que completa 50 anos no dia 21 de abril, avança, anualmente, a largos passos. Desde 2008, ultrapassou o do Rio de Janeiro e consolidou-se, assim, como o segundo do país em faturamento e em número de unidades vendidas, atrás somente de São Paulo. Em 2009, no DF, os lançamentos de imóveis movimentaram R$ 11,7 milhões por dia - um total de R$ 4,3 bilhões no ano.

O levantamento foi realizado pelo Secovi-DF (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais e Comerciais – ou, simplesmente, Sindicado da Habitação – do DF). A base foram dez grandes empresas de construção.

Segundo o presidente do Secovi-DF, Miguel Setembrino, cerca de 14 mil unidades ganharam o mercado brasiliense no ano que passou. “Brasília deu um salto muito grande em 2009. São Paulo, que possui 18 milhões de habitantes, vendeu 7,5 bilhões de reais em lançamentos, enquanto a capital federal, que tem 2, 6 milhão pessoas, faturou quase metade desse valor”, enfatiza.

O mercado brasiliense, explica Setembrino, começou a aquecer entre 2005 e 2006 e, nos anos de 2007 e 2008, os setores imobiliário e da construção civil viveram sua “época dourada” no centro-oeste. Dezenas de empreendimentos destinados a todas as classes sociais foram lançados.

  • Divulgação

    O anúncio imobiliário do Viverde, da construtora Vilella Carvalho, destaca os itens de lazer do empreendimento localizado no setor Noroeste

Em cidades médias brasileiras, com cerca de 300 mil habitantes, o valor médio de um imóvel custa em torno de R$ 120 mil. Em Brasília, um imóvel nas mesmas dimensões está avaliado em mais de R$ 900 mil.

Uma das explicações para o alto valor praticado fundamenta-se no tombamento da cidade. Brasília é classificada como Patrimônio da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), o que, supostamente, dificulta a atividade imobiliária ao impor inúmeros limites e regras de ocupação.

Outra explicação é feita pelo viés dos “abastados” salários públicos pagos na capital. O presidente da Ademi-DF (Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal), Adalberto Valadão, diz que 60% da massa salarial compõem-se de funcionários públicos, os quais são imunes às crises econômicas e à redução de salários.

O presidente do Creci-DF (Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Distrito Federal), Hermes Alcântara, garante que é totalmente seguro investir na cidade, muito por conta de sua demanda reprimida por imóveis residenciais. Tal demanda, esclarece, é o fator que gera especulação nos preços.

Alcântara diz ainda que o mercado encontra-se aquecido, igualmente, em razão de suas mais de 100 construtoras, as quais dão conta de abastecer o mercado em todos os seus níveis sociais. Os maiores nichos do Distrito federal, enumera, são Samambaia, Ceilândia e a chamada área do entorno, onde fica, por exemplo, Valparaíso de Goiás. Já o novíssimo Setor Noroeste contempla inteiramente a classe A.

  • O Harmonie, da Soltec Engenharia, em Águas Claras. Dez opções de planta, itens de
    lazer e sustentabilidade, como reúso de água

“O aquecimento do mercado imobiliário na cidade, sem dúvida, decorre da estabilidade econômica e do alto poder aquisitivo da população - acima da média nacional, sustentada pelos cargos públicos”, analisa o professor de economia da Universidade de Brasília (UnB), Victor Gomes e Silva. Mas Brasília, de acordo com Gomes, não é mais vista somente como um lugar planejado para se fazer lobby político.

Inicialmente planejada para abrigar apenas 500 mil pessoas, hoje a cidade conta com uma população de 2,45 milhões de habitantes - a maioria das classes média e alta.

Conforme cálculo da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), Brasília também transformou-se em pólo comercial, especialmente no setor da construção civil (lançamentos de imóveis, aluguéis, vendas e obras). O R$ 4,3 bilhões anuais movimentado pelo setor equivalem a 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB) da região.

Segundo o professor, o que encarece o metro quadrado, principalmente, é o monopólio da Companhia Imobiliária de Brasília (Terracap), a qual controla com exclusividade tanto as ofertas como o preço da terra. “Os preços que o governo dispõe sempre são altos”, avalia.

Devido aos preços especulativos dos imóveis, ele acredita que a bolha imobiliária de Brasília venha a estourar daqui uns 15 anos. E cita o exemplo do mercado asiático, que demorou 20 anos para explodir.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Blog Casa de Viver
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
BBC
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
BBC
do UOL
Casa e Decoração
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Topo