Comportamento

Quer dicas? Eles passaram mal de raiva e contam como treta na web é bobagem

Natália Eiras

Do UOL

11/01/2017 04h04

Em tempos de cenário político tão instável, as discussões nas redes sociais são quase inevitáveis. Amigos, familiares, companheiros de trabalhos...muitos deles viram inimigos caso a opinião seja diferente. Você já ficou irritado e não digeriu uma discussão que teve na web? Quer tentar parar com isso?

A receita mágica pode não existir, mas muitos já conseguiram parar de ficar irritados por tão pouco. O UOL falou com algumas pessoas que cansaram de "tretar" no Facebook. e contam o que sentiam e como foi a decisão de parar e as estratégias utilizadas. Teve quem achou que estava tendo até síndrome do pânico! Mas conseguiu parar de tretar e está bem.

  • André Lobato, 22, administrador público, só vê feed de notícias no celular

    "Curto páginas e grupos relacionados a política. Sou administrador público e meu estudo e trabalho estão relacionados aos governos. O objetivo(dos debates) era me manter informado, mas também de discutir. Gastava muito tempo, e me distraia muito ao criticar os que eu discordava, trazer argumentos, ler e reagir ao comentários dos outros... E a discussão quase nunca chegava a lugar nenhum. Nas redes sociais, as pessoas não têm como ver o tom de voz, postura e outras coisas essenciais na comunicação em uma boa discussão. Decidi gastar cada vez menos energia com isso. O Facebook distrai e te dá a falsa impressão de que aquela discussão é produtiva politicamente. As pessoas não têm o respeito, o compromisso com a verdade, e o diálogo da maneira necessária em uma discussão pessoal. As redes sociais têm seu valor, mas são limitadas e não substituem o olho no olho. Hoje, quando vejo algo (não só de política) na internet que me dá vontade de me envolver, me questiono várias vezes se faz sentido gastar meu tempo e foco com aquilo. Se a pessoa me irritar muito, só cancelo a assinatura do feed dela. Eu inclusive uso um plugin que eu só consigo ver meu feed de notícias no celular, enquanto no computador não, para não distrair. Quando é uma pessoa que eu me importo muito, e vejo ela dizendo algo que me faria brigar em público, respiro fundo e chamo para conversar inbox ou pessoalmente. O resultado tem sido menos estresse na internet, menos quantidade de conversas, mas com mais qualidade. Recomendo a todos."

  • Renata Maria de Matos, 25, estudante, teve até taquicardia e foge da tela

    "Brigo na internet desde antes do Orkut, mas tive que parar de brigar no Facebook por causa da exposição. Para lidar com a 'abstinência', eu comento em posts que estão sendo bem comentados. Antes brigar no Facebook era um prazer, hoje em dia me desgasta muito. Agora tenho tempo para ler mais coisas e o serviço de casa está sempre em dia (risos). Antes eu chegava em casa, sentava no computador e ficava até de madrugada discutindo com os outros. Isto quase todos os dias. O que me fez parar de arranjar treta foi quando, em um grupo que eu estava, uma participante postou um print inapropriado e gerou desconforto em outros membros. Aí houve uma ameaça implícita de exporem o conteúdo do grupo ao público. Durante toda essa discussão fiquei com a respiração pesada, taquicardia. Achei que ia ter um ataque do pânico. Nisso, eu vi que não era uma boa ficar arranjando treta no Facebook porque nunca sabemos até onde a outra pessoa pode ir. Por isso, comecei a sair de grupos com temas polêmicos ou que possuíssem membros cujos posts me irritassem. Exclui parentes e comecei a controlar um pouco as coisas que publico. A melhor solução que encontrei foi fazer um perfil para deixar colegas e parentes e outro, fechado, só com gente que eu conheço mesmo. Voltei aos grupos, mas quando vejo uma postagem que me ferve o sangue eu respido, conto até 3 e deslizo a tela."

  • Hosana Fernandes, 19, estudante, parou de seguir páginas e evita briguentos

    "Nunca fui muito de brigar. Sempre tentei entender os dois lados e ser o mais paciente possível, só que ser paciente desgasta tanto quanto brigar. Ainda assim, eu estava disposta a tentar mais uma vez até acontecer uma discussão no grupo da minha sala, onde todo mundo começou a se ofender pesado e eu me sentir pessoalmente atingida e triste por todo mundo estar brigando. Nesse dia eu chorei muito porque gostava da minha turma e agora todo mundo se detestava, saí do grupo e tudo. Quando nos vimos novamente, tava todo mundo muito desgastado e mal olhando na cara um do outro. Essa situação ficou assim por mais de um ano. Depois disso, eu não discuti com mais ninguém. e evito na vida real. Não sinto falta, apesar de às vezes eu saber que a situação exige um pulso mais firme. Parei de seguir muita página no Facebook e muita gente também, para evitar criar pilha errada mesmo."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Blog da Morango
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Beleza e maternidade
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
do UOL
Redação
Topo