Casa e decoração

Sistemas armazenam água das chuvas para a rega dos jardins

Divulgação/ Sky Garden
Sobre a laje, o jardim tem um substrato com tecnologia que retém a água da chuvas Imagem: Divulgação/ Sky Garden

Juliana Nakamura

Colaboração para o UOL, em São Paulo

13/11/2015 07h06

A necessidade de criar mais áreas verdes nos centros urbanos e de racionalizar o uso de recursos naturais vem impulsionando a procura pelos jardins “auto irrigáveis”, capazes de armazenar água das chuvas.

Empregados em amplos gramados, telhados verdes, hortas e jardins verticais, esses sistemas conseguem reduzir em até 60% o consumo de água para a manutenção da área ajardinada. Além dessa economia, esses jardins podem agregar conforto térmico para a edificação quando projetados em coberturas.

Módulos plásticos

No Brasil, umas das tecnologias que captam a água pluvial para irrigação dos jardins sem necessitar de bombeamento e de energia elétrica consiste em um sistema formado por módulos plásticos (infográfico 1). 
 
Apoiados em pedestais sobre a laje previamente impermeabilizada com manta asfáltica, o conjunto cria um vão que represa o volume das chuvas. As mantas geotêxtil e anti-raiz sobre esses módulos garantem o fluxo sem interrupções ou entupimentos.
 
A solução vem sendo empregada por grandes construtoras, principalmente nas áreas comuns de edifícios corporativos, comerciais e residenciais. Nesses casos, as plantas aproveitam-se da água retida sob a terra por capilaridade, ou seja, o sistema funciona como um lençol freático artificial garantindo a irrigação do solo de baixo para cima.
 
A capacidade de armazenamento varia de acordo com o projeto. Por exemplo, um sistema com sete cm de lâmina de água permite acumular 70 litros de volume pluvial por m². 
 
Diferentes espécies vegetais podem ser cultivadas nesses jardins, de gramíneas a árvores de pequeno porte. No caso de chuvas intensas, um dispositivo de drenagem permite o escoamento do excesso, impedindo que o solo encharque. Em épocas de estiagem prolongada, o jardim pode ser alimentado pelo abastamento de água da edificação.
 
Substrato japonês
 
Outro jardim “auto irrigável” baseia-se em um substrato leve (infográfico 2) desenvolvido no Japão com taxa de decomposição de apenas 1% ao ano, o que possibilita a construção de áreas ajardinadas duráveis.
 
O sistema é bem simples e dispensa o uso de caixas e estruturas sintéticas. O substrato é depositado sobre uma manta geodrenante que retém a água pela aeração do solo. A espessura da camada de substrato varia em função da vegetação a ser plantada, entre quatro cm (no caso de gramados) e 20 cm (quando há arbustos). 
 
Por conta de suas propriedades físico-químicas, o material cria um colchão de água entre a camada de substrato e a manta geodrenante. A água fica retida em quantidade proporcional à espessura do sistema. O de 20 cm, por exemplo, segura até 80 litros de água/m².
 
Custos
 
Ambas as tecnologias podem ser instaladas em pequenas áreas gramadas (com dois m², por exemplo) a amplos jardins. O preço varia em função da localização e complexidade do projeto. No caso do sistema baseado no substrato, o custo é aproximadamente R$ 160/m² (pronto). Já no conjunto de módulos plásticos, que requer instalação com mão de obra especializada, o preço gira em torno de R$ 250/m², de acordo com o projeto, espécies de vegetação e quantidade de água a ser reservada.
 
Cuidados extras
 
Diferente dos sistemas que captam a água pelos telhados e armazenam em cisternas, os jardins “auto irrigáveis” são construídos sobre lajes impermeabilizadas. Por isso, antes de sua construção, é necessário que haja uma avaliação da edificação, especialmente com relação à capacidade de suporte de peso da estrutura e estanqueidade.
 
Vale lembrar que nenhuma tecnologia garante o suprimento total de nutrientes das plantas, que devem ser complementados durante a manutenção da área verde. A vegetação a ser plantada também precisa ser cuidadosamente escolhida, dando preferência a espécies rústicas e nativas.
 
Fontes consultadas: Paulo Vinicius Jubilut, sócio-diretor da Remaster; Ricardo Cardim, botânico da Sky Garden; Juliana Lahóz, arquiteta e paisagista; Lucia Manzano, arquiteta e paisagista.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Casa e Decoração
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Casa e Decoração
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Topo