Comportamento

Fatores psicológicos são principais causas da falta de desejo sexual nas mulheres

ROSANA FERREIRA
Da Redação

10/05/2010 16h59

Se você está com o desejo sexual em baixa, saiba que não está sozinha. O problema, chamado pelos médicos de desejo sexual hipoativo, atinge 26% das brasileiras, sendo que somente 3% delas apresentam causas orgânicas e o restante, psicológicas.

Mas, calma: a falta de apetite sexual momentânea não quer dizer que você esteja com o problema. “Para caracterizar essa disfunção sexual, é preciso ter pouca ou nenhuma vontade de fazer sexo e se repetir em todas as relações sexuais”, explica a psicóloga e sexóloga Carla Cecarello, de São Paulo.

Causas orgânicas
Antes de qualquer tipo de diagnóstico, o importante é investigar a parte física. “Em torno dos 40 anos, peço que a mulher visite também o ginecologista e faça exames hormonais, pois a partir dessa fase é mais comum encontrar causas orgânicas para a falta de desejo sexual”, diz a psicóloga.

O hormônio testosterona é o principal responsável pelo desejo sexual de homens e mulheres. Já o estrógeno, hormônio sexual feminino, é um tipo de “ponte” da libido. Ou seja, ele reforça as características femininas e prepara o corpo para o sexo. Como o corpo trabalha em prol da procriação, as taxas do hormônio na mulher aumentam durante o período fértil, o que favorece o desejo, as chances de fazer sexo e a fecundação.

Mas, nos seres humanos, há mais variantes nesse mecanismo natural, já que os aspectos psíquicos podem prevalecer sobre os físicos. Isso significa que, mesmo que os hormônios estejam no pico, a mulher pode não sentir vontade de fazer sexo. E os fatores psicológicos explicam essa disfunção.

Causas psicológicas
Conheça abaixo, alguns fatores psicológicos que contribuem para a falta de desejo sexual feminino:

- Aceitação do corpo. Muitas mulheres não aceitam o próprio corpo porque não está dentro dos padrões de beleza estabelecidos pela sociedade. Celulite aqui, uma gordurinha ali e pronto: já vem a preocupação com a aceitação do parceiro, e o desejo vai embora. “Mas muitos homens não se importam com isso quando há envolvimento”, diz Carla. O importante é aceitar-se e relaxar.

- Timidez e religião. O ambiente em que a mulher foi educada pode atrapalhar sua sexualidade, dependendo de como o sexo foi apresentado para ela. “Se o assunto teve conotação com algo “feio e sujo”, provavelmente ela não vai encará-lo com naturalidade”, diz Carla.

- Falta de conhecimento do próprio corpo. Quem não se conhece geralmente tem vida sexual pobre, pois não sabe pedir o que gosta. A psicóloga Carla Cecarello sugere aproveitar a hora do banho, com calma e sozinha, para se acariciar e descobrir áreas erógenas. “Se a mulher não consegue atingir o orgasmo, pode ficar frustrada e originar a queda de desejo sexual”, afirma.

- Rotina no sexo. Transar sempre do mesmo jeito, com dia marcado, sem surpresas e emoções novas pode tornar o sexo morno e desinteressante.

- Conflito conjugal. Brigas constantes e falta de respeito entre o casal são ingredientes para acabar com o desejo sexual.

- Desemprego. A situação pode causar problemas financeiros e, consequentemente, preocupações que atrapalham a vida sexual.

- Problemas com filhos. Principalmente adolescentes, que podem apresentar problemas de relacionamento, no namoro e com a iniciação sexual, e exigem a atenção dos pais.

- Estresse do dia a dia. Com trabalho, trânsito, tarefas domésticas e filhos, muitas vezes, não sobra tempo (nem disposição) para cuidar de si mesma, olhar para dentro, prestar atenção no corpo e nos desejos.

Caminhos diferentes
O desejo sexual tem caminhos diferentes para homens e mulheres. Em 2005, a psiquiatra canadense Rosemary Basson revolucionou o conceito de resposta sexual feminino com a divulgação de seu estudo intitulado "Disfunção sexual feminina: definições revisadas e ampliadas", publicado no “Canadian Medical Association Journal”. Até então, a classe médica aceitava a teoria de que homens e mulheres seguiam um ciclo de reações físico-psíquicas que obedecia a seguinte ordem: desejo, excitação, orgasmo e relaxamento. Para Rosemary, isso funciona, sim, para os homens, mas as mulheres são um pouquinho diferentes.

Nós não chegamos prontas para o sexo. A mulher necessita do toque e, mais que isso, se sentir desejada, acarinhada e cúmplice do parceiro

Carla Cecarello, psicóloga e sexóloga

O estudo da canadense mostra que, para as mulheres, a fase da estimulação é mais valorizada. Ou seja, para ter vontade de fazer sexo, elas precisam ser tocadas, diferentemente dos homens, cujo desejo brota de forma mais espontânea e visual.

“Nós não chegamos prontas para o sexo, como os homens. A mulher necessita do toque e, mais que isso, se sentir desejada, acarinhada e cúmplice do parceiro”, diz a sexóloga Carla Cecarello. “O sexo, portanto, começa bem antes do ato em si. A mulher já começa a ser estimulada com um telefonema do parceiro durante o dia, palavras de carinho e atenção, um elogio fora de hora”, diz a psicóloga.

Autoestima

Se a mulher olha para o espelho e não gosta de si, dificilmente vai aceitar que alguém goste dela. É necessário desenvolver a autoimagem

Sergio Savian, terapeuta e escritor especializado em relacionamentos

Para o terapeuta e escritor especializado em relacionamentos, Sergio Savian, o desejo sexual hipoativo pode estar relacionado com a autoestima em baixa. “Se a mulher olha para o espelho e não gosta de si, dificilmente vai aceitar que alguém goste dela. É necessário desenvolver a autoimagem”, opina Savian, que prepara o lançamento do livro “Amor e Sedução para a Mulher do Século XXI” (Editora Gente), previsto para o final do mês. “É comum perceber que a mulher que não tem vontade para o sexo também não tem tesão pela vida”, complementa Carla.

 

Melhorar a autoimagem, entretanto, não significa melhorar somente a aparência externa, com roupas, maquiagem e cirurgia plástica. Elas podem ajudar, sim, mas é preciso cuidar-se de dentro para fora, segundo o especialista em relacionamentos.

Do mesmo modo, Carla Cecarello não aconselha lançar mão de fantasias sexuais para tentar estimular o desejo feminino. “Quando a mulher tem essa disfunção, ela nem pensa nisso. E, se tentar sem vontade, pode ser uma experiência frustrante. O melhor é investigar, descobrir as causas e se tratar o que quanto antes”, sugere. “Uma pessoa só consegue se dar bem num relacionamento amoroso quando se dá bem consigo mesma”, conclui Savian.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
UOL Estilo
Blog da Morango
UOL Estilo
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
AFP
Blog da Morango
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Comportamento
Erratas
Redação
Blog da Morango
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Comportamento
Blog da Morango
Redação
Topo