Comportamento

Quando se ajoelhar é um ato de rebeldia - e não de submissão

Getty Images
Jogadores e comissão técnica de times de futebol americano se ajoelharam no passado - mas, desafiando o senso comum, em protesto Imagem: Getty Images

18/01/2018 10h00

De acordo com Rumi, místico Persa que viveu no século 13, existem "mil maneiras de ajoelhar".

E os tempos mostraram que não se trata de uma licença poética. Nos anos 60, o ativista de direitos humanos Martin Luther King Jr. organizou uma série de eventos em que manifestantes sentavam-se ou ajoelhavam-se coletivamente como forma de chamar atenção pacificamente para desigualdade racial institucionalizada nos EUA.

Mais recentemente, em setembro passado, centenas de jogadores de futebol americano deram impulso a uma crise política ao se ajoelharem durante a execução do hino nacional dos Estados Unidos antes de diversas partidas do principal campeonato da modalidade, a NFL.

O controverso gesto teve origem em 2016, quando Colin Kaepernick, então principal jogador do San Francisco 49ers, fez o que definiu como um protesto contra a violência policial no país. Mas ganhou repercussão ainda maior quando o presidente Donald Trump exigiu que a liga e os clubes punissem os atletas que aderissem à manifestação. Em uma resposta desafiadora, muitos jogadores fizeram exatamente isso.

No entanto, como maneirismo social, o ato de se ajoelhar é mais frequentemente associado com obediência e deferência do que com resistência ou confronto.

Peregrinos ajoelham-se, bem como pessoas que querem pedir parceiras ou parceiros em casamento. É uma espécie de mesura: o gesto rebaixa o corpo de forma a demonstrar insignificância diante da presença de uma figura mais importante.

Alguém que não é familiar com o costume de ficar de pé para a execução de hinos poderia perfeitamente acreditar que as pessoas ajoelhando eram as que mostravam maior respeito.

Afinal, a postura reflete, por exemplo, a posição submissa adotada em inúmeras pinturas renascentistas e medievais por homens mais velhos diante da presença do Menino Jesus.

Domínio público
Boticceli ironizou nobreza de Florença em 'A Adoração dos Magos', pintura de 1475 Imagem: Domínio público

E, por vezes, de maneiras curiosas: o pintor italiano Sandro Botticelli tem um incrível painel, A Adoração dos Magos (1475), em que mostra integrantes mortos da família Médici, então a mais poderosa de Florença, no lugar dos Reis Magos, que levaram presentes para Jesus por ocasião de seu nascimento.

Ao fazer a substituição, o artista não apenas imortalizou a nobre família como também a subjugou diante de uma autoridade maior.

Assim como as fotos de jogadores americanos ajoelhados, a pintura de Botticelli ousa perguntar:

"Quem ou o que neste mundo - ou além dele - faz com que você se ajoelhe?"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog Alto Astral
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
AFP
Redação
Redação
Blog Deu Match
Redação
Blog Extraordinárias
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
ANSA
Blog Alto Astral
Redação
Redação
Redação
Redação
AFP
Redação
Redação
Redação
ANSA
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
EFE
Blog Alto Astral
ANSA
Blog Deu Match
Blog Extraordinárias
Topo