Comportamento

Falta de lubrificação pode afetar mulheres de qualquer idade; veja 6 causas

Getty Images
A falta de lubrificação pode ser motivada por questões fisiológicas ou psíquicas Imagem: Getty Images

Yannik D´Elboux

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

25/01/2016 08h05

Apesar de frequente na menopausa, a falta de lubrificação –resposta do corpo feminino à excitação sexual e aspecto fundamental para que a penetração aconteça de forma prazerosa—pode afetar mulheres de qualquer idade. O problema pode ser motivado tanto por questões fisiológicas quanto psíquicas.
 
Mesmo sendo fácil de resolver o incômodo, com o uso de lubrificantes à base de água, é fundamental para uma vida sexual saudável tentar descobrir a causa da dificuldade.
 
“Muitas vezes, o estímulo sexual não é adequado. A penetração deve ser o último processo”, diz a ginecologista Fabiene Vale, coordenadora do Ambulatório de Sexologia do Hospital das Clínicas de Minas Gerais.
 
A intensidade da lubrificação está associada à excitação, mas também existem diferenças individuais que devem ser consideradas.
 
“Cada mulher possui características próprias, algumas não têm muita lubrificação, enquanto outras molham a cama”, afirma Maria Claudia Lordello, psicóloga e sexóloga do Projeto Afrodite do Ambulatório de Sexualidade Feminina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).
 
Veja a seguir os seis fatores mais comuns que costumam afetar a lubrificação.
  • Menopausa fisiológica e cirúrgica

    A menopausa é o problema que mais afeta a lubrificação das mulheres acima dos 40 anos que já entraram nesse período. Tanto a menopausa fisiológica, que ocorre naturalmente, quanto a cirúrgica, em decorrência da retirada dos ovários, causa a diminuição dos hormônios femininos, sobretudo o estrogênio, relacionado à boa lubrificação. ?A terapia hormonal oral e local ajuda muito as mulheres nessa fase?, diz a ginecologista Fabiene Vale.

  • Falta de excitação suficiente

    Na maioria dos casos, a lubrificação está diretamente ligada ao grau de excitação. Se a mulher não estiver no clima, provavelmente o corpo demorará mais a responder aos estímulos. ?A quantidade de lubrificação vaginal nas mulheres jovens vai depender da intensidade do desejo no momento da atividade sexual?, diz o médico e sexólogo Carlos Scheidemantel.

  • Medicamentos e anticoncepcionais

    Alguns medicamentos, como ansiolíticos e antidepressivos, interferem na libido e, consequentemente, no processo de lubrificação. Contudo, os anticoncepcionais são os que mais costumam prejudicar essa etapa, por inibir a produção dos hormônios femininos na quantidade ideal. O recomendado, nesse caso, é procurar o ginecologista para encontrar o anticoncepcional mais adequado para cada mulher, possibilitando níveis satisfatórios de estrogênio.

  • Doenças ginecológicas e outras

    Corrimentos e infecções no sistema genital também influenciam a ocorrência adequada dos fluidos vaginais. Além dos problemas ginecológicos, outras doenças podem ter impacto na lubrificação, como hipotireoidismo e anemias, já que são capazes de interferir no nível de desejo. ?Diabetes e doenças reumatológicas também dificultam a excitação genital?, fala Fabiene Vale.

  • Estímulo inadequado

    Mesmo que exista o desejo na cabeça, a excitação precisa passar para o corpo. Contudo, por problemas na interação com o parceiro, existência de tabus ou por falta de conhecimento da própria anatomia, muitas vezes, o estímulo sexual não acontece da melhor forma possível. ?As pesquisas mostraram que a partir de 30 segundos de uma estimulação adequada, em uma mulher sadia, a vagina já começa a se lubrificar internamente?, declara o médico e sexólogo Carlos Scheidemantel.

  • Ansiedade e querer agradar

    Para deixar a excitação fluir livremente, a mulher precisa estar relaxada. Entretanto, principalmente nos primeiros encontros, a ansiedade provoca tensão e impede o envolvimento com as ações do momento. ?Às vezes, as mulheres pensam demais, querem controlar seus atos e agradar muito em vez de se concentrarem em sentir?, afirma a psicóloga e sexóloga do Projeto Afrodite. A dica de Maria Claudia é que as mulheres se entreguem aos toques e também busquem se autoconhecer para aumentar o prazer e, naturalmente, a lubrificação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Topo