Estilo de vida

O stalker, o beberrão e outros malucos que as mulheres encontram no Tinder

Divulgação
Imagem: Divulgação

Natacha Cortêz

Do UOL

14/09/2017 04h00

20 bilhões de matches. Esse é o número oficial de “fui com a sua cara” que o Tinder, o aplicativo de encontros mais usado no mundo (está em 190 países e já foi baixado mais de 100 milhões de vezes), acumula até então. Desses matches, pelo menos 1.500 encontros se concretizam pelo globo toda semana. É muita gente buscando sua alma gêmea, uma amizade com benefícios ou até mesmo a transa do fim de semana.

Mas não é só de boas histórias que o aplicativo constrói sua fama. Há infortúnios, roubadas homéricas, preconceito... Não faltam grupos de Facebook e desabafos pela internet mostrando o descontentamento de mulheres com as babaquices, e os babacas que encontram ali. A fanpage "Omi no Tinder" é um desses redutos. Por lá, prints de perfis, digamos, pouco sedutores e muita gente sem noção. "Todo dia um macho do Tinder passando vergonha" é outra página que reúne bizarrices do app.

Reunimos aqui relatos de quem tenta, mas não emplaca na arte do tinder date.

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O vampiro

    "Gosto sim de mordidas na pegação. Mas vamos combinar que mordida é uma coisa, arrancar pedaço é outra. E meu date não sabia diferenciar as coisas e botava muita força no meu pescoço. Por mais que eu dizia 'ei, tá doendo, vai devagar', não adiantava. Cheguei a falar que aquilo não era um jogo de 'eu digo não e você acha que é um sim'. Até que ele fincou os dentes nos meus lábios e adivinhem? Sangrou! De tanta raiva, gritei com o boy e apenas saí andando, sem olhar pra trás", Camila, 28 anos, assessora de imprensa

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O beberrão

    "É fácil resumir meu primeiro encontro com um cara do Tinder: um fiasco. O ser humano já chegou com cheiro de cachaça, mas eu topei relevar e continuei o date, que foi noite adentro com mais álcool. Poucas horas depois, o cara mal conseguia ficar em pé. Acabei chamando um Uber pra ele, praticamente o carreguei até o carro e nunca, nunca mais ouvi falar na criatura", Amanda, 30 anos, empresária

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O sem noção

    "Tem gente que nem devia sair de casa para não correr o risco de queimar a cara. É o caso de F. Ele me deu trabalho do começo ao fim do date que tivemos. Insultou o garçom, insistia em subir as mãos em direção à minha saia sem que eu quisesse, bebeu horrores e quis dirigir mesmo assim. Pra terminar: quando eu disse que não queria vê-lo de novo, foi super grosso e me chamou de interesseira porque pagou a conta - mesmo depois de eu insistir que fazia questão de dividir", Bianca Vieira, 24 anos, jornalista

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O stalker

    "Depois de dias de conversa com B., quis sair com ele pela lista de coincidências que tínhamos. Vi que ele concordava com tudo o que eu dizia e em uma certa altura da noite, foi ficando estranho ele se parecer tanto comigo. Na hora de ir embora, se ofereceu pra me deixar em casa 'porque também morava no bairro X'. Mas espera, eu nunca disse que morava naquele bairro! Questionei e ele acabou se entregando: me stalkeava há meses e tinha inventado as tais coincidências. Fiquei assustadíssima", Maria Eduarda, 27 anos, maquiadora

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O amigo

    "Só tive más experiências com o Tinder, só homem bunda mole que fica de conversinha - e como gostam de falar! - mas chamar pra sair que é bom, nada. Uma vez, um deles me cozinhou por uma semana. Todo dia mandava um 'oi, sumida', 'adoro o jeito que o seu cabelo cai nas fotos', 'a gente combina em tudo' e estendia a conversa até a madrugada. Quando tomei a iniciativa e propus um date pra gente se conhecer, ele disse: 'estou aqui só pra amizades virtuais, não tô afim de encontros '", Ângela, 25 anos, redatora publicitária

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O noivo

    "Recém solteira, primeiro dia de Tinder. Poucas deslizadas de dedo e, match! Eu e o moço marcamos um date num bar perto de casa. Cerveja, uma conversa pseudo cult sobre arte (era artista plástico) e um monte de coisa que fingi entender. Pedimos a conta e partimos pro metrô. Chegando lá, um beijo. Dois beijos. Pegação de meia hora. Tchau. Chegando em casa, fui eu procurar o cara no Facebook. Tinha ficado noivo há 4 dias! Demorei a engolir tamanha cara de pau, uma vez que as mensagens ainda vibravam no meu celular pedindo um segundo encontro", R., 28 anos, assistente social

  • Imagem: Reprodução
    Reprodução
    Imagem: Reprodução

    O impostor

    "Nada mais sacana que ser enganada pelas fotos da pessoa com quem você conversava por semanas. Tudo bem escolher suas melhores fotos (quem nunca?) para usar no app, mas aparecer um ser completamente diferente no date, aí é fraude! O garoto que encontrei tinha pelo menos 15 kg a mais que o da foto do match, e com certeza nada de cabelo perto do que vi no Tinder. Fiquei meia hora tomando um café e inventei uma emergência pra cair fora do encontro. Não sou obrigada a aturar impostores", Renata, 32 anos, roteirista

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Estilo de vida

Topo