Casa e decoração

Opção ou necessidade: como é morar em apartamentos minúsculos?

Simon Plestenjak/ UOL
A jornalista Christiane Aguiar mora em um apê com 24 m², em São Paulo, com o marido Imagem: Simon Plestenjak/ UOL

Giovanny Gerolla

Colaboração para o UOL, de São Paulo

01/02/2016 07h02

Eles estão ficando cada vez menores: 30 m², 24 m², 15 m², mas embora pareçam pequenos demais, os chamados “microapartamentos” podem oferecer duas vantagens importantes para quem está decolando na carreira e ainda precisa trabalhar muito: preços altos, mas “pagáveis” pela baixa metragem e localização estratégica, muitas vezes central ou próxima das linhas de metrô ou de áreas de negócios.

Minha doce caixinha de fósforos

A designer de interiores Lívia Nara da Fonseca, 32, não aguentava mais enfrentar o trânsito da região do ABC, na região metropolitana de São Paulo, até a Vila Olímpia, bairro onde está o escritório em que trabalha. “Queria um lugar para ficar durante a semana, que fosse temporário e flexível. Não sobrava tempo para academia, lazer ou estudos”, justifica. Lívia acabou alugando um espaço com 15 m², no Itaim Bibi: “Comprar na Vila Olímpia é algo ainda muito fora da minha realidade”, diz. E a designer não é exceção: ali os preços são salgados, ultrapassando R$ 12 mil pelo metro quadrado, em média.

Já a escrevente Kiára Mendonça, 36, morou por um ano e três meses em uma quitinete com 28 m², em um prédio mais antigo. “Era o típico quarto-sala, que você acessa por um corredor com pia e espaço para um pequeno fogão”, conta. Na casa de Kiára, a geladeira ficava no quarto e a máquina de lavar, no banheiro. “Eu não aguentei, porque era improvisado demais”, resume.

Simon Plestenjak/ UOL
Kiára Mendonça mora em um apê com 37 m² há dois anos: "Dá pra ter um banquinho!" Imagem: Simon Plestenjak/ UOL
Além disso, a única porta dava para o corredor do prédio, onde os vizinhos faziam barulho. A roupa ficava no meio do quarto-sala, estendida num varal de chão, a cozinha não tinha ralo e a circulação de ar era precária: “O travesseiro cheivara a bife”, conta a moradora. Kiára foi então para um apê mais espaçoso, mas ainda assim, compacto. Está há dois anos no imóvel com 37 m², onde afirma viver bem.

O novo apartamento tem divisões internas e uma garagem. Os nove metros extras parecem ter pouco impacto no dia a dia, mas a distribuição mais acertada acomodou os pertences que viviam amontoados e deu para incluir um sofá na decoração. “O prédio é novo, com área de lazer completa. Sou a primeira moradora do imóvel e tenho até uma sacada! Cabe um banquinho”, brinca Kiára. Como a perfeição é difícil de ser alcançada, a moradora aponta um problema: a parede fina, em gesso acartonado e sem isolante acústico, a faz ouvir o despertador do vizinho todos os dias.

Necessidade e tendência

O problema dos novos apartamentos nas grandes metrópoles não é só o espaço diminuto. Para o engenheiro especialista em acústica, Fernando Henrique Aidar, a preocupação é o desconforto – em primeiro lugar - com o barulho. “São prédios em áreas urbanas centrais e muitos têm salas de ginástica sem tratamento acústico, piscinas de cobertura e churrasqueiras com tubos de exaustão que também não recebem isolantes. É impossível que pessoas idosas vivam nessas caixas de fósforo ressonantes”, critica.

Aos 85 anos e aposentado, Fernando adoraria ir para um imóvel menor com sua esposa, especialmente, se o lugar estivesse próximo de serviços e metrôs, mas não encontra boas opções. “Os terrenos estão muito caros, o que encarece o metro quadrado. Por outro lado, morar em microapartamentos pode ser visto como uma necessidade dos mais jovens, que priorizam gastar com viagens a investir em espaços maiores e mais confortáveis. De forma generalizada, essa necessidade vai virando tendência”, defende.

O empresário e construtor José Firmo Piazza Junior também acredita que levantar edifícios com microunidades é uma necessidade de mercado que pode ser encarada como modelo a ser seguido: “Apartamentos cada vez menores viabilizam preços compatíveis com o poder de compra do público alvo. Mas esta redução de tamanho deve ter um limite, que será regulado no médio prazo com a estabilização do mercado”, prevê.

Simon Plestenjak/ UOL
A designer Lívia Nara da Fonseca aproveitará o espaço com uma cama suspensa Imagem: Simon Plestenjak/ UOL
Projetinho bacana

Fato é que muitos enxergam morar em um microapê como quase obrigatório no início da vida adulta e as alternativa a esse modelo acabam se limitando à dividir do aluguel com amigos ou parceiros ou manter-se na casa dos pais ou em pontos mais distantes em metrópoles como São Paulo. Mas começar a vida em um microapartamento, mesmo que não se saiba exatamente quando terá de deixá-lo, não indica um “para sempre”.

A jornalista Christiane Aguiar, 28, comprou há cinco anos um apê com 24 m² na região da Sé, centro da capital paulista. “Ia morar sozinha. Trabalho o dia todo e saio aos finais de semana. O tamanho era suficiente”, avalia. Há dois anos, porém, veio o marido e a primeira reforma, que dividiu o espaço integrado em quarto e sala de estar, usando apenas um armário. E o velho banheiro teve uma de suas paredes derrubada a fim de acomodar a nova lavanderia: “Mantivemos o piso original e investimos em novos revestimentos”, conta Christiane.

Integrada a cozinha com sala de estar, o apartamento até parece maior do que era e tem funcionado muito bem para o casal. “O guarda-roupas-divisória teve o fundo revestido e se tornou um mural decorativo. Os móveis não são planejados, porque custariam três vezes mais. Assim, saímos à caça da mobília com fita métrica, para achar o tamanho ideal. A cama box tem um baú, que serve para guardar nossas coisas”, descreve a moradora. 

Apesar de já terem entrado em um consórcio para comprar o próximo imóvel, Christiane só vê necessidade de empacotar a mudança na hora que o primeiro filho vier. “Um dormitório a mais vai bastar”, planeja, sem pressa nem urgência. No caso de Lívia Nara da Fonseca, trabalhar em um escritório de arquitetura de interiores a motivou a planejar o apê. Ela e os colegas estão fazendo um projeto para uma pequena reforma para os seus 15 m².

“Não posso quebrar nada, porque o imóvel é alugado. Então vamos colocar uma cama suspensa, aproveitando o pé direito relativamente alto. Ela será apoiada, em parte, sobre o guarda-roupa e o acesso será por uma escada lateral com nichos e gavetas sob os degraus. Foi o jeito que encontramos de aproveitar o cômodo único, que só tem uma pia”.

Follow UOL's board Decoração on Pinterest.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Casa e Decoração
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Casa e Decoração
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
Topo