Comportamento

Aplicativo de "luluzinhas" causa discórdia e já gerou processos

Reprodução
Aplicativo Lulu permite a mulheres dar nota a amigos homens do Facebook Imagem: Reprodução

 Faz uma semana que a escritora e filósofa Carol Teixeira, de 33 anos, adquiriu um novo hábito: checar no Lulu as avaliações dos homens com quem já se relacionou. Lançado no Brasil no dia 20 de novembro, o aplicativo se popularizou rapidamente, atingindo seu pico de downloads apenas cinco dias depois. Desde então, tem divido opiniões e já enfrenta até problemas na Justiça.

"A minha primeira reação foi pensar ‘que horror, imagina se fazem um desses para a gente’, mas depois vi que a pessoa não escreve exatamente o que quer. Acaba sendo divertido", conta Carol. A proposta do Lulu é clara: mulheres avaliam os homens, respondendo a perguntas e atribuindo hashtags como #SempreCheiroso, #SemMedoDeSerFofo e #SobreviveNaSelva a cada um deles. Quem é do sexo masculino tem acesso restrito e não pode interferir nas avaliações. O detalhe é que todos os homens cadastrados no Facebook aparecem automaticamente no Lulu. Em caso de desconforto, a única saída é fazer uma solicitação para que o perfil seja excluído.

Confira 20 dicas para paquerar nas redes sociais

  • Rogério Doki/ UOL

Mesmo assim, teve gente que ficou insatisfeita. Foi o caso do estudante de Direito Felippo Scolari, de 28 anos, que, após ter dificuldades para fazer a exclusão de seu perfil, entrou na Justiça pedindo uma indenização de R$ 27 mil por danos morais. "Algumas hashtags, como #MãosMágicas, #CaiDeBoca e #QuerFazerNenem, me causaram um constrangimento diante da minha noiva. Tentei deletar meu perfil inúmeras vezes e todas deram erro", alega.

O advogado de Felippo, Fábio Scolari Vieira, conta que já foi procurado por 20 pessoas inconformadas com o Lulu. "Essas pessoas se sentiram lesadas, pois a Constituição Federal prevê a liberdade de expressão, mas veta o anonimato", justifica. A equipe do Lulu no Brasil afirma que o aplicativo foi lançado em consonância com as leis do País e que ainda não recebeu nenhum tipo de notificação judicial.

Mas a insatisfação não se resume aos homens. "Achei o aplicativo desinteressante, desrespeitoso e mais do mesmo. Não acho que seja feminista nem que traz poder para as mulheres. Não quero ter os mesmos direitos dos homens em objetivar e assediar dessa forma", critica a gerente de conteúdo Fabiane Secches, de 33 anos.

Criação

A jamaicana Alexandra Chong, de 32 anos, teve a ideia de criar uma rede social só para mulheres há quase três anos, em fevereiro de 2011, depois de um brunch com amigas. "Voltando para casa, comecei a pensar que não havia nem sequer um homem naquela mesa. E que, se houvesse algum, a conversa não teria sido a mesma, não poderíamos dividir e detalhar com tanta honestidade e sinceridade tudo o que falamos", contou ela, em um evento em São Paulo na semana passada. O aplicativo foi lançado em fevereiro de 2013 apenas nos EUA e, em sete meses, atingiu um milhão de usuárias.

Segundo a diretora de Marketing do Lulu, Deborah Singer, a escolha do Brasil como segundo mercado para lançar o Lulu foi "simples". "Vocês são loucos por redes sociais e as mulheres brasileiras são incrivelmente elegantes, lançam modas e gostam de coisas novas. Além disso, vocês têm uma vida noturna e de relacionamentos muito ativa e interessante", explica. Por causa do grande número de acessos e downloads, o Lulu apresentou muita instabilidade na semana passada e os desenvolvedores ainda não têm números definitivos sobre a quantidade de usuárias, mas garantem já ter contabilizado 5 milhões de visitas e 200 milhões de avaliações.

Com tamanha repercussão, o Lulu, que vinha sendo chamado de "vingança feminina", pode ganhar em breve seu equivalente para o sexo masculino, justamente o que Carol temia. No final da semana passada, surgiu no Facebook a fan page de um aplicativo chamado Tubby, cujo slogan é: "Sua vez de descobrir se ela é boa de cama". Os criadores, o publicitário Guilheme S., de 21 anos, o desenvolvedor Rafael F., de 22, e a analista de mídias sociais Lívia G., de 32, que preferem não dar os nomes completos, prometem o lançamento para a próxima quarta. "Os homens foram julgados e avaliados. Agora é a vez de as mulheres terem isso de volta. Tudo não passa de uma vingança descontraída", garantem.

Em meio a tanta polêmica, a coordenadora do Núcleo de Pesquisas da Psicologia em Informática da PUC-SP, Rosa Farah, minimiza o poder do Lulu. "Tudo o que tem surgido na web é só uma nova versão de comportamentos que já existem no presencial. Acho que, no fim, não será algo de tanto impacto", pondera. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (Colaborou Bruno Capelas)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo