Comportamento

Quer discutir nas redes sociais sem perder amigos? Saiba como em 10 dicas

Getty Images
Homem gritando com o celular Imagem: Getty Images

Helena Bertho

Do UOL, em São Paulo

23/03/2017 04h00

Vegetarianos indo à forra com a atual angústia dos amantes da boa carne, ativistas negras questionando o uso do turbante por brancas, o embate agressivo entre "coxinhas" e "petralhas". Hoje não há assunto que escape do debate nas redes sociais. O problema é quando a diferença de pontos de vista vira bate-boca e aí, a única saída para manter a boa convivência na vida real, é bloquear no Facebook aquele amigo, parente ou colega de trabalho que pensa diferente de você.

"A maioria das discussões online acaba se tornando uma briga de ego", explica a coach  Fernanda Dutra, especialista em recursos humanos. Ao invés transmitir e ouvir ideias, esses debates se restringem a disputas para ver quem fica com a palavra final. "Para isso, as pessoas recorrem a padrões de ataque e defesa que podem ser violentos com quem lê", completa.

Mas, acredite, é possível discutir e discordar sem brigar. Uma técnica conhecida como Comunicação Não Violenta (CNV) promete ser o caminho para isso. "Divergências fazem parte de qualquer relação. A questão é como lidamos com elas", explica o consultor inglês Dominic Barter, pesquisador de CNV. A ideia central do método é que temos a capacidade de colaborar, se entender e lidar com conflitos de maneira empática, sem partir para a agressão.

O conceito da CNV foi criado na década de 60 pelo psicólogo americano Marshall Rosenberg. Desde então, tem ganhado adeptos mundo afora -- no Brasil, o Ministério Público dá cursos sobre o tema para a solução de casos nos tribunais.

Atualmente, a CNV está também conquistando espaço em empresas, para evitar brigas entre funcionários. Na vida a dois, casais também têm feito cursos da técnica para evitar brigas na relação. E para os debates nas redes sociais, a comunicação não violenta pode também ser muito útil.

Com ajuda dos especialistas e do livro de Rosenberg, chamado "Comunicação Não Violenta", reunimos as dez principais dicas que podem ajudar você a defender suas ideias nos debates virtuais sem brigar com ninguém. Confira:

  • Sempre se certifique que você entendeu o ponto de vista alheio

    Quando lemos um "textão", daqueles bem opinativos, no Facebook, presumimos que entendemos a mensagem e, com base nisso, respondemos. "No entanto, muitas vezes é possível que não tenhamos entendido direito", afirma Dominic Barter. O especiluista defende que a internet torna ainda mais difícil compreender as nuances da fala. Por isso, sua sugestão é sempre reler e perguntar diretamente à pessoa se era aquilo mesmo que ela quis dizer.

  • Encontre valores em comum

    Você e a pessoa com quem discute foram criados na mesma sociedade e compartilham alguns valores. Para que a discussão não saia dos trilhos, busque quais são eles e destaque isso. No debate sobre política, por exemplo, pode ser que as duas pessoas valorizem a justiça, mas discordem das maneiras de chegar a ela. Entendendo isso, você vai poder escolher falas que enalteçam os valores em comum, o que vai tornar o diálogo mais produtivo.

  • Se coloque no lugar do outro

    Para a CNV, a empatia é a chave para o diálogo. "Para se colocar no lugar do outro, é preciso haver conexão. você precisa ouvir e entender as necessidades daquela pessoa?, afirma Fernanda. Assim, mesmo que discorde, você não vai agredir o outro e vai conseguir encontrar formas positivas de levar a conversa.

  • Se a pessoa estiver nervosa, acalme-a

    E isso não quer dizer pedir para a pessoa se acalmar. O caminho, segundo Fernanda, é deixar claro à pessoa que ela está sendo ouvida. Demonstre interesse e deixe claro que está entendendo o que é dito, para só depois discordar.

  • Não julgue

    "Quando julgamos alguém, reforçamos a postura defensiva e a resistência nas pessoas", explica Rosenberg em seu livro. Se você julga que uma pessoa é "burra" ou "desonesta" em uma discussão, ela vai decidir se defender ao invés de se abrir para o diálogo.

  • Diga o que você sente

    E não o que você acha que os outros sentem ou fazem em relação a você. Por exemplo, ao invés de dizer "pare de me ignorar!", você pode dizer "quando você não responde a minha pergunta, eu fico incomodado". Expressar sua vulnerabilidade e sentimentos, pode ajudar o outro a se abrir para o diálogo.

  • Construa junto

    Não imponha suas ideias como certas. Construa o pensamento junto da outra pessoa. "O que você acha disso?" é uma ótima pergunta para fazer após apresentar seu raciocínio. "Com isso você engaja a pessoa na conversa?, afirma Fernanda. E ao invés de ficarem nas posições de ataque e defesa, as duas partes passam a buscar caminhos juntas.

  • Seja o mais claro possível

    Não use sarcasmo ou ironia. Escolha palavras que deixem claro o que você está sentindo e suas necessidades naquela conversa. "Desenvolver um vocabulário de sentimentos que nos permita nomear ou identificar de forma clara e específica nossas emoções nos conecta mais facilmente uns com os outros", explica Rosenberg.

  • Use linguagem positiva

    Se você quer que a pessoa pare de fazer alguma coisa, deixe claro. Por exemplo, em uma discussão no Facebook, seu amigo começou a usar palavras ofensivas. Ao invés de dizer "não me xingue", o que pode levar a pessoa a tomar outra atitude violenta, diga "gostaria que você me tratasse com mais respeito".

  • Quando um não quer, dois não brigam

    Para Fernanda Dutra, o ideal é não ir na onda da pessoa que ficou agressiva. "Se tem alguém muito nervoso, ele se acalma ao perceber que a outra pessoa está ouvindo e nem gritando", afirma. Mas isso não quer dizer tolerar algo que te machuque, apenas tomar cuidado para não perder a razão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Topo