Estilo de vida

Da cerca à blindagem, saiba mais sobre como utilizar segurança residencial

Getty Images
Uma casa segura deve ter bons equipamentos aplicados e operados corretamente imagem: Getty Images

Juliana Nakamura

Do UOL, em São Paulo

A cada ano, novos recursos tecnológicos e serviços são desenvolvidos para prover maior proteção às residências. Alarmes com monitoramento 24 horas, circuitos fechados de televisão, barreiras perimetrais, porteiros eletrônicos com câmera de vídeo e biometria são alguns desses dispositivos.

Só que apenas investir em uma sofisticada parafernália tecnológica não garante, necessariamente, que os malfeitores ficarão do lado de fora. Quando mal adquiridos, mal instalados e/ou mal administrados, esses equipamentos resultam em dinheiro jogado fora e, pior, na exposição a riscos.

Por isso, antes de escolher um método para a proteção da sua casa é preciso compreender as características e necessidades do local. "Tome cuidado para não subdimensionar e nem superdimensionar a tecnologia a ser usada e adquira itens que tenham fácil manutenção", recomenda o oficial da Polícia Militar do Estado de São Paulo e consultor de segurança José Elias de Godoy.

Getty Images
Segurança residencial não se compra "no balcão", exija um estudo prévio do local imagem: Getty Images
Como comprar

Selma Migliori, presidente da Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança), reforça que segurança eletrônica não é mercadoria que se compre ‘no balcão’. A entidade, inclusive, disponibiliza um guia para a orientação do consumidor. "A aquisição de um equipamento de segurança deve ser antecedida pela visita de um técnico ao local de instalação para avaliar as condições e necessidades específicas do lugar. Com base nas informações coletadas, um projeto é elaborado para prever vários níveis de soluções, das mais simples às mais sofisticadas", explica.

A dica é procurar referência sobre os serviços prestados pela empresa a ser contratada. Também é recomendável incluir no contrato um plano de manutenção preventiva e verificar, antecipadamente, qual a eficiência do atendimento prestado no pós-venda. "Além disso, ao comparar custos, não se deve levar em consideração somente o preço do serviço em si, mas a relação custo-benefício oferecida", destaca Migliori.

Conhecimento técnico

Escolher um alarme ou uma câmera para o circuito-fechado de TV (CFTV) requer conhecimentos específicos que, na maior parte das vezes, o usuário comum não tem. Por exemplo, o alarme indicado para uma área semiaberta (varandas) é diferente daquele utilizado em ambientes internos. Assim, a aquisição de um modelo inadequado acaba por resultar em disparos indevidos e na perda de credibilidade do sistema. Da mesma forma, a câmera de monitoramento instalada na entrada da garagem deve ter propriedades específicas para esse tipo de aplicação (lente com auto-íris, por exemplo) para ajustar-se à luz proveniente dos faróis. Instalar outro tipo de câmera nesse tipo de situação pode fazer com que as imagens obtidas sejam inúteis para possíveis reconhecimentos de pessoas e placas.

Cerca elétrica e perimetral

A escolha do melhor equipamento de segurança perimetral depende fundamentalmente das características do local e das exigências do proprietário. Barreiras invisíveis que funcionam por infravermelho são mais utilizadas por quem busca pouca interferência na arquitetura. As cercas elétricas são mais comuns, baratas e ostensivas.

Mas seja qual for a tecnologia, o equipamento precisa ser produzido e instalado segundo as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).  No caso das cercas elétricas, elas devem estar à altura mínima de 2,5 m e ser devidamente identificadas.

Porteiro eletrônico

Equipamento essencial para a proteção da casa, o porteiro eletrônico "é um meio de comunicação para auxiliar no controle de acesso à distância e não há impedimentos para o uso”, comenta Godoy. Segundo ele, os modelos que vêm com câmera instalada são os mais seguros, mas a eficiência do equipamento pode ser comprometida, se o usuário não for cauteloso: não adianta, por exemplo, instalar o aparelho e deixar a porta destrancada.

Sensores de presença e alarmes

Os sistemas de alarme são conjuntos de detectores de intrusão e dispositivos de controle, gerenciados por centrais. A eficácia de um desses sistemas depende principalmente da qualidade do serviço de monitoramento 24 horas ao qual está atrelado. De pouco adianta o alarme disparar e a central demorar a atender ao chamado. Para especificar qual o tipo mais indicado a casa, porém, faça uma análise de risco do local que detecte suas vulnerabilidades e elabore um projeto exequível, que não transforme o lar em prisão, sempre contando com apoio técnico.

Getty Images
Câmeras podem ou não estarem ligadas a uma central de monitoramento 24h imagem: Getty Images
Sistema de CFTV (circuito fechado de TV) ou videomonitoramento

Trata-se de um conjunto de equipamentos e dispositivos que captam imagens e as transmitem para a observação e o gerenciamento locais ou feitos remotamente. Em muitos casos, esses sistemas são instalados apenas para dissuadir os bandidos, mas quando estão integradas a uma central de monitoramento 24 horas, tendem a ser mais eficientes. Para evitar jogar dinheiro fora, inspecione e faça a manutenção periódica dos equipamentos. E, atenção, ao escolher as câmeras certifique-se de que as imagens gravadas, tenham qualidade mínima para o reconhecimento.

Biometria para a abertura de portas

As leitoras biométricas concedem ou negam acesso a portas e portões com base na análise das digitais, por exemplo.

Trata-se de um recurso de proteção interessante, que tende a se tornar cada vez mais solicitado, pois os modelos ganham a cada dia mais confiabilidade e detêm índices de falhas baixos. A biometria pode ser acoplada a fechaduras para abertura da porta principal de casas , mas o custo ainda é alto.

Getty Images
Último recurso de segurança, a blindagem deve ser certificada e é bastante onerosa imagem: Getty Images
Blindagem arquitetônica

Bastante recomendada para guaritas de edifícios, a blindagem arquitetônica pode ser utilizada também em residências, mas trata-se de uma solução de alto custo (a partir de R$ 10 mil). É possível blindar portas, janelas e, até, paredes. Mas antes de contratar esse tipo de serviço, é necessário certificar-se de que a empresa possua certificações de qualidade (ISO, por exemplo) e se a blindagem oferecida possui proteção balística homologada pelo Exército Brasileiro. A blindagem é uma solução de segurança considerada "avançada", que deve ser precedida da instalação de outros equipamentos, como alarmes e câmeras de monitoramento.

Fontes: José Elias de Godoy, consultor de segurança; Selma Migliori, presidente da Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança), Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Leitura sugerida: Cartilha de Segurança Condominial do Secovi.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Projetos
Redação
UOL Estilo
Estilo
Moda
do UOL
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Projetos
do UOL
BBC
Glamurama
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
UOL Estilo
Redação
do UOL
Moda
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Topo