Casa e decoração

Mop x rodo e pano de chão: as diferenças da faxina nos EUA e Brasil

Divulgação
Joy Mangano, interpretada por Jennifer Lawrence no cinema, desenvolveu o Miracle Mop Imagem: Divulgação

Karine Serezuella

Colaboração para o UOL, de Ribeirão Preto

18/03/2016 07h03

O filme “Joy: o nome do sucesso”, estrelado pela atriz Jennifer Lawrence, conta a história de Joy Mangano, uma mãe divorciada que se tornou uma grande empreendedora nos EUA: ela inventou o Miracle Mop, o esfregão que pode ser torcido sem que o usuário molhe as mãos.

Criado em 1990, o revolucionário utensílio de limpeza é bastante popular nos EUA e em países da Europa, mas no Brasil a ferramenta não caiu no gosto popular. Mas se o mop é funcional, está disponível em muitas lojas e em diversas configurações, por que ele é preterido? Para o sociólogo Jefferson Freitas, as diferenças na forma de execução do serviço doméstico nas casas norte-americanas e brasileiras podem ser um dos motivos.

O doutorando em sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ) afirma que, nos EUA, sempre houve um incentivo para que ferramentas facilitadoras fossem desenvolvidas, porque, lá, o serviço de limpeza do lar é caro, pago por hora, e tais equipamentos ajudariam a diminuir o tempo de trabalho e, consequentemente, o custo.

Nas residências brasileiras, onde historicamente a empregada doméstica ou a faxineira mensalista está presente, o empregador não se preocupa com a agilidade ou a facilidade da tarefa. “No plano hipotético, como é a empregada quem faz o trabalho, o mop ou outros otimizadores não se fazem necessários”, diz Freitas. Para o pesquisador, no país, é provável que a introdução dos esfregões no dia a dia seja impulsionada pelas empresas prestadoras de serviço de limpeza eventual, que buscam ferramentas para aperfeiçoar e acelerar a atividade.

Getty Images
O que faz a diferença? Desinfetante e asseio Imagem: Getty Images
Mas o mop é eficaz?

Há alguns anos, nas casas onde quem faz a limpeza são os próprios moradores, o mop - por vezes - vem substituindo (ou dividindo o espaço com) a vassoura e a dupla: rodo + pano de chão. Mas o esfregão gringo seria mais eficiente quando comparado a esses antigos e populares no Brasil? Bem, depende do ponto de vista.

De acordo com a doutora em microbiologia e professora da Faculdade Estadual de Tecnologia (Fatec) de Sorocaba (SP), Elizabeth Pelosi, diferentemente da vassoura, o mop consegue realizar uma limpeza úmida. Neste caso, a vantagem está na remoção da sujeira sem a suspensão das partículas no ar. Assim, para quem é propenso a reações alérgicas, o mop é vantajoso.

Além da umidade favorecer a limpeza mecânica, quando o esfregão é equipado com cabo telescópico há um ajustamento da altura segundo cada usuário, o que o torna o uso mais ergonômico e confortável. No entanto, a principal facilidade oferecida pelo equipamento é o sistema de torção, que evita o esforço repetitivo manual e o contato direto com a sujeira.

Por outro lado, Pelosi explica que para a eliminação dos microrganismos, não importa a ferramenta utilizada, se o mop ou o rodinho com pano, o que vale é a aplicação de um produto desinfetante, pois é essa substância a responsável pela remoção dos micróbios.

Desinfetar é a chave

O professor e pesquisador do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP), Jorge Timenetsky, diz que independentemente da maneira de aplicação, o desinfetante deve - de modo geral - permanecer em contato com a superfície por cerca de dez minutos. Por isso, o produto não pode secar de imediato. “Se o mop for utilizado para a desinfecção, precisa estar com sua umidade aumentada”, orienta.

Por fim, para a limpeza adequada, com o mop ou o bom e (não tão) velho pano de chão, é essencial fazer a troca regular da solução (água + produto de limpeza) no balde, para que a sujeira não seja transferida de um cômodo para o outro. E, não esqueça: após a faxina, higienize os equipamentos para que na próxima limpeza, você não traga de volta os microrganismos removidos e o mau odor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Casa e Decoração
Casa e Decoração
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Projetos
do UOL
Casa e Decoração
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Casa e Decoração
do UOL
Topo