Comportamento

'Preconceito é maior obstáculo ao fim da epidemia de Aids'

Getty Images
Embora os testes e o tratamento estejam disponíveis, muitos continuam sem acesso por causa do estigma Imagem: Getty Images



A revelação do ator Charlie Sheen, que admitiu ser HIV positivo, reanimou o debate a respeito do vírus, que ataca o sistema imunológico do corpo e pode levar ao desenvolvimento da Aids – doença que ainda carrega forte carga de preconceito, três décadas depois do início da epidemia.

Para o vice-coordenador do Programa de Aids das Nações Unidas (Unaids), o brasileiro Luiz Loures, o maior obstáculo hoje ao fim da epidemia é justamente a discriminação. Segundo ele, embora os testes e o tratamento estejam disponíveis, muita gente continua sem acesso a eles por causa do estigma e do preconceito.

Um novo relatório divulgado nesta terça-feira pelo Unaids revela que os grupos mais duramente atingidos pela doença são justamente os que sofrem mais discriminação: as mulheres e meninas da África, as trabalhadoras do sexo da Ásia, os usuários de drogas injetáveis do leste da Europa e os gays do mundo todo.

"Não vamos conseguir vencer a Aids apenas com comprimidos", afirmou Loures. "Precisamos voltar a falar sobre a doença."

BBC Brasil -O que o novo relatório da Unaids apresenta?

Luiz Loures -Este relatório é diferente, traz uma narrativa nova para a epidemia, chama a atenção para as epidemias locais para tentarmos entender melhor os contextos específicos.

É o caso, por exemplo, da epidemia no Sul do Brasil, ligada aos usuários de drogas injetáveis. Se essas realidades não são conhecidas, é nesses locais que a epidemia pode voltar a crescer. Temos que ser capazes de captar essas diferentes dinâmicas.

A Aids hoje vive uma situação única: temos a ciência e os instrumentos para acabar com a epidemia, mas nem todos se beneficiam da mesma forma deles. Por isso, apesar de termos todos os instrumentos, a epidemia cresce em alguns lugares e vemos o risco de intensificação da epidemia, a despeito de todos os avanços.

BBC Brasil - O preconceito às populações mais vulneráveis ainda é um problema?

Getty Images
Para Loures, reação após Charlie Sheen revelar que é soropositivo lembra década de 1980 Imagem: Getty Images

Loures -Sim, exatamente. Progredimos muito do ponto de vista biomédico, do acesso ao tratamento. Hoje, temos 16 milhões de pessoas em tratamento, quando o nosso objetivo até o fim deste ano era ter 15 milhões de pessoas em tratamento. Mas não conseguimos avançar em questões fundamentais, como a discriminação em serviços de saúde.

BBC Brasil - Ainda há muita discriminação nos hospitais? Isso acontece no mundo todo ou apenas nos países mais pobres?

Loures -No mundo todo. É como se estivéssemos na época pré-tratamento. Quando perguntamos para pessoas das populações consideradas mais vulneráveis (homens gays, usuários de drogas, trabalhadoras do sexo) é quase unânime reclamarem da discriminação nos serviços de saúde. E isso em qualquer lugar do mundo, mesmo nos países desenvolvidos.

É um absurdo que depois de três décadas de epidemia, a discriminação persista inalterada nos serviços de saúde. Parece a época em que eu atendia soropositivos e não conseguia sair do hospital porque os meus colegas se recusavam a por a mão nos meus pacientes. Essa atitude negativa em relação ao HIV persiste na sociedade.

BBC Brasil - A discriminação impede, por exemplo, que mais pessoas sejam testadas?

Loures -Sim, claro. Hoje, temos 16 milhões de soropositivos em tratamento. Mas temos 22 milhões de pessoas que não recebem os remédios, embora eles estejam disponíveis. Mais de 50% dessas pessoas não sabem que têm o vírus. O teste é um ponto fundamental. Precisamos fazer com que essas pessoas tenham acesso ao teste.

E um dos maiores entraves a esse acesso é o serviço de saúde discriminatório. Temos que desenvolver estratégias para levar esse teste para onde as pessoas estão: no trabalho, nas escolas.

BBC Brasil - O senhor acha que houve uma resposta negativa, por exemplo, ao ator Charlie Sheen que, na semana passada, revelou ser soropositivo?

Loures -Sim, parece que estamos vivendo de novo nos anos 1980. Na verdade, a reação da imprensa americana foi pior do que o que víamos nos anos 1980. A resposta de muitos colegas dele foi preconceituosa. Esse episódio mostra de uma forma muito clara que a discriminação está mais viva do que nunca, que não avançamos muito nesse campo.

BBC Brasil - Houve muitos avanços nos últimos anos em relação aos direitos dos homossexuais, por exemplo. Vários países aprovaram o casamento gay. A sensação que se tem é de que avançamos, sim, nessa questão do preconceito. Por que é diferente com a Aids?

Loures -Bem, é um vírus, não vamos diminuir a importância disso. Sei que avançamos muito em algumas áreas de discriminação, mas em relação ao HIV isso não ocorreu. Vejo de forma positiva a questão do casamento igualitário. Mas não falamos mais sobre o HIV como falávamos no passado. Então, há um avanço contra a discriminação, mas é um avanço seletivo. Precisamos voltar a falar sobre a epidemia.

BBC Brasil - Com todos os avanços, ainda é uma epidemia muito grave...

Loures -Sim, a Aids é a principal causa de morte entre mulheres em idade reprodutiva no mundo. É a primeira causa de morte entre adolescentes na África Subsaariana – a segunda no mundo. E a discriminação é um grande problema. Por exemplo, na África, o número de meninas infectadas é muito maior que o de meninos. Isso não é uma questão biológica. É uma questão de gênero. São 5 mil meninas infectadas por semana na África Subsaariana. Se não discutirmos o papel de predador dos homens em relação às mulheres, por exemplo, não vamos resolver o problema. Não é só com comprimido que eu vou resolver a questão. Não somente.

BBC Brasil - Mas por que a questão da discriminação chama mais atenção agora?

Loures -Fica mais evidente justamente porque determina os grupos que ficaram para trás: as mulheres jovens na África, as trabalhadoras sexuais na Ásia, os usuários de drogas na Europa do leste. Os homens gays no mundo todo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
UOL Estilo
Redação
Topo