Casa e decoração

Escolher bem a roupa de cama é estratégia para dormir melhor no calor

Getty Images
Tecidos sintéticos, como o poliéster, tendem a esquentar mais e não deixar o corpo transpirar Imagem: Getty Images

Marina Oliveira e Thaís Macena

Do UOL, em São Paulo

29/01/2014 14h53

No verão, com temperaturas elevadas inclusive durante a noite, dormir bem e confortavelmente não é tarefa das mais fáceis. O calor nos deixa mais agitados e, como se não bastasse, ainda pode provocar a transpiração excessiva. Porém, todo esse mal estar tende a ser amenizado se as roupas de cama forem adequadas, capazes de absorver a umidade do suor e se manterem mais leves e frescas no correr do sono. 

Segundo a designer de interiores Fabiana Visacro, os lençóis mais indicados para os meses quentes são os feitos de fibras naturais, pois permitem a transpiração. Nessa categoria entram o algodão, o linho, a seda natural e o percal  (trama fina e composta por fios penteados, geralmente de algodão). Alternativas são o modal (feito de uma fibra extraída da madeira) e o bambu, que absorvem a umidade e são bem macios e confortáveis.

“O modal e a fibra de bambu ainda têm vantagens extras: secam muito mais rápido que o algodão e mantêm o aspecto 'novo', mesmo após muito tempo de uso”, afirma a coordenadora do treinamento de consultoras do Mundo do Enxoval, Karen Jorge. Por fim, os lençóis feitos de malha são uma opção mais barata e útil. Leves, eles amassam pouco e, por isso, são perfeitos para levar na mala, porém, tendem a ser um pouco mais quentes. 

Atenção aos detalhes

Outro fator a ser observado é a quantidade de fios que compõem a trama, pois ela influencia na sensação térmica que os lençóis e fronhas vão proporcionar. De acordo com Jorge, quanto maior o número de fios, mais fechado será o tecido, o que dificulta a passagem do ar. Por esse motivo, o indicado é que as peças a serem usadas no verão tenham, no máximo, 300 fios.

Na hora da compra, também vale conferir, na etiqueta, a composição da fazenda. O ideal é que a quantidade de fibras sintéticas, como o poliéster, não exceda 40% da peça. “O cetim, por exemplo, quando mesclado com fibras sintéticas, pode se tornar mais desconfortável e quente”, explica a designer de interiores. Todavia, as misturas de fios naturais, em um mesmo tecido, não colocam em risco a qualidade e o frescor da roupa. Sendo assim, mesclas de algodão com modal, linho com algodão ou seda com algodão também são boas escolhas. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
BBC
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
BBC
do UOL
Casa e Decoração
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S.Paulo
Topo