Estilo de vida

Cultivar cebolas requer paciência, mas oferece tempero fresco pro almoço

Getty Images
O cultivo da cebola é demorado: para a formação dos bulbos o ciclo chega a 200 dias Imagem: Getty Images

Simone Sayegh

Do UOL, em São Paulo

A cebola (Allium Cepa L.) é uma das hortaliças condimentares mais consumidas no mundo e, no Brasil, as três variedades mais comuns são a branca (de diversos formatos, sabor forte e indicada para o tempero do dia a dia e para ser consumida como guarnição), a amarela (grande, ácida, boa para refogados) e a roxa (com sabor mais adocicado e muito utilizada crua ou no preparo de vinagretes).

Pertencentes ao grupo das tuberosas, exatamente pelo fato de formar bulbos, as cebolas contêm elementos antioxidantes e anti-inflamatórios, além de vitaminas e sais minerais. Seus “pés” atingem 60 cm de altura e possuem ciclo de 120 a 200 dias para a produção do bulbo e bianual para a de sementes. 

Canteiro
 
Cebolas podem ser plantadas junto a outras plantas, desde que não permaneçam na sombra, mas o ideal é que tenham um espaço próprio. A melhor época para o plantio é de março a junho. O cultivo pode ser realizado por meio da semeadura em linhas, em um filão o mais próximo possível do local escolhido para a plantação definitiva, ou diretamente por mudas, o que diminui o tempo de colheita dos bulbos. 
 
Os canteiros devem possuir, no mínimo, 20 cm de altura, com espaçamento de 20 cm entre as linhas e 10 cm entre as plantas. O lugar deve ser o mais plano possível, bem drenado e com boa luminosidade. As cebolas também podem ser cultivadas em jardineiras ou floreiras que apresentem, pelo menos, 20 cm de profundidade. Já o plantio em vasos exige uma área maior que um metro quadrado por planta, profundidade do recipiente acima de 35 cm e substrato bem drenável.
 
Insolação e temperatura
 
O sol é fundamental para que o bulbo da cebola se desenvolva. A importância é tão grande que as cultivares são classificadas em função do número de horas de luz diário exigido: as de dias curtos (DC), que bulbificam com pelo menos 12 horas de luz; as de dias intermediários (DI), que exigem 13 ou mais horas de incidência; as de dias longos (DL), que precisam mais de 14 horas de iluminação direta; e as de dias muito longos (DML), que demandam luz em um período superior a 15 horas. 
 
Tais hortaliças também se desenvolvem melhor em temperaturas entre 5° e 25° C com demanda de um período prolongado de frio (variações entre 5° e 13° C por pelo menos 30 dias). Todavia, as variedades tropicais são normalmente menos exigentes em relação a essa exposição ao frio, se comparadas às de clima temperado.
Getty Images
As folhas tubulares e carnosas nascem em bainhas acima da superfície. É exatamente na parte inferior dessa estrutura que se localizam os bulbos. Na imagem, é possível observar o crescimento dessas "cabeças" Imagem: Getty Images
Solo e adubação
 
O solo ideal para as cebolas detém PH entre 6 e 6,5, textura média, livres de impedimentos físicos (camadas compactadas, adensadas ou em crostas) e boa drenagem. Substratos muito argilosos dificultam a formação dos bulbos, enquanto os arenosos retêm pouca umidade e nutrientes, além de favorecerem a rápida mineralização da matéria orgânica. 
 
A adubação em uma horta doméstica pode ser feita com esterco de curral e/ ou húmus, em uma proporção média de dois quilos para cada metro quadrado de canteiro.  Em caso de solos com baixa fertilidade recomenda-se a aplicação de 500 g/m2 do adubo químico NPK - nitrogênio, fósforo e potássio - (formulação 4-14-8) associadas a três litros de esterco de gado curtido. 
 
Pode ser necessária uma adubação de cobertura nos primeiros dois meses (ao 30º e 60º dia) após o plantio. Ela consiste na aplicação de 30 g/m2 de uréia ou a mesma proporção do adubo NPK 20-0-20. No caso do uso de formulações de NPK mais concentradas, como a 4-30-16, a quantidade de adubo deve ser reduzida à metade.
 
Irrigação
 
A irrigação é determinada pela umidade do solo: excesso ou falta de água diminuem a produtividade.  Além disso, os volumes de água são diferentes de acordo com a fase da cebola. Na germinação, no transplantio (se houver) e na fase da formação dos bulbos (encabeçamento) o volume deve ser maior quando comparado ao da etapa de crescimento vegetativo. A forma mais simples de orientar a irrigação é verificar a umidade junto às raízes. Para verificar o solo, basta cavar próximo a um exemplar.
 
Se as raízes estiverem secas, aumente as regas que, preferencialmente, devem ser diárias e por aspersão. Todavia, com o crescimento das mudas diminua a frequência: molhe os exemplares a cada um ou dois dias, sempre no período da tarde. Chuvas ou irrigação em excesso antes do início da bulbificação aumentam o diâmetro do pseudocaule (pescoço), favorecendo a entrada de água e dificultando o tombamento da parte aérea da planta sobre o solo (estalo), que indica o momento da colheita. 
 
Já o excesso de água durante a fase final de crescimento dos bulbos retarda a maturação e causa a ruptura das películas externas de proteção dessas cabeças. Assim, para que as películas se mantenham intactas, as irrigações devem ser paralisadas duas a três semanas antes da colheita.
Colheita
 
De modo geral, quando cerca de 40 a 70% das folhas estão amareladas ou secas e o pseudocaule tomba é a hora em que as cebolas devem ser colhidas. Mas atente-se: não recolha as cebolas, pois elas devem permanecer no canteiro, tombadas sobre a terra, para sofrerem a cura, um processo extremamente importante que remove o excesso de umidade das camadas mais externas dos bulbos e das raízes, reduz a ocorrência de brotação e permite à hortaliça amadurecer antes de ser consumida fresca ou antes do armazenamento prolongado. 
 
A cura é realizada durante três ou quatro dias após a colheita, se o clima estiver quente e seco. Em resumo, o objetivo é secar a cabeça, mas deve-se ser cuidadoso, pois o bulbo não pode ser queimado pelo sol. O ideal, portanto, é que seja protegido por outras plantas, que podem até ser as folhas das cebolas ainda não tombadas. 
 
Pragas
 
A principal praga deste tipo de vegetal é o tripes (Thrips tabaci), mas a cultura pode ser atacada pelo ácaro da cebola, pelas lagartas-das-folhas, lagartas-rosca, larvas-minadora, além de vaquinhas, grilos e das moscas-da-cebola. Para o combate desses agentes recomenda-se o uso de óleos e inseticidas naturais. As principais doenças são o mal-de-sete voltas, a mancha-púrpura e a queima das pontas, causadas pelos fungos Colletotrichum gloeosporioides f. sp. cepae, Altenaria porri e Botrytis spp, respectivamente, e a podridão bacteriana, causada por bactérias. Para eliminá-las, procure a orientação de um engenheiro agrônomo.
 

Fontes: Lenita Lima Haber, analista de Transferência de Tecnologia da Embrapa Hortaliças; Milton Shirakawa, engenheiro agrônomo da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf); Thiago Factor, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Moda
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
Estilo
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Moda
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
Redação
UOL Mulher - Moda
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Topo