Comportamento

9 ideias erradas que as pessoas têm sobre suicídio

Getty Images
Questionar sobre ideias suicidas, se feito de modo sensato, faz com que a pessoa se sinta acolhida imagem: Getty Images

Thais Carvalho Diniz

Do UOL, em São Paulo

Você sabia que o suicídio é um problema de saúde pública que pode ser prevenido? Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), 90% dos casos poderiam ser evitados. Para tanto, o assunto precisa ser visto como responsabilidade da sociedade para que tabus sejam quebrados, como achar que falar a respeito incentiva a prática.

Ao contrário do que prega o senso comum, tratar o tema sem julgamentos pode dar chance de as pessoas em crise pedirem ajuda, uma vez que o grande desespero que as acomete também pode estar ligado à quebra de vínculo e de confiança com pessoas próximas.

A seguir, veja mitos e verdades sobre o comportamento suicida que podem ajudar na prevenção.

Consultoria: Karen Scavacini, psicoterapeuta, co-fundadora do Instituto Vita Alere e autora do livro “E Agora? Um Livro para Crianças Lidando com o Luto por Suicídio” (AllPrint Editora); Neury Botega, psiquiatra, professor da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e autor do livro "Crise Suicida" (Artmet); CVV (Centro de Valorização da Vida) e Abeps (Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio).

  • Quem fala que vai se matar quer apenas chamar atenção

    A maioria dos suicidas fala ou dá sinais sobre ideias de morte. A regra geral é levar a sério ameaças suicidas e, ao mesmo tempo, não se sentir refém delas.

  • Falar publicamente sobre suicídio incentiva a prática

    Reportagens sensíveis e ponderadas sobre suicídio têm a capacidade de conscientizar a população sobre um problema que existe, mas sobre o qual pouco se fala. Então, é importante tratar de forma ética o tema para gerar conscientização a respeito.

  • Perguntar se uma pessoa pensa em suicídio pode incentivá-la

    Questionar sobre ideias suicidas, se feito de modo sensato, fortalece o vínculo com a pessoa, que passa a se sentir acolhida por alguém que se interessa pela extensão de seu sofrimento. Falar a respeito sem julgamentos pode ajudar alguém com potencial suicida.

  • Suicidas são egoístas e covardes

    No geral, as pessoas se matam para acabar com um sofrimento intenso, do qual não veem outra saída que não seja a morte. Trata-se, na grande maioria das vezes, de um ato de desespero, condição que reduz opções, vínculos com pessoas queridas e esperança no futuro.

  • O suicídio é hereditário

    Não há fatos científicos que provem que o suicídio seja hereditário. No entanto, uma história familiar de suicídio é um fator de risco importante, bem como a existência de tentativas anteriores. Isso pode ter relação com um luto inacabado na infância, um comportamento aprendido diante de situações limite ou a existência de um tabu familiar sobre o tema.

  • Quem tenta o suicídio sempre tem um distúrbio mental

    Estudos mostram que cerca de 90% das pessoas que se matam sofrem de algum transtorno mental. Por outro lado, a maioria das pessoas que sofrem de problemas do tipo não colocam fim à própria vida. Portanto, distúrbios mentais têm papel essencial na maioria dos casos, mas é a combinação com outras circunstâncias pessoais e ambientais que pode levar ao suicídio.

  • Quando o indivíduo sobrevive a uma tentativa, está fora de perigo

    O período após uma tentativa de suicídio é especialmente perigoso porque há maior possibilidade de a pessoa tentar de novo. No entanto, há indivíduos que, após tentarem suicídio, conseguem se reestruturar, se engajar em um acompanhamento psiquiátrico e/ou psicológico e aprendem a lidar com o sofrimento de outras formas, que não pela morte. No caso da depressão --estima-se que entre 35% e 50% das pessoas com comportamento suicida têm a doença--, o período inicial do tratamento também requer cuidado, já que a pessoa ainda está doente, mas volta a ter iniciativa, que pode levar ao ato suicida.

  • Suicídio é uma decisão individual, já que todos têm livre arbítrio

    As pessoas com comportamento suicida estão passando quase que invariavelmente por uma doença mental que altera, de forma radical, a sua percepção da realidade e seus vínculos, o que interfere em seu livre arbítrio.

  • Quem vai se matar não dá sinais

    Na maioria das vezes, os sinais existem. Ocorre que, infelizmente, nem sempre as pessoas ao redor do suicida conseguem interpretá-los ou mesmo valorizá-los. Porém, não é justo se culpar por um suicídio. Alguns deles podem ser evitados, mas não todos. Muitas vezes, os indícios só fazem sentido após a morte. Na dúvida, tente sempre abordar o assunto ---sem julgamentos-- e aja.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Topo