Comportamento

O polêmico perdão à babá que teve relações sexuais com um menino de 11 anos

Thinkstock
Casos de abuso contra meninos são tratados de forma diferente dos contra meninas Imagem: Thinkstock

07/10/2015 15h45

Jade Hatt, 21, tomava conta de um garoto de 11 anos na Inglaterra e confessou ter tido relações sexuais com o menino em uma das ocasiões em que cuidou dele.

Ela chegou a ser presa por isso, após ter sido denunciada pelo pai do garoto, mas, em julgamento pelo caso, foi absolvida pela Justiça britânica. A justificativa foi de que "o menor era bastante maduro para sua idade, e ela, por sua vez, era muito imatura para sua idade".

Hatt contou com a defesa do próprio pai do menino, que declarou no tribunal que seu filho estava "plenamente disposto" para a experiência e que "não foi prejudicado em nada" pela situação.

"Na verdade, ele com certeza verá isso como uma marca (de vitória) para seu cinturão", garantiu o pai, que, no passado, também chegou a se relacionar sexualmente com Hatt.

Mas tanto o depoimento do homem quanto a decisão do juiz de suspender a pena de prisão para a babá foram duramente criticados no Reino Unido e têm gerado polêmica --muitos alegam que o caso repete o padrão de culpar a vítima em casos de crimes sexuais.

E, para a Sociedade Britânica para Prevenção de Crueldade com as Crianças, "os comentários do juiz do caso enviam uma mensagem completamente equivocada".

"Isso confirma uma ideia comum na sociedade de que o abuso de um menino por uma mulher é, de alguma forma, menos grave que o abuso de uma menina por um homem", disse a organização em comunicado.

"Louco por sexo"

Segundo os depoimentos ouvidos no tribunal, Hatt estava cuidando do garoto em um dia que ele não tinha aula --e essa não era a primeira vez que ele ficava sob os cuidados dela.

"Foi durante o dia. A ré chegou por volta de 11h30. E uma relação sexual entre os dois aconteceu", disse a promotora no tribunal em Swindon, no sul da Inglaterra.

Quando o pai chegou em casa, ele notou uma mordida no pescoço do filho e encontrou mensagens de texto da babá para o menino que revelavam o ocorrido. Foi aí que ele chamou a polícia.

Hatt foi presa e confessou ter tido relações sexuais com o menor. Mas, em sua defesa, argumentou que o menino havia dito a ela que tinha 15 anos --ainda que o pai houvesse dito a real idade do garoto para ela quando a contratou.

"Ela disse que gostou (da relação). Mas ele disse que não, porque sabia que aquilo era errado", afirmou a promotora Hannah Squire.

O juiz Tim Mousley aceitou o argumento da defesa sobre a suposta imaturidade de Hatt, especialmente em comparação com um garoto descrito pelo próprio pai como "louco por sexo".

"Isso reduz a diferença numérica de idade entre vocês", disse Mousley ao justificar a decisão de não manter a babá presa, tal como sugere a lei para esses casos.

Responsabilidade

Apesar da sentença suspensa, Mousley pediu que Hatt fosse incluída no registro de criminosos sexuais por sete anos e a proibiu de ter qualquer contato não supervisionado com menores por dois anos.

Mas muitos ainda se perguntam se o juiz teria tido a mesma atitude se a vítima tivesse sido uma menina, e não um menino.

E a ONG Kidscape também alegou que, independentemente da maturidade que o garoto possa aparentar, um menino de 11 anos continua sendo uma criança.

"Não se pode esperar que ele tenha a maturidade emocional necessária para consentir uma relação sexual", disse um porta-voz da organização ao jornal "The Guardian".

"Também é muito triste ouvir alguém descrever uma criança como 'louca por sexo', o que de certa forma sugeriria que ela tenha sido responsável pela relação ilegal que aconteceu", completou o porta-voz da Kidscape.

E em um artigo publicado no "Guardian", a colunista Ally Fogg convocou os meios de comunicação a mudar a forma como eles cobrem esse tipo de caso, sugerindo que a própria mídia reafirma esse tipo de percepção.

"Não há nada de novo em uma vítima de crime sexual ser acusada pelo crime", queixou-se. "Seria apropriado que todos, enquanto sociedade, revisássemos nossa forma de ver o abuso sexual contra os homens."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Topo