Casa e decoração

Casa avarandada usa posição do sol para aquecer ou esfriar ambientes

Giovanny Gerolla

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/10/2015 16h07

O projeto para a casa Botucatu, do escritório paulistano FGMF Arquitetos, tem uma proposta bastante escultural, apesar do conceito simples: a grande cobertura da residência (que se assemelha a uma mesa ou a um “guarda-chuva”) abriga blocos funcionais que agrupam usos, distribuídos em volumes com estéticas distintas.

O posicionamento do teto foi calculado em relação à orientação solar e à necessidade de integrar com privacidade. Assim, além de criar a generosa sala-varanda, ligada à piscina e ao lazer, no verão, a laje sombreia toda a casa e, no inverno, permite que o sol - mais baixo - passe por debaixo da estrutura e “esquente” os ambientes da morada.

A área íntima dos dormitórios, no pavimento superior, está totalmente revestida de lâminas de madeira e conta com portas e janelas do tipo camarão e com fechamento cego. Por outro lado, os serviços (cozinha, lavanderia e dependências de empregados) encerram-se no térreo, separados do restante da casa por paredes de alvenaria pintadas de preto.

Separados, mas nem tanto

Embora tenham alguma independência e privacidade, os blocos se conectam à área de convivência social. A comunicação entre eles se dá pela variação de altura determinada pelos pés-direitos - ora duplos, ora simples -, por vezes, interrompidos por uma passarela em aço que cruza toda a extensão do terreno. Tal jogo é traçado com fluidez e naturalidade e ganha expressão máxima na caixa formada por grandes folhas de vidro que alcançam o forro de concreto aparente e abrigam o living, ao lado da piscina.

“O espaço flui entre o interno e externo e este conceito criou complexidades espaciais e estéticas interessantes, que determinaram o desenvolvimento do projeto. Trata-se de uma espécie de reinvenção das tradicionais varandas”, explica o arquiteto Fernando Forte, do escritório FGMF. Desta forma, a casa Botucatu, destinada a um jovem casal, pôde proporcionar aos moradores uma relação perfeita entre o construído e o natural - dado pelo paisagismo circundante feito com espécies locais -, em qualquer época do ano.

Ficha técnica

Casa Botucatu, Botucatu (SP)

Projeto de FGMF Arquitetos

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno 1.086,20 m²
  • Área Construída 522,22 m²
  • Conclusão da Obra 2014
  • Projeto FGMF Arquitetos - Fernando Forte, Lourenço Gimenes e Rodrigo Marcondes Ferraz
  • Equipe Fernando Forte, Lourenço Gimenes, Rodrigo Marcondes Ferraz, Marília Caetano, Sônia Gouveia, Gabriel Mota, Thyene Schmidt, Bruno Araújo, Flávio Faggion, Heloísa Adam, Juliana Nohara e Monica Harumi
  • Colaboradores Gabriela Santoro e Mirella Fochi
  • Projeto de Arquitetura FGMF Arquitetos - Fernando Forte, Lourenço Gimenes, Rodrigo Marcondes Ferraz
  • Projeto de Paisagismo Caroline Bueno
  • Projeto Estrutural - Concreto Edson Bispo Ferreira
  • Projeto de Instalações Elétricas Projhel
  • Projeto Luminotécnico FGMF Arquitetos e Marcos Castilha
do UOL
Blog Casa de Viver
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
BBC
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
Blog Casa de Viver
do UOL
BBC
do UOL
Casa e Decoração
Blog Casa de Viver
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
Topo