Comportamento

6 atitudes tóxicas que podem envenenar o relacionamento

Getty Images
Poucos relacionamentos sobrevivem a ataques frequentes de ciúme Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

06/01/2016 11h56

Muitos casais, mesmo os que vivem bem, podem se ofender mutuamente em algum momento da relação. O problema é quando esse tipo de atitude se torna recorrente. “Pode-se chegar a um ponto em que o par deixa de perceber que está se agredindo, naturalizando atitudes abusivas. Isso é extremamente tóxico para a relação”, afirma Thiago de Almeida, psicólogo especializado no tratamento das dificuldades do relacionamento.

Perceber os abusos e promover as mudanças necessárias, o quanto antes, é responsabilidade do casal. “Diante de uma atitude tóxica, ambos devem falar o que sentem e o que estão dispostos a fazer para mudar. Esse é o primeiro passo”, diz a psicóloga Mara Pusch, especializada em sexualidade humana pela Universidade de São Paulo.

A seguir, confira seis atitudes que podem fazer o relacionamento naufragar.

Fontes: Mara Pusch, psicóloga especializada em sexualidade humana pela USP (Universidade de São Paulo); Thiago de Almeida, psicólogo especializado no tratamento das dificuldades do relacionamento; Regina Vaz, especialista em relacionamentos e autora do livro “Vamos Discutir a Relação?” (Editora Planeta); Ailton Amélio, doutor em psicologia e autor do livro “Relacionamento Amoroso” (Publifolha).

  • Criticar o outro o tempo inteiro

    Fazer críticas pontuais ao par pensando em construir uma convivência mais harmoniosa a partir de pequenos ajustes é uma atitude saudável. Porém, quando a crítica se torna generalizada e constante, é preciso atenção. A atitude de atacar o par pode estar relacionada a uma necessidade de autoafirmação. Também vale analisar se a relação está trazendo a gratificação esperada. Se você critica demais o parceiro, tem de se perguntar por que está com ele, se é por opção ou falta dela. Se não estiver realmente envolvido, qualquer detalhe vai incomodar e muito. Leia mais

  • Esperar que o outro perceba como você se sente

    Para simplificar as relações, é essencial verbalizar os sentimentos, principalmente os que causam algum tipo de incômodo. Falar abertamente dos problemas é uma maneira de evitar que as mágoas se acumulem. Saber dialogar é falar o que incomoda no momento em que o problema surge, sem atacar o caráter da outra pessoa. É também saber escutar com a devida atenção, sem se preocupar em apenas justificar-se.

  • Pensar apenas nos próprios desejos

    Muitas pessoas imaginam que os desejos e necessidades do outro podem ser encarados como uma extensão da vontade própria e focam apenas em contentar a si mesmas, por acreditar que o outro será contemplado. Porém se um dos pares deixa de perceber o outro, o relacionamento se esvazia. Não saber o que o par quer e não apresentar coisas novas pode conduzir a relação à monotonia. Na dúvida sobre a percepção do parceiro, o ideal é perguntar. E tentar, sempre que possível, colocar-se no lugar do outro.

  • Demonstrar ou provocar ciúme

    Quem utiliza o ciúme como um recurso para tirar o relacionamento da rotina e se autoafirmar pode, justamente, colher o que mais teme: a desaprovação e o afastamento do par. Poucas relações sobrevivem a ameaças constantes e investir nelas, de modo deliberado, pode ser cruel e desgastante. A pessoa que não consegue lidar com o ciúme de modo saudável deve buscar ajuda profissional, como uma terapia. Leia mais

  • Entrar em disputas bobas

    O instinto de competição remete às respostas mais primitivas do ser humano às situações da vida. Porém, deixá-lo vir à tona a todo momento nos relacionamentos afetivos pode ser perigoso. No início da relação, é mais fácil abrir mão do próprio ponto de vista em prol do outro. Mas, com o passar do tempo, essa disponibilidade pode diminuir. E é aí que começam as disputas pelo poder. Para evitar embates desnecessários, é preciso avaliar se a questão a ser discutida está realmente interferindo no bem-estar individual ou do casal. Se for algo irrelevante, o mais provável é que a discussão desgaste a ambos, sem produzir resultado prático algum. Leia mais

  • Colocar o outro para baixo o tempo todo

    Vários sentimentos podem motivar esse tipo de comportamento, como raiva e vingança. E, nesse caso, o primeiro passo é se perguntar de onde vem a vontade de ofender, de mexer com a autoestima do par. Às vezes, quando acaba a paixão, a admiração pelo outro também diminui. Parece que o outro mudou e, na maioria das vezes, é a nossa percepção, tolerância e expectativa em relação ao outro que mudaram.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Beleza e maternidade
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo