Decoração de ambientes

Estilo neoclássico deixa a decoração chique, mas cuidado para não exagerar

Décio Ramirez/Divulgação
No estar, o arquiteto João Mansur usou peças neoclássicas como a papeleira original do século 19 (à dir.) Imagem: Décio Ramirez/Divulgação

Silvana Maria Rosso

Do UOL, em São Paulo

13/05/2014 16h00

O neoclássico é um estilo que renega o rebuscamento e prega a simplicidade e a discrição. Sua origem se deu no movimento neoclassicista, nascido na Europa em meados do século 18, em oposição aos excessos decorativistas e dramáticos do barroco e do rococó. É notório em edifícios públicos e palácios de governos, de grandes cidades como Paris, Londres, Berlim e Viena.

"O movimento abrangeu as artes como um todo, a partir das características estéticas do desenho greco-romano, conhecida como clássica, influenciando diretamente a arquitetura e as artes decorativas", explica o arquiteto Carlos Perrone, coordenador do curso de pós-graduação em Design, da Faap.

Em um primeiro momento, o novo estilo aponta os tempos burgueses que estavam para acontecer após a Revolução Francesa, que rompe com a realeza e se abre para a democracia. No século 19, representava o fiel retrato e a mentalidade da classe emergente.

A arquitetura e o mobiliário tornam-se mais estruturais e despidos de aplicações, marcados por simetria, formas geométricas, colunas, frontões, molduras, folhagens estilizadas e símbolos da revolução, como a lança e a seta. A decoração valoriza a intimidade e o conforto.

Os estilos que marcam o movimento

Alguns estilos de mobiliário destacam-se no movimento, como o diretório e o consulado, que surgem com o início da dominação de Napoleão Bonaparte e são a transição entre o Luís 16 e o império. Esses estilos têm decoração inspirada na Antiguidade clássica, etrusca e egípcia, e usam materiais mais baratos, aplicações com pouco entalhe; a pátina imita o bronze e a marchetaria é abandonada. As cadeiras têm espaldar vazado e pernas simples substituem as do tipo cabriolé, que possui duas curvas, como se tivesse joelho e tornozelo.

O estilo império é ligado à figura e ao gosto do imperador Napoleão. Com a expansão de seu império, o estilo influencia toda a Europa. Os mobiliários apresentam agora linhas mais rígidas e depuradas, superfícies planas. Com a dificuldade de importação, abandonam-se as madeiras exóticas em favor de espécies locais, com acabamento pintado ou dourado, proliferando-se a aplicação do bronze. Aos motivos da Antiguidade clássica juntam-se os de inspiração militar e símbolos relacionados à imperatriz e ao imperador, além de animais fantásticos.

Por fim, o estilo biedermeier surgiu na Alemanha e na Áustria em meados do século 19, como consequência da simplificação das linhas do império. Ele estabelece novos padrões da beleza e da elegância ligados a economia, a praticidade e o mínimo de ornamentação.

Neoclássico hoje

Elementos do estilo neoclássico vêm pontuando momentos da história moderna e contemporânea, sendo mais fortemente recuperado na década de 1970, como explica Carlos Perrone. Hoje, estão presentes, principalmente, na arquitetura. Nos interiores, pincelam ambientes atemporais e limpos, onde se contrapõem a móveis atuais ou compõem com peças de estilo mais rebuscado.

Ao adotar peças neoclássicas na decoração da casa, entretanto, é preciso cuidado, porque o estilo está longe de ser minimalista.

O arquiteto João Mansur diz que, por se tratar de um mobiliário de linhas menos austeras (em comparação com o design atual) e de materiais, às vezes, monocromáticos e com poucos ornamentos, é fácil coordenar o neoclássico com mobiliário e objetos de outros estilos, etnias e até mesmo com design e arte contemporâneos.

"Peças neoclássicas são muito bem-vindas na decoração moderna, elas garantem um ar sofisticado e carregam uma bagagem de história e referências do mundo", opina a arquiteta Brunete Fraccaroli que alerta, "deve-se tomar cuidado, entretanto, com peças mais elaboradas e de cores marcantes, pois podem chamar a atenção de forma negativa e apagar todo o ambiente com o seu peso visual".

Para não errar, o designer Fernando Piva aconselha: "selecione algumas peças clássicas e combine-as com outras de linhas retas, simples e modernas, de forma a obter um conjunto harmônico, onde um objeto valoriza o outro. Tons neutros, com algumas ‘pitadas’ de cores vivas também ajudam neste processo”.

A melhor fórmula é usar a intuição e bom senso sem exagerar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S.Paulo
do UOL
Revista Ana Maria
Band Terra Viva
Projetos
Projetos
TV CARAS
do UOL
Bbel
TV Jornal
TV Jornal
Band Terra Viva
Band SP Interior
Band Terra Viva
AFP
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
Projetos
Casa e Decoração
Vírgula - Comportamento
Harper's Bazaar
Vírgula - Comportamento
Itmãe
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
It Mãe
Revista Ana Maria
TV Jornal
do UOL
do UOL
Revista Arquitetura & Construção
Vírgula - Comportamento
Casa e Decoração
TV Jornal
Revista Caras
Casa e Decoração
Vírgula - Comportamento
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Projetos
Vírgula - Comportamento
Topo