Comportamento

Movimento "MeToo" chega à China, mas é censurado

Bertrand Guay/AFP
Mulheres usam a hashtag #MeToo em protesto em Paris contra abuso sexual. O movimento conquistou alcance mundial Imagem: Bertrand Guay/AFP

da ANSA, em São Paulo

01/02/2018 15h53

O governo da China estaria agindo para evitar que o movimento "Me Too", que denuncia abusos e assédio sexual, ganhe espaço no país, de acordo com relatos de ativistas locais.   

Recentemente, acadêmicos chineses foram demitidos de seus cargos por envolvimento em crimes sexuais, o que incentivou as mulheres do país a aderirem ao "Me Too", movimento criado nos Estados Unidos em meio às polêmicas de Hollywood.

Veja também

Mas o governo chinês estaria impedindo o crescimento da campanha, postagens que tenham como conteúdo relacionado a denúncias de assédio ou abuso sexual. Diversas ativistas perceberam a censura, como a especialista em feminismo Leta Hong Fincher.

Em uma declaração ao jornal "The Telegraph", ela aponta que "o Partido Comunista está aterrorizado com as proporções virais do #MeToo entre as universidades chinesas".

Atualmente, a China é comandada pelo Partido Comunista — conhecido por censurar diversos assuntos no país, como "democracia", "corrupção", "pornografia", "independência do Tibete" e "independência de Taiwan", dentre outras temáticas sensíveis. Os meios de comunicação que divulgam essas informações também são notificados.

Outras ativistas informaram que mais de 10 universidades chinesas foram alertadas a não atrair tanta atenção às denúncias das alunas. O movimento contra o assédio ganhou força na China quando dois professores da Universidade de Beijing foram acusados de abuso.

Quem apresentou as denúncias foi a engenheira de software Luo Qianqian, ao publicar em seu blog uma acusação de abuso sexual cometido pelo professor Chen Xiaowu. O professor Xue Yuan também foi acusado de moléstia pelo mesmo site.

Quando o #MeToo emergiu nos Estados Unidos, alguns veículos chineses apontaram que os casos de abuso cometidos pelo produtor Harvey Weinstein eram "diferenças culturais", e que, na China, tais atos não necessariamente seriam considerados como violência sexual.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Blog Alto Astral
Blog Deu Match
Redação
do UOL
Redação
EFE
Blog Extraordinárias
Blog Alto Astral
Blog da Morango
Redação
AFP
Redação
EFE
BBC
Blog Alto Astral
Blog Deu Match
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog Alto Astral
do UOL
Redação
Redação
do UOL
AFP
Redação
Redação
Blog Deu Match
Redação
Blog Extraordinárias
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo