Equilíbrio

O que realmente nos faz felizes? As lições de uma pesquisa de Harvard que há quase oito décadas tenta responder essa pergunta

Arquivo Pessoal
Robert Waldinger é o quarto diretor do estudo, que começou há mais de sete décadas, "o estudo mais longo sobre a felicidade" Imagem: Arquivo Pessoal

23/11/2016 09h55

O que realmente nos faz felizes na vida?

Por 76 anos, pesquisadores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, têm procurado uma resposta.

O Estudo sobre o Desenvolvimento Adulto (Study of Adult Development, no original em inglês) começou em 1938, analisando 700 rapazes --entre estudantes da renomada universidade e moradores de bairros pobres de Boston.

A pesquisa acompanhou esses jovens durante toda a vida, monitorando seu estado mental, físico e emocional. O estudo continua agora com mais de mil homens e mulheres, filhos dos participantes originais.

O atual diretor do estudo, o quarto desde o início, é o psiquiatra americano Robert Waldinger, que também é um sacerdote zen. Sua palestra no TED (sigla em inglês para Tecnologia, Entretenimento, Design) "O que Torna uma Vida Boa? Lições do Estudo Mais Longo sobre a Felicidade" viralizou na internet. O vídeo da conferência foi baixado mais de 11 milhões de vezes.

"Há muitas conclusões desse estudo", disse Waldinger à BBC. "Mas o fundamental, que ouvimos uma vez ou outra, é que o importante para nos mantermos felizes e saudáveis ao longo da vida é a qualidade dos nossos relacionamentos."

Conectados

"O que descobrimos é que, no caso das pessoas mais satisfeitas em seus relacionamentos, mais conectadas ao outro, seu corpo e cérebro permanecem saudáveis por mais tempo", afirma o acadêmico americano.

"Uma relação de qualidade é aquela em que você se sente seguro, na qual você pode ser você mesmo. Claro que nenhum relacionamento é perfeito, mas essas são qualidades que fazem com que a gente floresça."

No outro extremo, há a experiência da solidão, sentimento subjetivo de sermos menos conectados do que gostaríamos.

"Estou fazendo as coisas que têm significado para mim? Esse é o tipo de pergunta que devemos nos fazer quando falamos de felicidade", fala Waldinger.

"Não se trata de ser feliz em todos os momentos, porque isso é impossível, e todos nós temos dias, semanas ou anos difíceis".

E a fama?

"Não é que seja ruim, há celebridades felizes e também infelizes", diz.

O mesmo vale para o dinheiro. O estudo mostra que, além de um nível onde as nossas necessidades são satisfeitas, o aumento da renda não necessariamente traz felicidade.

"Não estamos dizendo que você não pode querer ganhar mais dinheiro ou estar orgulhoso do seu trabalho, mas é importante não esperar que sua felicidade dependa dessas coisas", declara.

Registros médicos

Os participantes do estudo responderam, ao longo de décadas, questionários sobre a família, o trabalho e a vida social.

"Também tivemos acesso aos seus registros médicos, de modo a avaliar a saúde deles, não só pelo que diziam, mas também pelo que seus médicos e exames relatavam", explica.

Ele conta que, quando começou a trabalhar no estudo, em 2003, também gravou vídeos dos participantes falando com suas mulheres sobre suas preocupações mais profundas.

"E enviamos a seus filhos perguntas sobre o relacionamento com seus pais", diz.

Os participantes foram submetidos ainda a exames de sangue para checagem de indicadores de saúde e, inclusive, análise de DNA.

"Alguns autorizaram escanear seu cérebro e doaram o órgão para que pudéssemos estudá-lo em relação a todos os outros dados que já tínhamos coletado sobre sua vida", contou.

'Na minha própria vida'

Quando a palestra de Waldinger se tornou viral, o acadêmico resolveu fazer um retiro por três semanas.

"A tradição zen sustenta que a contemplação nos ajuda a manter os pés no chão e focar no que é mais importante na vida", escreveu Waldinger, na ocasião.

Diante da enorme repercussão, o acadêmico criou um blog na internet sobre o estudo. E revela que a pesquisa também teve um impacto profundo na sua vida.

"Ela me fez prestar mais atenção nos meus próprios relacionamentos, não só em casa, mas no trabalho e na sociedade", contou à BBC.

"Percebi que meus relacionamentos me dão energia quando invisto neles, quando lhes dedico tempo. Tornam-se mais vivos e não desgastantes", falou.

"A tendência é nos isolarmos, ficar em casa para ver televisão ou nas redes sociais. Mas, na minha própria vida, percebi que sou mais feliz quando não estou fazendo isso."

Oferecer nossa presença

Para Waldinger, investir em um relacionamento significa estar presente.

"Isso faz parte da minha vida como praticante zen. O que percebo é que, quando oferecemos nossa atenção total, nós nos sentimos mais conectados uns aos outros, e isso também acontece no ambiente de trabalho."

"Não se trata de passar mais tempo no trabalho, mas de prestar mais atenção no outro, para se conectar mais com as pessoas, em vez de dar como certo que o outro estará sempre ali", diz.

Conflitos

Waldinger reconhece que pode ser difícil não perder de vista o que realmente importa.

Em parte, isso se deve ao bombardeio de mensagens que recebemos --anúncios de publicidade dizendo, diariamente, que se comprarmos algo seremos mais felizes ou amados.

"E, nos últimos 30 ou 40 anos, glorificou-se a riqueza. Há bilionários que são heróis só porque são bilionários. Essa medida parece mais fácil porque as relações são difíceis, mudam, são complicadas."

Qual a mensagem final de Waldinger para os leitores da BBC?

"Eu diria que eles devem tentar construir laços com as outras pessoas. E é particularmente importante fazer isso com quem se tem algum conflito."

De acordo com o psiquiatra americano, o estudo deixou claro algo que é importante lembrar: "Conflitos minam, de fato, a nossa energia. E acabam com a nossa saúde."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo