Comportamento

Adeptos do consumo consciente passam pela crise sem sofrimento

Andrezza Czech

Colaboração para o UOL, em São Paulo

02/03/2016 07h15

Com a crise econômica, 57% dos brasileiros alteraram seus hábitos de compra, segundo pesquisa realizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), em junho de 2015. Reduzir o consumo pode ser difícil para quem nunca pensou nisso, mas quem já é adepto de um estilo de vida mais simples tem enfrentado o atual momento econômico do país sem grandes traumas.

A seguir veja histórias de quem adotou o consumo consciente.

  • Imagem: Marcus Desimoni/UOL
    Marcus Desimoni/UOL
    Imagem: Marcus Desimoni/UOL

    Fernanda Marinho, 35, gerente de projetos

    "A virada para ter uma vida mais simples aconteceu em 2012, quando voltei a viver com minha família e percebi que tinha coisas demais para colocar em um quarto minúsculo. Como sempre economizei muito, guardava tudo, tinha até roupas de quando era adolescente. Uma das minhas melhores amigas e eu começamos a ler sobre adotar um estilo de vida mais simples. Além da economia, o minimalismo reduz o tempo gasto à toa. Meu marido e eu temos uma casa simples de limpar, por exemplo. Consumir menos reduz o estresse, hoje tenho uma vida muito mais tranquila. A crise não me atingiu. Tenho sorte de não ter perdido o emprego, é claro, mas, mesmo com tudo mais caro, não me preocupo, porque consumo muito pouco. Não tenho TV a cabo, não tenho dívidas. Não se trata apenas de comprar menos, mas também de ser consciente. Não é preciso tirar todas as alegrias da vida, mas, sim, o que está sobrando."

  • Imagem: Arquivo pessoal
    Arquivo pessoal
    Imagem: Arquivo pessoal

    Camilo Bracarense, 36, designer

    "Sempre me incomodei com a ideia de que é preciso ter um patrimônio para ser bem-sucedido. Minha mulher, Rúbia, e eu morávamos no Paraná quando nossa filha, Manu, nasceu. Aos cinco meses, ela já estava na creche, enquanto nós passávamos o dia no trabalho. Foi muito difícil perder tudo o que ela fazia pela primeira vez. Decidimos mudar isso. Em julho de 2013, deixei meu emprego, procurei frilas e conheci pessoas que buscavam consumir conscientemente. Voltamos a viver em Minas Gerais em janeiro de 2014. Viramos vegetarianos e fizemos uma horta que provê boa parte da nossa alimentação. Somos mais livres, temos mais tempo com a família. Nossa criatividade aumentou e os pensamentos positivos também, porque o consumo consciente faz reduzir as expectativas. Até os relacionamentos ficaram mais saudáveis. Financeiramente, a crise não nos atingiu. Nossas necessidades são pequenas, ganhamos e doamos coisas, e a Manu tem poucos brinquedos. Se a gente quiser sobreviver nesse planeta, vamos precisar mudar, gerar menos lixo, saber aproveitar melhor a água. Mudar é difícil, é dolorido, mas é preciso."

  • Imagem: Bruno Santos/UOL
    Bruno Santos/UOL
    Imagem: Bruno Santos/UOL

    Elisangela Silva Souza, 28, consultora de TI

    "Em 2012, entendi como os conceitos de minimalismo, simplicidade voluntária e vida simples faziam sentido para mim. A primeira atitude que tomei foi repensar tudo o que consumia, onde colocava minha energia e minhas motivações. Venho de uma família pobre, não ter muitas coisas era comum até os meus 18 anos. Até comida faltou na nossa mesa. Quando conheci o minimalismo, essa fase já havia sido superada. Mas, com o primeiro trabalho registrado e o convívio em novos ambientes, passei a receber novas referências que me pediam uma adequação para ser aceita. Passei a querer ter coisas para ser parte de um grupo ou para me sentir bem. Quando mudei minha relação com dinheiro, autoestima, status e consumo, minha situação financeira começou a melhorar. Fiquei um ano sem comprar roupas ou itens pessoais, direcionando meu dinheiro para realizar sonhos. Planejei meu casamento sozinha e fiz minha primeira viagem internacional. Desde que comecei a ter consciência do impacto que o consumo causa não só na minha vida, mas no mundo, tenho vivido muito melhor. Assumo que tenho o poder de mudar, pelo menos um pouco, a parte da cadeia produtiva que explora e destrói, e faço isso consumindo menos. O consumo consciente não é bom só para o bolso, é bom para nossa liberdade de escolha e para o mundo que nos cerca."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo