Vida no trabalho

Bancar ator e pressa sobre salário: o que pega mal em entrevista de emprego

Getty Images
Uma postura desinteressada durante a entrevista de emprego pega muito mal Imagem: Getty Images

Adriana Nogueira

Do UOL

09/01/2017 04h03

Chegar atrasado na entrevista de emprego, falar mal da antiga empresa ou chefe e mentir sobre competências que não se tem são erros clássicos que os candidatos a uma vaga de emprego podem cometer na entrevista de seleção. Mas há outras pisadas na bola que têm potencial de comprometer suas chances de conquistar uma vaga. Veja a seguir.

  • Representar um personagem

    Não adianta ser introspectivo e querer se candidatar a uma vaga de atendimento ao público, por exemplo. Jean Nogueira, da Gol, conta que uma vez viu um candidato nessa situação sair literalmente correndo de uma dinâmica de grupo. Se não deu conta de participar da atividade, como conseguiria desempenhar a função no dia a dia?

  • Não saber controlar a ansiedade

    Um certo grau de ansiedade é normal e esperado, mas o candidato deve ser capaz de manter a sensação sob controle e não fazer como um rapaz que, em outro processo seletivo da Gol, passou o tempo todo manipulando nervosamente um canivete suíço. No mínimo, passou uma imagem estranha.

  • Pose blasé

    Não vá para uma seleção só porque se trata de um bom salário. Se não tem afinidade alguma com a vaga, melhor nem participar. Também pega muito mal encarar com desdém as atividades propostas no processo, como as já citadas dinâmicas de grupo.

  • Falar demais e, pior, sem foco

    Vá para a entrevista com as informações do seu currículo na ponta da língua. Escute o selecionador com atenção, para responder objetivamente o que foi perguntado. Selecionadores acham bastante irritante quando questionam sobre alhos e recebem bugalhos como resposta. É fundamental ainda ter, pelo menos, noção do que faz a empresa na qual está pleiteando uma posição.

  • Falar sobre expectativa salarial

    Primeiramente, espere o selecionador falar sobre o assunto. Se ele questionar a sua expectativa, cite o salário médio pago pelo mercado --dado fácil de se conseguir graças a pesquisas disponíveis na internet-- para vagas como a que está disputando. Se o entrevistador perguntar, revele seu último salário. Em tempos de crise, é preciso ter uma postura realista sobre o tema e entender que o salário também é composto pelos benefícios oferecidos pela empresa.

Fonte: Márcia Almströn, diretora de recursos humanos do ManpowerGroup, agência de empregos e negócios com sede nos Estados Unidos, e Jean Carlos Nogueira, diretor de recursos humanos da Gol Linhas Aéreas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Comportamento
BBC
Redação
BBC
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Plano de Carreira - Daniela Lago
Escolha Sua Vida
Topo