Casa e decoração

Em Seul, designers criam paredes em "escamas" para casa-estúdio

Marcel Lam/ The New York Times
"Skinspace": casa-estúdio próximo a Seul tem projeto do escritório Architecture of Novel Differentiation (AND) Imagem: Marcel Lam/ The New York Times

Sarah Amelar

Do The New York Times, de Seul, Coreia do Sul

20/04/2013 09h01

O Architecture of Novel Differentiation [NT: Arquitetura da Nova Diferenciação, em uma tradução livre], ou AND, é um pequeno e empreendedor escritório de design em Seul, Coréia do Sul, que brinca frequentemente com as ideias convencionais sobre limites. E um de seus projetos, a casa chamada Topoject, por exemplo, possui paredes que se tornam parte da topografia.

Então não é de surpreender que Jeong II-young, um artista cujas pinturas mesclam paisagens com formas humanas, seria atraído pelo trabalho do AND. Mas o primeiro encontro entre os designers e o artista teve um elemento surpresa definitivo.

Um dia em 2010, quando o diretor da empresa, Jeong Eui-yeob estava supervisionando o local de construção do Topoject, um desconhecido entrou no escritório da obra. O homem se apresentou com um panfleto sobre suas pinturas e explicou sua situação difícil: havia contratado um arquiteto para desenhar sua casa e estúdio, mas estava tendo dúvidas, porque o projeto era muito convencional. E, ao observar a casa-topográfica, se via cativado por tal trabalho.

Esta reunião improvisada entre Jeong, o artista, e Jeong, o designer, transformou-se em horas de conversa nas quais o pintor percebeu como são tênues as fronteiras entre mente e corpo, flora e fauna e espaço interior e exterior. No terceiro encontro entre os dois, o artista pediu, enfim, para que a empresa projetasse sua casa e estúdio.

Orçamento conceitual

Foi aí que o verdadeiro problema surgiu, relembra o designer: o orçamento do artista para um estúdio de pintura com cômodos para moradia e 93 m² era de apenas US$ 30 mil dólares. “Era impossível,” argumenta Jeong, o designer, “então dissemos ‘não’”.

Um mês depois, o artista retornou com mais do que o dobro do orçamento. Ainda era apertado, mas a firma assumiu a missão como um projeto conceitual. A construção custou mais ou menos US$ 80 mil.

“Usamos todo o nosso conhecimento para cortar custos,” disse Jeong Eui-yeob, de 36 anos, que trabalhou com os profissionais do escritório Morphosis, na Califórnia, antes de fundar o AND em 2010. Sua esposa, Lee Tae-kyoung, uma designer formada  em Yale, agora com 31 anos, logo se incorporou ao escritório e à filosofia.

Para o artista, eles criaram o que chamaram de “Skinspace”: uma construção de concreto com uma fachada que tanto tem o aspecto de pele quanto parece algo espacial ou tridimensional.

Experiência “de contato”

O revestimento de “escamas” de compensado continua na parte de dentro da casa por trás de uma entrada envidraçada, como paetês numa superfície curva. Onde a fachada se dobra, o painel se torna uma proteção solar ripada (um “brise”), possibilitando a vista de montanhas, fazendas e arrozais.

Distante apenas uma hora do centro de Seul, o terreno ocupa o topo de uma colina arborizada, numa antiga região agrícola da província de Gyeonggi. E, embora as casas de subúrbio pontuem a paisagem, a área se tornou um território acessível para artistas.

Antes de construir lá, Jeong Il-young, de 48 anos, produzia suas telas acrílicas coloridas no apartamento de Seul que divide com sua esposa e as duas filhas, hoje com 11 e 13 anos. A “Skinspace”, em contrapartida, é um refúgio criativo onde ele vive sozinho durante a semana.

Como o trabalho é o foco, o estúdio de pintura tem pé direito duplo, mas os quartos de dormir são quase monásticos. As escadas que conectam o estúdio e os quartos, no entanto, se mostram dramáticas, erguendo-se como vértebras entre as duas partes curvadas e internas da fachada.

Devido ao orçamento enxuto, os designers tiveram que ser criativos. A fachada foi feita de placas de compensado comum, para que tivesse todo seu dinamismo ressaltado. E as centenas de partes de metal e madeira foram projetadas com um programa de computador em 3D e eficientemente cortadas a laser e montadas no local em três dias. A construção levou apenas quatro meses, com o próprio proprietário aplicando acabamentos no interior, como pintura e azulejos.

Agora que já vive na “Skinspace” há mais de um ano, o artista a declara perfeita. “A construção convida a natureza a entrar,” aponta. “Ela me permite sentir as mudanças naturais e observá-las com mais vigor.”

Às vezes, transeuntes também são atraídos para dentro de casa, onde ocasionalmente compram uma pintura. Ele espera que a construção, no final, funcione também como galeria de arte.

Jeong, o artista, pensa em acrescentar uma cobertura para a sua família à estrutura.“Eu planejei isto apenas como meu local de trabalho," avalia, “mas agora o lugar se estende a minha família, como uma casa de veraneio”.

Tradutor: Erika Brandão e Daiana Dalfito (edição)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Casa e Decoração
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Casa e Decoração
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
Topo