Casa e decoração

Capela das Mercês, destruída pelas chuvas, é reconstruída em São Luiz do Paraitinga

Apu Gomes/Folhapress
Grupo de pessoas reunidas em frente à Capela de Nossa Senhora das Mercês, em São Luiz do Paraitinga, São Paulo. A capela, destruída pela enchente de 2010, foi restaurada e reaberta Imagem: Apu Gomes/Folhapress

DAIANA DALFITO

Da Redação

30/09/2011 07h00

Destruída por uma enchente no início de 2010, a Capela das Mercês foi reconstruída em São Luiz do Paraitinga, interior de São Paulo. O prédio histórico baseado nas chamadas taipas de pilão passou por obras durante os últimos nove meses e o investimento de cerca de R$ 1,5 milhão foi obtido através do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para cidades históricas.

Sob a supervisão técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a capela teve as paredes de taipa que resistiram à força da enchente reestruturadas.

Taipa de Pilão

A taipa, empregada no Brasil desde os idos de 1500, consiste de paredes grossas compostas basicamente de barro amassado e misturado a outros elementos como cal ou fibras vegetais e calcado por um pilão.

A massa é comprimida entre taipas de madeira desmontáveis e removidas logo após a secagem do material. Em São Paulo, um dos prédios onde o sistema foi utilizado e pode ser visto “por dentro” é o Colégio, no centro da cidade.

Da capela destruída, além da estrutura, foram recuperadas peças do madeiramento, ferragens,  elementos decorativos e da cobertura do conjunto. Entre os objetos sacros, imagens de santos e da Nossa Senhora das Mercês, feita de terracota, também foram resgatados dos escombros e restaurados. No caso da santa, mais de 90 pedaços precisaram ser reunidos para a recomposição.

Fachada e altar

Na reconstituição das alvenarias o material utilizado foi o tijolo de barro cozido, considerado sucessor natural do antigo sistema de taipa de pilão, desde meados do século 19. O altar e a fachada foram os pontos de maior cuidado durante o restauro. O revestimento de madeira do arco-cruzeiro, telhado, forros, balaustradas, batentes e folhas de portas de janelas, foram reproduzidos ou recuperados e reinstalados em seus lugares de origem.

Em 2011, a capela mais antiga de São Luiz do Paraitinga completa 197, além do templo outros prédios da cidade sofrem intervenções de restauro e reconstrução como a Igreja do Rosário e a Casa de Oswaldo Cruz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S.Paulo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
Casa e Decoração
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
BBC
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Blog Casa de Viver
Topo